Publicidade

Equador decide interromper exploração de petróleo na Amazônia

Referendo conta com 59% do apoio dos moradores, estabelecendo um marco global na proteção ambiental

Equador decide interromper exploração de petróleo na Amazônia
Floresta vista por cima
Publicidade

A população equatoriana fez história neste domingo (20.ago), ao votar a favor da suspensão da exploração de petróleo em uma parte da Amazônia equatoriana, em um referendo que teve impactos ambientais, econômicos e políticos. Além de escolher os candidatos que irão disputar a presidência em outubro, os equatorianos decidiram por uma maioria de 59% a favor e 41% contra a interrupção da extração de petróleo nos campos do Parque Nacional Yasuní, uma das áreas ambientais mais ricas do mundo.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Com 93% das urnas apuradas, os eleitores responderam "sim" à seguinte pergunta: "Você concorda que o governo equatoriano mantenha o petróleo do ITT [Ishpingo, Tambococha e Tiputini], conhecido como bloco 43, indefinidamente sob o subsolo?". Apesar de algumas críticas à formulação da pergunta, o resultado foi claro: a exploração de petróleo será gradualmente retirada da região, começando em 4 de outubro, com a publicação dos resultados oficiais, e sendo concluída em até um ano.

O Parque Nacional Yasuní, que cobre mais de 1 milhão de hectares, abriga uma vasta biodiversidade, incluindo milhares de espécies de árvores, mamíferos, pássaros, répteis, anfíbios e peixes, além de ser o lar de populações indígenas, incluindo tribos "isoladas". A decisão do referendo reflete a preocupação da população equatoriana em preservar esses ecossistemas únicos e proteger os direitos dos povos indígenas.

O governo equatoriano, liderado pelo presidente Guillermo Lasso, havia argumentado que a suspensão da exploração de petróleo resultaria em perda de receitas para o país, que já enfrenta uma grave crise de segurança. No entanto, a maioria dos votantes optou por priorizar a preservação ambiental e a sustentabilidade a longo prazo.

O resultado do referendo também reverbera internacionalmente, reforçando a tendência global de preocupação com as mudanças climáticas e a necessidade de transição para fontes de energia mais limpas e sustentáveis. O Equador se torna o primeiro país do mundo a banir, por meio de plebiscito, a exploração de combustíveis fósseis em uma região ambientalmente sensível.

+ Colômbia cobra fim da exploração de petróleo na Amazônia

Organizações ambientais e defensores do clima celebraram a decisão equatoriana, destacando-a como um exemplo para outros países enfrentando decisões semelhantes. No Brasil, onde discussões sobre exploração de petróleo na Amazônia também estão em pauta, o resultado do referendo no Equador reforça o debate sobre a necessidade de transição para uma economia de baixo carbono e a proteção de áreas naturais sensíveis.

O Observatório do Clima, uma rede de organizações da sociedade civil brasileira focada na agenda climática, elogiou a decisão equatoriana e apelou ao governo brasileiro para seguir o exemplo e adotar medidas mais ambiciosas em relação às emissões de gases de efeito estufa e à exploração de combustíveis fósseis.

"Esperamos que o governo brasileiro se mire no exemplo equatoriano e decida fazer a única coisa compatível com um futuro para a humanidade e com a liderança que o Brasil quer ter na luta contra a crise climática: deixar o petróleo da Foz do Amazonas no subsolo e apoiar, quando assumir a presidência do G20, no mês que vem, um pacto global pela eliminação gradual de todos os combustíveis fósseis", disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

No Brasil, o governo Lula e políticos dos Estados amazônicos vêm tentando abrir uma nova fronteira de óleo e gás na Foz do Amazonas, uma bacia sedimentar no litoral do Pará e do Amapá. O Ibama vetou um pedido da Petrobras para um dos blocos.

O Ministério Público Federal (MPF) enviou uma nova recomendação para que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) negue o pedido de reconsideração da Petrobras sobre a perfuração do bloco FZA-M-59, na Foz do Amazonas. Segundo a entidade, o pedido da estatal está repleto de "inconsistências".

*Estagiário sob supervisão de Camila Stucaluc

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
mundo
noticia
noticias
equador
petroleo
exploracao
amazonia
fim
extracao
marco
global
populacao
voto
votar
observatorio
clima
governo
biodiversidade
suspensao
equatoriana
impactos
ambientais

Últimas notícias

Festa dupla: 46 gêmeos se formam em uma única escola nos EUA; veja

Festa dupla: 46 gêmeos se formam em uma única escola nos EUA; veja

Gêmeos representam cerca de 3% dos nascidos nos Estados Unidos, segundo o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde
Biden vai regularizar mais de 500 mil imigrantes nos EUA

Biden vai regularizar mais de 500 mil imigrantes nos EUA

Pacote anunciado por democrata beneficia imigrantes ilegais que são cônjuges e filhos de cidadãos norte-americanos
Por que o inverno começa às 17h51 da próxima quinta-feira (20)? Entenda

Por que o inverno começa às 17h51 da próxima quinta-feira (20)? Entenda

Neste momento irá ocorrer o Solstício de Inverno, termo originado do latim, que significa "sol parado". Veja como será nova estação
Cai o uso das impressoras de papel e a HP está preocupada

Cai o uso das impressoras de papel e a HP está preocupada

Documentos digitais estão cada vez mais presentes na rotina das pessoas
"O Brasil precisa rever seus gastos para ontem", diz deputado Danilo Forte

"O Brasil precisa rever seus gastos para ontem", diz deputado Danilo Forte

Ao Perspectivas, afirmou que "não tem sentido" o país "financiar o refrigerante", em referência a subsídios dados pelo governo a indústrias já consolidadas
RJ: mulher morta em tentativa de assalto na Linha Amarela deixa filha de sete meses

RJ: mulher morta em tentativa de assalto na Linha Amarela deixa filha de sete meses

Crime aconteceu na manhã desta terça-feira (18); idoso também morreu e um dos suspeitos foi baleado
Novo Ensino Médio: relatora propõe carga horária de 2.400 horas e votação de projeto é adiada

Novo Ensino Médio: relatora propõe carga horária de 2.400 horas e votação de projeto é adiada

Comissão de Educação e Cultura do Senado deve votar o texto na quarta-feira (19)
Lula diz que pode disputar reeleição em 2026 para evitar volta dos "trogloditas" e do 'fascismo'

Lula diz que pode disputar reeleição em 2026 para evitar volta dos "trogloditas" e do 'fascismo'

Presidente disse ter sido orientado a não citar o nome do ex-presidente Jair Bolsonaro
Morre Anouk Aimée, atriz dos filmes "A Doce Vida" e "Oito e Meio", aos 92 anos

Morre Anouk Aimée, atriz dos filmes "A Doce Vida" e "Oito e Meio", aos 92 anos

Ícone do cinema francês atuou em clássicos de grandes diretores, como Fellini, Bellocchio, Demy e Altman
Meninas até 14 anos são maiores vítimas de violência sexual, revela Atlas da Violência

Meninas até 14 anos são maiores vítimas de violência sexual, revela Atlas da Violência

Agressão sexual representa quase 1/3 dos casos de violência contra bebês e crianças de até 9 anos e quase metade na faixa etária de 10 a 14 anos
Publicidade
Publicidade