Publicidade

Filho de brasileiros, deputado eleito nos EUA, admite que mentiu

George Santos declarou que se formou em duas instituições norte-americanas

Filho de brasileiros, deputado eleito nos EUA, admite que mentiu
deputado_eleito_eua_george_santos
Publicidade

Deputado eleito pelo partido Republicanos, nos Estados Unidos, e filho de imigrantes brasileiros, George Anthony Devolder Santos admitiu ter mentido em seu currículo profissional e acadêmico. George ficou uma semana em silêncio sobre o caso.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Santos, que foi eleito com 54% dos votos para representar o 3º distrito de Nova York, afirmou que pretende tomar posse no dia 3 de janeiro, para integrar a maioria republicana presente na Câmara dos Estados Unidos. Em entrevista para o jornal New York Post, Santos afirmou que "floreou" o currículo e buscou minimizar as mentiras declaradas durante a campanha.

Além disso, o deputado eleito negou ser réu em um processo na justiça do Rio de Janeiro, no qual  foi acusado pelo crime de estelionato. Na ocasião, o republicano teria utilizado folhas do talão de cheques e falsificado a assinatura de um idoso para o qual sua mãe trabalhava. Ele teria utilizado os cheques para fazer compras fraudulentas, em 2008, em Niterói, região metropolitana da capital fluminense.

Na época, Santos chegou a confessar o crime, mas como não foi localizado para a citação no processo, a ação foi suspensa. Apesar de ser réu, o deputado eleito negou ter cometido qualquer crime dentro ou fora dos EUA.

"Eu não sou criminoso aqui. Aqui, no Brasil ou em qualquer jurisdição no mundo. Absolutamente não sou. Isso não aconteceu", disse ele ao New York Post.

Em sua defesa, Santos afirmou que o que está em questão são as informações falsas em seu histórico profissional e acadêmico. "Meus pecados aqui são florear meu currículo", declarou.

Durante suas campanhas, Santos afirmou que se formou na Faculdade Baruch e na Universidade de Nova York, onde teria recebido diplomas em Finanças e Economia. No entanto,  o deputado do partido Republicanos admitiu que mentiu sobre a formação acadêmica e declarou estar arrependido de ter feito tais declarações falsas. "Eu não me formei em nenhuma instituição de Ensino Superior. Estou envergonhado e me arrependo de ter floreado meu currículo. Nós fazemos coisas estúpidas na vida", completou.

Além da formação no ensino superior, Santos também disse que mentiu sobre a quantidade de propriedades que tinha, um total de 13. Segundo o deputado, ele não tem nenhuma. No entanto, em setembro deste ano, Santos declarou ao Congresso americano ter um apartamento no Rio de Janeiro. O deputado eleito reconheceu ainda que passou por dificuldades financeiras, o que contribuiu para que ele devesse milhares de dólares para credores e locatários.

Em entrevista ao SBT News, em novembro deste ano, Santos confessou ter vindo de uma família sem muitos recursos financeiros. "Eu tenho uma história de vida bem simples. Eu vim de uma família muito pobre. Quando eu nasci, meus pais moravam num porão, um apartamento de porão que a gente conhece como basement, e foi uma luta de batalha pelo sonho americano", afirmou. 

No entanto, Santos não conseguiu explicar como conseguiu resolver sua situação tão rapidamente quando conseguiu investir 700 mil dólares em sua própria campanha eleitoral para disputar a vaga para o Congresso americano.

Sobre as acusações de mentiras acerca dos supostos empregos em empresas de sucesso em Wall Street, região importante em Nova York onde se localizam as maiores companhias do mercado financeiro, o republicano disse que nunca trabalhou diretamente para a Citigroup e a Goldman. Ele culpou o que chamou de "escolhas equivocadas de palavras", que podem ter provocado a impressão de que ele teria afirmado sua passagem profissional por essas companhias.

O deputado disse que trabalhou com as duas empresas por meio da LinkBridge Inestors, onde realmente tinha vínculo trabalhista. Essa empresa, de acordo com Santos, tinha "parcerias limitadas" com o Citigroup e Goldman.

Porém, seu antigo site de campanha trazia a informação de que ele "começou a trabalhar para o Citigroup como um associado e rapidamente cresceu para se tornar um gerente associado de ativos na divisão de ativos reais da firma".

Outra polêmica envolvendo o nome de Santos é a omissão de um casamento heterossexual de anos. Ele, que é o primeiro republicano assumidamente homossexual a ser eleito para a Câmara, reconheceu que o divórcio teve sua conclusão duas semanas antes da formalização de sua primeira candidatura, em 2020.

Ao New York Post, ele afirmou que está resolvido em relação à sua sexualidade. "Eu namorei mulheres no passado. Eu casei com uma mulher. São coisas pessoais", disse.

Já ao SBT, o deputado declarou que seu mérito foi o que contribuiu para que ele fosse eleito e não sua orientação sexual. "A minha orientação sexual não foi uma grande parte da campanha. Isso é parte de quem eu sou. O que foi parte da campanha são meus méritos. O que me levou a chegar a este ponto da minha carreira, o que me levou a ser candidato qualificado para o Congresso. Eu acredito muito em mérito", afirmou.

Não obstante as mentiras de Santos, ele ainda pode tomar posse no dia 3 de janeiro, já que nos Estados Unidos, apenas divergências de idade, cidadania e residência no estado em que concorreram os deputados podem ser considerados como empecilhos para que assumam o cargo para o qual foram eleitos.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
warley-junior
estados unidos
deputado
george santos
mentiras
eleições

Últimas notícias

Festa dupla: 46 gêmeos se formam em uma única escola nos EUA; veja

Festa dupla: 46 gêmeos se formam em uma única escola nos EUA; veja

Gêmeos representam cerca de 3% dos nascidos nos Estados Unidos, segundo o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde
Biden vai regularizar mais de 500 mil imigrantes nos EUA

Biden vai regularizar mais de 500 mil imigrantes nos EUA

Pacote anunciado por democrata beneficia imigrantes ilegais que são cônjuges e filhos de cidadãos norte-americanos
Por que o inverno começa às 17h51 da próxima quinta-feira (20)? Entenda

Por que o inverno começa às 17h51 da próxima quinta-feira (20)? Entenda

Neste momento irá ocorrer o Solstício de Inverno, termo originado do latim, que significa "sol parado". Veja como será nova estação
Cai o uso das impressoras de papel e a HP está preocupada

Cai o uso das impressoras de papel e a HP está preocupada

Documentos digitais estão cada vez mais presentes na rotina das pessoas
"O Brasil precisa rever seus gastos para ontem", diz deputado Danilo Forte

"O Brasil precisa rever seus gastos para ontem", diz deputado Danilo Forte

Ao Perspectivas, afirmou que "não tem sentido" o país "financiar o refrigerante", em referência a subsídios dados pelo governo a indústrias já consolidadas
RJ: mulher morta em tentativa de assalto na Linha Amarela deixa filha de sete meses

RJ: mulher morta em tentativa de assalto na Linha Amarela deixa filha de sete meses

Crime aconteceu na manhã desta terça-feira (18); idoso também morreu e um dos suspeitos foi baleado
Novo Ensino Médio: relatora propõe carga horária de 2.400 horas e votação de projeto é adiada

Novo Ensino Médio: relatora propõe carga horária de 2.400 horas e votação de projeto é adiada

Comissão de Educação e Cultura do Senado deve votar o texto na quarta-feira (19)
Lula diz que pode disputar reeleição em 2026 para evitar volta dos "trogloditas" e do 'fascismo'

Lula diz que pode disputar reeleição em 2026 para evitar volta dos "trogloditas" e do 'fascismo'

Presidente disse ter sido orientado a não citar o nome do ex-presidente Jair Bolsonaro
Morre Anouk Aimée, atriz dos filmes "A Doce Vida" e "Oito e Meio", aos 92 anos

Morre Anouk Aimée, atriz dos filmes "A Doce Vida" e "Oito e Meio", aos 92 anos

Ícone do cinema francês atuou em clássicos de grandes diretores, como Fellini, Bellocchio, Demy e Altman
Meninas até 14 anos são maiores vítimas de violência sexual, revela Atlas da Violência

Meninas até 14 anos são maiores vítimas de violência sexual, revela Atlas da Violência

Agressão sexual representa quase 1/3 dos casos de violência contra bebês e crianças de até 9 anos e quase metade na faixa etária de 10 a 14 anos
Publicidade
Publicidade