Publicidade

Dupla cancela show na Argentina após Banco Central restringir saída de dólar

Saída do ministro da Economia do governo de Alberto Fernández agravou crise socioeconômica que atinge país

Dupla cancela show na Argentina após Banco Central restringir saída de dólar
Dupla de pop e reggaeton latino Mau & Ricky
Publicidade

A dupla de pop e reggaeton latino Mau & Ricky, formada pelos irmãos venezuelanos Mauricio Rodriguez e Ricardo Andrés Rodriguez, compositores de músicas conhecidas como Vente Pa Ca, interpretada por Ricky Martin e Maluma, cancelaram o show que iriam fazer na cidade de Santa Fé, na Argentina. O motivo, segundo a produtora, foram as recentes restrições impostas pelo governo à saída de dólar do país.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

A medida é uma entre várias divulgadas pelo Banco Central argentino nas últimas semanas para lidar com a atual crise socioeconômica que atinge o país, agravada pela renúncia de Martin Guzmán do cargo de ministro da Economia por falta de apoio de um setor da coalizão do governo de Alberto Fernández que responde à vice-presidente e ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015) por seu plano de redução do deficit fiscal e controle da inflação, que desde o início do ano chegou a quase 30%. 

Substituído por Silvina Batakis, Guzmán era visto como uma voz moderada no governo de esquerda e sua saída coloca um grande ponto de interrogação no recente acordo do país com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para reestruturar US$ 44 bilhões em dívidas.

A economia argentina já está sobrecarregada com a escassez de combustível, a inflação a uma taxa anual superior a 60% e pobreza que atinge mais de 37% da população. No entanto, a crise não é novidade.

Ao SBT News, Fernando Alfonso Mayor, 61, dono de uma loja de cimento em Buenos Aires, contou que a situação é a mesma, governo após governo. "Sempre foi e sempre será igual."

"A gente aqui vive se esquivando dos problemas dos governos. Desde que eu tenho consciência, dos meus 18 anos para cá, sempre foi igual neste país: um governo um pouquinho melhor, outro mais ou menos, mas um país que era número 1 do mundo, hoje estamos --não quero nem falar -- estamos em ruínas.", lamentou o comerciante.

Devido às sucessivas crises, os argentinos desconfiam tanto de seus governos e sua moeda que economizam em dólares, principalmente em períodos de inflação acelerada e instabilidade política como a atual.

É uma tentativa de preservar o poder de compra: os cidadãos economizam nessa moeda, enquanto empresas e investidores dolarizam seus lucros. O problema é que a escassez de dólar é um problema antigo no país.

Após dar um calote na dívida externa em 2001, a Argentina não consegue acumular reservas internacionais. O controle de capitais durante o período dos Kirchner (2003-2015) no governo limitou o aumento da dívida externa, mas a situação mudou com Mauricio Macri (2015-2019), que liberou o capital, ampliando rapidamente o endividamento externo, sem que houvesse uma recuperação das reservas internacionais.

Na tentativa de controlar as reservas, o governo de Fernández vem impondo uma série de restrições para compra de dólares e, em junho, o Banco Central limitou o uso de moeda estrangeira para diversos tipos de importações.

Apesar de limitar a saída da moeda do país, a medida, ao mesmo tempo, agrava a situação econômica interna, pois causa desabastecimento de produtos e pior: o aumento de preços e consequentemente alta inflação, como explica o professor da Universidade Federal de Sergipe, Corival Alves do Carmo, mestre em Economia 

"Essa restrição gera um outro elemento: no caso de uma situação de hiperinflação, que não é o caso da Argentina, mas você tem uma inflação alta, as pessoas querem proteger a sua riqueza e como na Argentina as pessoas podem transacionar internamente com dólares, o que é que todo mundo faz? Vai comprar dólares, mesmo que seja no mercado paralelo, causando mais uma pressão adicional sobre a taxa de câmbio."

E é esse desequilíbrio que o país parece não conseguir resolver. Dar um novo calote no FMI daria uma margem de manobra ao governo, mas somente de curto prazo. "Em tese, um novo calote dá uma margem de manobra -- é o argumento de quem defende o calote  -- porque aí você não tem que efetuar os pagamentos do acordo com o FMI e tem uma quantidade maior de dólares.

Só que essa quantidade de dólares que você consegue com um calote é pequena frente as necessidades, já que um calote significa novas saídas de capital e desvalorização cambial", explica o economista, que também aponta que a outra opção, continuar com o acordo e aumentar os níveis de exportação, poderia solucionar a crise econômica crônica do país, mas a atual conjuntura internacional não é favorável.

"Não é fácil nem ser presidente nem ser Ministro da Economia da Argentina, não tem uma solução óbvia, não tem uma solução de quatro anos.  É preciso de uma conjuntura internacional favorável, você precisa de um arranjo regional favorável, e nas circunstâncias atuais não tem. A conjuntura não é favorável para a Argentina, pois existem uma série de fatores que tornam difícil definir uma agenda que vai produzir resultados de curto prazo."

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbtnews
portalnews
argentina
mundo
economia
inflação
crise
preços
dupla
mau y ricky
banco central
giovanna colossi
sbt

Últimas notícias

PEC das drogas: entenda o que muda com a proposta e quais próximos passos no Congresso

PEC das drogas: entenda o que muda com a proposta e quais próximos passos no Congresso

Proposta que reforça Lei de Drogas foi aprovada na CCJ da Câmara e segue para comissão especial; enquanto isso, julgamento do STF pode ser retomado
Cantor sertanejo descobre tumor cerebral e cancela shows

Cantor sertanejo descobre tumor cerebral e cancela shows

Augusto, da dupla com Rafael, fará cirurgia nos próximos dias
Leilão de arroz, alta do dólar, ministro indiciado, MP devolvida: entenda semana tensa do governo Lula

Leilão de arroz, alta do dólar, ministro indiciado, MP devolvida: entenda semana tensa do governo Lula

Executivo ainda sofreu com avanço de pautas conservadoras no Congresso, alta do dólar e da inflação e saída de secretário do Ministério da Agricultura
Gestante que se jogou de prédio: diarista recebeu proposta sexual do mesmo homem

Gestante que se jogou de prédio: diarista recebeu proposta sexual do mesmo homem

Igor Campos está preso após as agressões cometidas no último domingo (08)
Policial penal de folga agride mulher e é preso em Goiás

Policial penal de folga agride mulher e é preso em Goiás

No dia seguinte, agressor foi trabalhar normalmente depois do crime; outro homem também participou da violência
Família denuncia hospital por negligência após morte de recém-nascida

Família denuncia hospital por negligência após morte de recém-nascida

Criança nasceu com infecção e, de acordo com os pais, recebeu alta antes do tempo
BeReal, rede social que cresceu entre a Geração Z, foi vendida por R$ 3 bilhões

BeReal, rede social que cresceu entre a Geração Z, foi vendida por R$ 3 bilhões

Rede social chamou a atenção em 2022 por ter a proposta de ser "anti-Instagram", teve queda no número de usuários e foi adquirida por uma produtora de jogos
Comércio cresce 0,9% em abril, diz IBGE

Comércio cresce 0,9% em abril, diz IBGE

Acumulado do ano chegou a 4,9%, enquanto nos últimos 12 meses, somou 2,7%
Tebet: "Não passa pela cabeça desvincular aposentadoria do salário mínimo"; entenda o que está em jogo

Tebet: "Não passa pela cabeça desvincular aposentadoria do salário mínimo"; entenda o que está em jogo

Ministra afirmou que Lula e equipe econômica estudam "modernização" de benefícios vinculados ao Orçamento
Três detentos pulam alambrado e fogem de presídio em Minas Gerais

Três detentos pulam alambrado e fogem de presídio em Minas Gerais

Trio acessou uma área de mata fechada próxima da Penitenciária de Teófilo Otoni
Publicidade
Publicidade