Publicidade

Assassino de John Lennon tenta condicional pela 12ª vez

Na 11ª tentativa, Mark Chapman pediu desculpas para a viuva Yoko Ono e que cometeu o crime por ciumes e inveja da fama

Assassino de John Lennon tenta condicional pela 12ª vez
Assassino de John Lennon tenta condicional pela 12ª vez
Publicidade

Mark Chapman alega que tinha muita inveja de John Lennon e queria ser famoso. Assassino já cumpriu 20 dos 40 anos da pena de prisão. Fotos: New York State/Departament of Corrections e Divulgação

Após pedir desculpas a Yoko Ono, assassino de John Lenon, Mark Chapman, pede pela 12ª vez sua liberdade condicional à Justiça dos Estados Unidos. Na última audiência, em 22 de setembro, o homem que calou a voz dos Beatles pediu desculpas a Yoko Ono, viuva do músico, pelo crime.

Segundo o jornal Daily Star, da Inglaterra, Chapman, hoje com 65 anos, segue cumprindo pena de 40 anos na Unidade Correcional de Wende, em Nova Iorque. O autor do crime que chocou o planeta em 8 de dezembro de 1980, disse que atirou contra John Lennon por "fama", porque o artista tinha fama de nível internacional. O cantor e compositor dos Beatles foi assassinado por quatro tiros no lado de fora do seu apartamento, em Manhattan, enquanto assinava um autógrafo para o seu algoz.

Ele também revelou que desde seu cumprimento de pena, se converteu a Deus e pediu para que "ele fale às pessoas sobre o Senhor", para garantir a liberdade condicional. Até o momento, o texano cumpriu metade de sua pena. Lennon tinha 40 anos quando foi baleado por Chapman. Na transcrição do processo, ele se desculpou pela "frieza" em relação ao crime.

Chapman tinha dito que "sabia que era errado e fez isso por fama. Uma palavra, apenas fama. É isso. Ele era famoso, extremamente famoso. Por isso que ele estava no topo da lista"."Foi um ato extremamente egoísta. Eu lamento pela dor que causei para ela, penso sobre isso o tempo todo", reconhece.

Ainda na audiência, ele acrescentou que matou Lennon porque estava 'com raiva e com ciumes' do estilo de vida que vivia. "Na época, meu pensamento era que ele tinha todo esse dinheiro, mora neste lindo apartamento e gosta de música, o que representa um estilo de vida mais cauteloso, mais generoso, isso me deixou com raiva e ciúme em comparação com a maneira como eu vivia na época. Havia ciúme ali ", disse ele.

O assassino de Lennon continuou lamentando. "Eu o assassinei, para usar sua palavra, porque ele era muito, muito, muito famoso e essa era a única razão e eu estava muito, muito, muito, muito procurando a própria fama, muito egoísta". Ele deu seu ponto de vista em relação à pena de morte explicando que "a pena de morte para mim, é às vezes um pouco alta e baixa, mas para mim, eu mereço isso. Sei que falo por mim. Eu sei o que fiz".
 
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
mundo
mundo
john lennon
beatles
mark chapman
julgamento
condicional

Últimas notícias

Influenciador Igor Viana é suspeito de desviar doações para filha com paralisia cerebral

Influenciador Igor Viana é suspeito de desviar doações para filha com paralisia cerebral

Homem, que também é acusado de maus-tratos, teria chamado de “trouxas” os seguidores que fizeram doações para a menina
Coordenadora e cuidadora de creche são demitidas suspeitas de acobertar agressões a crianças

Coordenadora e cuidadora de creche são demitidas suspeitas de acobertar agressões a crianças

Vídeo de professora agredindo crianças de 3 e 4 anos em escola de São José do Rio Preto circulam na internet desde sexta-feira (21)
23 armas de presidente de empresa de ônibus são apreendidas em São Paulo

23 armas de presidente de empresa de ônibus são apreendidas em São Paulo

Presidente afastado da Upbus é suspeito de lavagem de dinheiro e organização criminosa. Companhia foi alvo da Operação Fim da Linha
Estudantes da rede pública recebem nesta quarta (26) parcela do Pé-de-Meia nesta quarta

Estudantes da rede pública recebem nesta quarta (26) parcela do Pé-de-Meia nesta quarta

Valor é de R$ 200 e depósitos vão até o dia 1º de julho, de acordo com data de aniversário
Pacheco critica decisão do STF que descriminaliza porte de maconha: "Gera vácuo e lacuna jurídica"

Pacheco critica decisão do STF que descriminaliza porte de maconha: "Gera vácuo e lacuna jurídica"

Segundo presidente do Senado, descriminalização do porte de drogas "só pode se dar através do processo legislativo, e não por uma decisão judicial"
Mais da metade dos brasileiros conhecem pessoas que trocaram voto por dinheiro, diz pesquisa

Mais da metade dos brasileiros conhecem pessoas que trocaram voto por dinheiro, diz pesquisa

Escolha na urna foi "vendida" por valores menores do que R$ 100 na maior parte das vezes, segundo entrevistados pelo Instituto Não Aceito Corrupção
Caso Marielle: suspeito pede a Moraes para voltar a receber salário

Caso Marielle: suspeito pede a Moraes para voltar a receber salário

Ex-titular da Delegacia de Homicídios teria conduzido as investigações de modo a garantir a impunidade dos mandantes do duplo homicídio
Governo deve fazer até 800 mil perícias visando corte de gastos

Governo deve fazer até 800 mil perícias visando corte de gastos

Segundo estimativas do INSS, medida pode vir a resultar em economia de R$ 7,2 bilhões em um ano
Comissão da Câmara aprova inclusão de imunoterapia para tratamento de câncer

Comissão da Câmara aprova inclusão de imunoterapia para tratamento de câncer

Segundo a proposta, caberá ao governo regular a inclusão da técnica no SUS
Manifestantes invadem parlamento e ateiam fogo em prédios durante protesto no Quênia

Manifestantes invadem parlamento e ateiam fogo em prédios durante protesto no Quênia

Ao menos cinco pessoas morreram e dezenas ficaram feridas
Publicidade
Publicidade