Publicidade

ENGANOSO: Post usa texto que manipula dados para atacar a segurança das vacinas

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova

ENGANOSO: Post usa texto que manipula dados para atacar a segurança das vacinas
Projeto Comprova/Divulgação
Publicidade

ENGANOSO: É enganoso conteúdo de uma publicação no Twitter que traz a capa de um jornal, de abril deste ano, cuja manchete afirma que a Pfizer tinha conhecimento de que suas vacinas matariam as pessoas. Os dados utilizados no artigo do jornal foram retirados de contexto e ainda tiveram uma interpretação equivocada.

Conteúdo investigadoPostagem mostra foto da manchete "Pfizer knew their vaccine would kill", de uma publicação impressa inglesa, e as seguintes frases: "Pfizer sabia que sua vacina poderia matar" e "Mas não era tudo teoria da conspiração nossa?".

Onde foi publicado: Twitter

Conclusão do Comprova: É enganosa uma postagem que repercute a foto de um jornal impresso inglês -- apontado como propagador de teorias da conspiração -- com a seguinte manchete: "Pfizer knew their vaccine would kill". O texto da publicação independente se baseia em documentos divulgados pela FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, a pedido de um grupo de médicos.

Saiba mais:
>> Conheça o Projeto Comprova e os seus princípios
>> Recebeu conteúdo suspeito? Envie para o nosso WhatsApp
>> Leia as últimas notícias no portal SBT News
>> Curta o SBT News no Instagram
>> Curta o SBT News no Facebook
>> Siga o SBT News no TikTok
>> Siga o SBT News no Twitter

No entanto, texto e manchete distorcem a realidade dos fatos. Como o próprio documento da Pfizer explica, o número de mortes ressaltadas no texto não tem relação direta com a aplicação da vacina, como faz crer a manchete. Trata-se de notificações espontâneas por pessoas ou equipes médicas de eventos ocorridos após a vacinação, e que são tratados como eventos adversos suspeitos.

O recebimento de notificações espontâneas faz parte de uma estratégia de monitoramento de segurança e eficácia das vacinas. A União Europeia adota o mesmo procedimento, por meio da plataforma EudraVigilance. Na página de segurança das vacinas da EMA, a afirmação é de que as vacinas são seguras e eficazes, e que sérios problemas relacionados à aplicação das doses são extremamente raros.

Para o Comprova, enganoso é o conteúdo que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos de maior alcance nas redes sociais. A postagem verificada, até o dia 2 de maio de 2022, alcançou mais de mil curtidas e 460 republicações, o que aumenta ainda mais o alcance. Já o jornal que publicou o artigo tem distribuição gratuita e irregular em diversas cidades do Reino Unido e Estados Unidos e seu alcance não é calculável.

O que diz o autor da publicação: Paulo Filippus é empresário, tem uma empresa que presta suporte técnico em equipamentos eletrônicos em Santa Catarina, além de atuar na negociação de criptomoedas. Foi membro do Movimento Brasil Livre (MBL) e candidato a vereador na cidade de Gaspar, em Santa Catarina, em 2016 pelo DEM. Não foi eleito.

Procurado pelas suas redes sociais e pelos meios de contato dos sites de suas empresas, Paulo não se manifestou até o momento da publicação.

Como verificamos: O Comprova consultou as edições do The Light Paper na internet e reportagens sobre a publicação e seu fundador em veículos noticiosos, especialmente de cidades locais inglesas. A equipe também consultou informações sobre a empresa responsável pelo jornal no site do governo do Reino Unido, e entrou em contato com a Pfizer para esclarecer os dados da manchete aqui verificada. A Pfizer não respondeu ao contato da reportagem.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 2 de maio de 2022.

A manchete de abril

A matéria que gerou a manchete afirmando que a Pfizer sabia que a sua vacina causaria mortes é baseada em documento cedido pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos EUA, sobre o processo de aprovação da vacina. Ele faz parte de um conjunto de dados publicizados após um grupo de médicos entrar na Justiça cobrando a transparência.

documento é uma análise de dados fornecidos de forma espontânea por pacientes ou equipes médicas sobre condições, clínicas ou não, observadas no período posterior à aplicação de uma dose da vacina da Pfizer contra a covid-19.

Foram 42.086 casos relatados entre o dia 1º de dezembro de 2020 e o dia 28 de fevereiro de 2021, que vão desde dor de cabeça, falta de ar, problemas cardíacos a até mesmo falta de apetite ou depressão. O objetivo dos dados coletados era monitorar a eficácia da vacina e sua segurança. Das 1.223 mortes apontadas no texto, 454 casos são referentes a pacientes que foram imunizados, mas foram infectados com a covid-19, desenvolveram sintomas graves da doença e posteriormente morreram. A causa da morte foi um problema decorrente da doença e não da vacina.

Segundo observações feitas pela própria Pfizer neste relatório apresentado à agência europeia, os dados não devem ser usados como análise de risco ou mesmo de eficácia, mas como possível alerta em determinadas circunstâncias. Isso porque o texto apresentado na matéria é apenas um de uma centena de outros que foram enviados às agências reguladoras como forma de acompanhamento dos efeitos da vacina. Não é possível fazer a análise definitiva do medicamento observando apenas uma parte dos dados produzidos.

Explicação semelhante, e que faz ressalva entre relação direta do efeito adverso notificado espontaneamente com a vacina, aparece na página de segurança das vacinas da EMA. Os números atualizados mostram o total dos imunizantes aplicados e de efeitos adversos suspeitos notificados espontaneamente pela população a partir da plataforma EudraVigilance.

| Reprodução de parte da página Safety of COVID-19 vaccines do European Medicines Agency capturada em 2 de maio de 2022.

O jornal e seu fundador

O jornal The Light Paper foi registrado como empresa no Reino Unido em 9 de setembro de 2020, conforme consta no site da Companies House, agência vinculada ao Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Reino Unido, responsável pelo registro e dissolução de empresas.

O jornal é publicado mensalmente na internet e também circula em formato impresso. A primeira edição é de setembro de 2020. Segundo documento do dia 16 de setembro de 2021, a sede fica na cidade de Manchester, na Inglaterra. A empresa, no entanto, foi dissolvida compulsoriamente pela Companies House em 15 de fevereiro de 2022.

O Comprova enviou e-mail para a assessoria de imprensa da Companies House para entender os motivos da dissolução da empresa, mas não obteve resposta. Uma reportagem do site Stroud News & Journal, no entanto, fala em falta de registro das contas da companhia e de pagamento de impostos como motivos para a dissolução compulsória de uma empresa pela Companies House.

Apesar de a empresa ter deixado de existir legalmente, como informa o Stroud News & Journal, o The Light continua a ser publicado. A última edição, de abril deste ano, é a que aparece no tuíte verificado.

O fundador e editor do jornal é Darren Smith, de 51 anos. Ele também se identifica como Darren Nesbitt, como consta em reportagem do The Guardian. O nome é o que aparece na ficha da empresa na Companies House, como sendo da pessoa que detém o controle da empresa.

Além do jornal, Smith tem uma loja de guitarras na cidade de Manchester, na Inglaterra, onde mora, e uma confecção de camisetas com frases de famosas teorias da conspiração como a negação da presença do homem na Lua e questionamentos sobre a veracidade dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

Conteúdo

A publicação se autointitula como "a truthpaper" (jornal da verdade, em livre tradução) ou "The Uncensored Truth" (a verdade sem censura). São publicados conteúdos contra lockdowns, o uso de máscaras e a vacinação contra a covid-19, em manchetes como "End face masks and social distancing, Top Scientists Say" (Fim do uso de máscara e do distanciamento social, dizem cientistas), "Covid shots kill and injure hundreds" (Vacinas contra covid matam e deixam centenas doentes) e "Masks do more harm than good" (Máscaras fazem mais mal do que bem). Uma outra questiona a própria existência da pandemia: "What pandemic?" (Que pandemia?).

Frequentemente, o jornal afirma que a pandemia da covid-19 é uma farsa e repercute teorias da conspiração que falam em controle de mentes por meio da vacinação e na instalação de um regime ditatorial global que estaria por trás da implementação da Agenda 21, o conjunto de normas para o desenvolvimento sustentável lançado em conferência da Organização das Nações Unidas (ONU), no Rio de Janeiro, em 1992.

Na edição de novembro de 2021, o jornal publicou um artigo em defesa do cantor e radialista Graham Hart, condenado e preso na Inglaterra, em agosto de 2021, acusado de propagar canção e ideias que questionam o Holocausto. O texto gerou protesto contra o The Light na cidade de Stroud.

Circulação

O The Light Paper sobrevive de doações, anúncios e venda, a apoiadores, de lotes de exemplares, que são distribuídos em protestos anti-lockdown, postos de gasolina, coffee-shops e outras áreas públicas de cidades inglesas. As edições também são colocadas em caixas de correio e por baixo da porta de casas de moradores.

Em uma consulta na internet, é possível verificar notícias locais que alertam sobre a distribuição do jornal. Nesta reportagem do Cambridgeshire Live, um leitor de Cambridge denuncia que sua avó recebeu o jornal na caixa postal de casa, e que suspeita que a distribuição seja direcionada às pessoas mais idosas. A matéria afirma que há relatos da distribuição do jornal em Londres, Manchester, Yorkshire, North Wales, Surrey e Leicestershire.

Nesta reportagem do Bracknell News, a denúncia parte de uma mulher que afirma ter recebido por baixo da porta de casa, na cidade de Bracknell, uma edição do jornal com afirmações de que a pandemia da covid-19 era uma farsa.

Já o Doncaster Free Press denuncia a distribuição do jornal na cidade de Doncaster e afirma que a publicação tem sido considerada "perigosa" por espalhar "informações falsas e enganosas sobre vacinas e teorias da conspiração envolvendo a covid-19".

Nesta reportagem, o The Guardian chama a atenção para a estratégia do jornal de driblar os checadores de notícias online e as plataformas de mídias sociais ao distribuir uma versão impressa com layout que assemelha ao de veículos de credibilidade reconhecida.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam na internet e estão relacionados às eleições presidenciais deste ano, à realização de obras públicas e à pandemia da covid-19. Neste caso, a postagem verificada contribui para desacreditar a população sobre a eficácia e segurança das vacinas contra a covid-19, que foram aprovadas por agências de vigilância ao redor do mundo.

Outras checagens sobre o tema: O Comprova já investigou uma série de outros conteúdos que tinham o mesmo intuito de questionar a segurança das vacinas. As equipes mostraram que vacinas de mRNA não são terapia genética e não causam covid e que um deputado omitiu dados para atacar vacinas. Restou evidenciado, ainda, que agências reguladoras descartam risco de infertilidade de vacinados e que são falsas as afirmações de que a vacina contra a covid-19 cause câncer, danos genéticos e até mesmo "homossexualismo".

Investigação e verificação

CNN, O Dia participaram desta investigação e a sua verificação, pelo processo de crosscheck, foi realizada pelos veículos A Gazeta, Imirante.Com, CBN Cuiabá, Correio Braziliense, Estadão, O Plural,  SBT e SBT News.

Projeto Comprova

Esta reportagem foi elaborada por jornalistas do Projeto Comprova, grupo formado por 40 veículos de imprensa brasileiros, para combater a desinformação. Iniciado em 2018, o Comprova monitorou e desmentiu boatos e rumores relacionados à eleição presidencial. Agora, na quinta fase, o Comprova segue verificando conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do governo federal e eleições, além de continuar investigando boatos sobre a pandemia de covid-19. O SBT e SBT News fazem parte dessa aliança.

Desconfiou da informação recebida? Envie sua denúncia, dúvida ou boato pelo WhatsApp 11 97045 4984.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
projeto-comprova
enganoso
post
texto
manipula
dados
atacar
segurança
vacinas
coronavírus
covid-19
saúde
desinformação

Últimas notícias

Professora é retirada de escola pela policia após agressões a alunos

Professora é retirada de escola pela policia após agressões a alunos

Mulher foi flagrada arrastando criança em sala de aula; segundo os pais, crianças ficaram agressivas, além de apresentarem machucados constantemente
Judeus ultraortodoxos passam a ser obrigados ao serviço militar em Israel

Judeus ultraortodoxos passam a ser obrigados ao serviço militar em Israel

Militares disseram que são capazes de alistar 3 mil este ano; 66 mil são elegíveis para alistamento
Anvisa proíbe venda e uso de produtos à base de fenol em procedimentos estéticos e de saúde

Anvisa proíbe venda e uso de produtos à base de fenol em procedimentos estéticos e de saúde

Resolução da agência é publicada semanas após morte do empresário Henrique Chagas, em São Paulo
Mulher é morta a facadas por não compartilhar senha do wi-fi

Mulher é morta a facadas por não compartilhar senha do wi-fi

Casal usava senha do dispositivo até vítima alterar a combinação de números; crime brutal por motivo banal foi registrado no Pará
Suas publicações do Instagram, WhatsApp e Facebook vão treinar a inteligência artificial da Meta; saiba como evitar

Suas publicações do Instagram, WhatsApp e Facebook vão treinar a inteligência artificial da Meta; saiba como evitar

IA generativa Meta AI terá acesso as fotos e legendas compartilhadas publicamente nas redes sociais da big tech
Senador do MS cobra rapidez contra incêndios no Pantanal: "Do contrário, o tempo vai nos vencer"

Senador do MS cobra rapidez contra incêndios no Pantanal: "Do contrário, o tempo vai nos vencer"

Nelsinho Trad (PSD-MS) disse que trabalha para acelerar tramitação de projeto de lei que institui Política Nacional de Manejo Integrado do Fogo
Fogo destrói ônibus e caminhão-baú na zona oeste de SP

Fogo destrói ônibus e caminhão-baú na zona oeste de SP

Veículos estavam no estacionamento de empresa na Barra Funda; ninguém se feriu
SP: Motorista de Porsche é investigado por agredir ex-madrasta

SP: Motorista de Porsche é investigado por agredir ex-madrasta

Fernando Sastre Filho está preso pela morte de condutor de aplicativo após colisão na zona leste da capital paulista, em março
WikiLeaks posta foto de Julian Assange antes de assinar acordo com EUA

WikiLeaks posta foto de Julian Assange antes de assinar acordo com EUA

Jornalista australiano fundou plataforma que publicou milhares de documentos confidenciais dos Estados Unidos e estava preso na Inglaterra desde 2019
Enfermeira que desapareceu após dívidas do “jogo do tigrinho” volta para casa

Enfermeira que desapareceu após dívidas do “jogo do tigrinho” volta para casa

Mulher estava desaparecida há oito dias; ela saiu de Piracicaba, no interior de SP, e foi para o Mato Grosso do Sul
Publicidade
Publicidade