Publicidade

ANÁLISE: Temos uma chance, por Carlos Nascimento

Leia a análise sobre as eleições municipais deste ano e o que virá pela frente

ANÁLISE: Temos uma chance, por Carlos Nascimento
SBT News
Publicidade

       
A eleição que passou desperta uma esperança que parecia morta no Brasil : tudo indica que a maioria do eleitorado ainda é formada por pessoas equilibradas, responsáveis e de bom senso. Só uma visão assim permitirá recolocar o País nos trilhos em 2022.

As urnas repudiaram, em vários casos,  o radicalismo, o populismo, a corrupção, a incultura, a ignorância e a grosseria. E não foram tão boazinhas com os discípulos de "igrejas" criadas para explorar a boa fé das pessoas. Nem com os que insistem em uma solução policial ou militar para os problemas nacionais.

Há uma ligação dessas práticas com as "redes sociais", mas esse instrumento teve menos êxito do que na eleição presidencial. Parte dos eleitores se deu conta de que os ataques pessoais e a violência não são a melhor fonte para escolher governantes.

As câmaras municipais e prefeituras, quando ocupadas sem critérios tornam-se a porta de entrada de pessoas mal-intencionadas na vida pública. Basta ver as imagens com os apelidos e fantasias grotescas de candidatos que se submetem ao ridículo para atrair votos. 

Mais grave é o alerta de que organizações criminosas inscrevem seus paus mandados para disputar eleições. Ou dão suporte para os maus políticos defenderem interesses comuns.

Em 1976, quando o governo militar instituiu o salário dos vereadores, meu preceptor no Jornalismo, Clineu Alves de Lima, também secretário da Câmara Municipal disse: 

 - O Geisel acabou com a política no Brasil. Hoje temos onze vereadores que se reúnem uma vez por semana, de graça e foram eleitos porque são idealistas e gostam do que fazem. A partir de agora haverá uma fila de interessados. Não nos problemas da cidade, mas no dinheiro. 

Não serei tão taxativo porque há vereadores sérios que defendem ideias e eleitores. Mas há desacertos econômicos, como os cabides de empregos e déficits fiscais e orçamentários que poderiam ser domados a partir das contas municipais. 

Os eleitores e os partidos de cidades grandes ou pequenas deveriam selecionar os candidatos com mais pudor e acuidade do que, quando for o caso, por uma troca de favores. 

A maioria dos brasileiros abandonou a política e terceirizou a administração do País. Ter um pai, um filho ou um neto candidatos tornou-se indesejável. Trocamos a responsabilidade social pelas metas pessoais e pelo argumento de que "a política é suja". 

Não confundam o que escreverei a seguir com preferências ideológicas ou eleitorais e menos ainda com atestados de idoneidade política ou pessoal. Vou citar, como observador, alguns eleitos que sinalizam uma política mais promissora. 

O primeiro é Rafael Greca, reeleito pelos curitibanos no 1.o turno com quase 60% dos votos. Além de urbanista, engenheiro e economista ama a sua cidade e ocupa o cargo com sensibilidade e entusiasmo.  É um prefeito por vocação, não por conveniência. Conseguiu unir alguns pontos  fundamentais na administração municipal : as necessidades urbanas, o bom gosto, a mobilidade e a cultura.

O segundo é Bruno Covas. Nada a ver com suas ligações partidárias ou com os méritos do avô, Mário Covas. Paciente de um câncer grave, o prefeito de São Paulo se manteve no cargo durante o tratamento e transmitiu coragem e perseverança em uma campanha difícil. Foi um candidato que se aproximou bastante da figura de um estadista. 

O terceiro é João Henrique Campos, eleito prefeito do Recife aos vinte e sete anos. Não pelo que foi, mas pelo que poderá ser. Aqui não vai qualquer reverência ao bisavô, Miguel Arraes e nem menosprezo pela prima derrotada, Marilia. Cabe lembrar o pai, Eduardo Campos, morto na campanha presidencial de 2014. Claro que o histórico familiar conta na ascensão política, mas os méritos de João Henrique Campos são dele pois poderia ter escolhido outro caminho. 

Que esses prefeitos e os demais eleitos pautem seus mandatos pela dignidade - aí incluídos a honestidade, a competência,  a responsabilidade e o respeito pelo Brasil. 

É o típico caso de uma inversão de valores positiva. Na política brasileira de hoje a esperança é de que o exemplo venha de baixo, não de cima.


*O jornalista Carlos Nascimento é âncora do SBT Brasil
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
analise
análise
carlos nascimento
eleições 2020
sbt news
sbt eleições

Últimas notícias

São Paulo recebe evento sobre cultura pop asiática

São Paulo recebe evento sobre cultura pop asiática

Anime Friends é o maior evento temático de cultura pop asiática na América Latina e ficará até amanhã (21) em São Paulo
Paisagens, cultura e vinho; conheça o passeio turístico Trem Pampa

Paisagens, cultura e vinho; conheça o passeio turístico Trem Pampa

Itinerário começa no Rio Grande do Sul e passa no Uruguai. O passeio custa R$ 135
Imóveis levados a leilão quase dobram em 2024 e viram opção de investimento

Imóveis levados a leilão quase dobram em 2024 e viram opção de investimento

Só de imóveis financiados pela Caixa Econômica Federal, houve um salto de 75% na oferta de leilões
Melody sofre acidente a caminho de show no Rio de Janeiro

Melody sofre acidente a caminho de show no Rio de Janeiro

Van em que cantora estava ficou destruída: veja imagens
Brasileiro da marcha atlética disputará sua quarta Olimpíada em Paris

Brasileiro da marcha atlética disputará sua quarta Olimpíada em Paris

Caio Bonfim luta pela medalha que escapou nos Jogos do Rio, em 2016, quando conquistou o 4º lugar
Exclusivo: número de denúncias de maus-tratos a animais bate recorde em 2024

Exclusivo: número de denúncias de maus-tratos a animais bate recorde em 2024

Foram 909 situações nos primeiros seis meses de 2024, quase o mesmo número de todo o ano passado, quando houveram 939 denúncias
Los Angeles abraça a automação: robôs entregam comida e carros sem motorista já são realidade

Los Angeles abraça a automação: robôs entregam comida e carros sem motorista já são realidade

Em alguns restaurantes da cidade, o pedido é na tela e a comida vem em um carrossel. Já as bebidas são trazidas por um robô, que interage com os clientes
Menina de 10 anos sobrevive a parada cardíaca que durou mais de uma hora

Menina de 10 anos sobrevive a parada cardíaca que durou mais de uma hora

Lara Sousa foi reanimada e agora recebeu um aparelho que ajuda o coração a bater no ritmo certo
Brasil conquista classificação histórica na ginástica para olimpíadas de Paris

Brasil conquista classificação histórica na ginástica para olimpíadas de Paris

Pela primeira vez na história dos Jogos, país consegue índice para disputar três categorias da modalidade
Barcelona deve aumentar taxa cobrada para turistas visitarem a cidade

Barcelona deve aumentar taxa cobrada para turistas visitarem a cidade

Autoridades da capital da Catalunha também planejam proibir aluguel de apartamentos por curta temporada
Publicidade
Publicidade