Publicidade

Brasil pode rever adesão ao Tribunal Penal Internacional, diz Dino

Presidente da Rússia é alvo de um mandado de prisão expedido pelo TPI

Brasil pode rever adesão ao Tribunal Penal Internacional, diz Dino
Flávio Dino gesticula enquanto fala ao microfone (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Publicidade

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse nesta 4ª feira (13.set) que a diplomacia brasileira pode rever a adesão do país ao Tribunal Penal Internacional (TPI). A declaração foi dada em entrevista a jornalistas, no Senado.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

"O Tribunal Penal Internacional foi incorporado ao direito brasileiro. Contudo, muitos países do mundo, inclusive os mais poderosos do planeta, não o fizeram. Então o que o presidente Lula alertou, alertou corretamente, é que há um desbalanceamento, em que alguns países aderiram à jurisdição do TPI e outros não, como os Estados Unidos, a China, e outros países importantes do mundo", iniciou Dino.

"Isso sugere que em algum momento a diplomacia brasileira pode rever essa adesão a esse acordo, uma vez que não houve essa igualdade entre as nações na aplicação desse instrumento. É um alerta que o presidente fez. Claro que a diplomacia brasileira vai saber avaliar isso em outro momento", complementou.

Ao falar em "alerta" feito pelo chefe do Executivo federal, ele se referia a uma declaração dada por Lula na 2ª feira (11.set); questionado se retiraria o Brasil do TPI, Lula afirmou que precisava estudar melhor a questão e justificou que países como Índia e Estados Unidos não assinaram o acordo.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, é alvo de um mandado de prisão expedido pelo TPI. No último sábado (9.set), porém, mesmo o Brasil sendo signatário do estatuto que criou o tribunal, Lula afirmou que se Putin fosse ao Brasil, não seria preso. Na 2ª feira, o petista recuou e disse que a possível prisão, em caso de visita ao Brasil, caberá à Justiça e não ao governo federal.

Mauro Cid

Na entrevista concedida no Senado nesta 4ª feira, Flávio Dino falou também sobre o acordo de colaboração premiada assinado pelo tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), com a Polícia Federal (PF).

"Essa delação foi conduzida até aqui pela Polícia Federal, como a lei permite. Esses conteúdos que foram homologados judicialmente estão neste momento sendo analisados tecnicamente pelos delegados que presidem as investigações. É um processo de corroboração, de ratificação, de checagem que a lei exige para qualquer delação, e é claro que é um meio legítimo de produção de provas", pontuou.

Ainda de acordo com ele, "a colaboração premiada, quando bem feita, quando feita com seriedade, quando feita com imparcialidade, pode ser um caminho. E nesse caso, eu não tenho conhecimento concretamente sobre o que o Mauro Cid falou em relação a esse ou aquele fato, mas certamente é uma pessoa que tinha todas as condições de prestar esclarecimentos fundamentais, na medida que ele ocupava um lugar estratégico no poder, ou na Corte presidencial, do ex-presidente Bolsonaro".

Comissão

Dino foi ao Senado hoje para participar de audiência pública da Comissão de Comunicação e Direito Digital (CCDD). Na audiência, disse que a regulação das plataformas digitais é um desafio "inevitável" e "inafastável". Além disso, defendeu a aprovação do Projeto de Lei das Fake News.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
governo
diplomacia brasileira
flávio dino
adesão
tribunal penal internacional
lula
desbalanceamento
vladimir putin
mauro cid
plataformas digitais
regulação
noticias
guilherme-resck

Últimas notícias

Dólar fecha a R$ 5,60, com alta influenciada por apagão cibernético e temor fiscal

Dólar fecha a R$ 5,60, com alta influenciada por apagão cibernético e temor fiscal

Ganho diário foi de 0,3% nesta sexta; acúmulo semanal chegou a 3,2%
Apagão interrompeu programação de veículos de comunicação pelo mundo

Apagão interrompeu programação de veículos de comunicação pelo mundo

O canal de notícias Sky News, que opera em países de língua inglesa, chegou a ficar fora do ar no mundo inteiro
Tempo deve seguir firme em quase todo o Brasil no fim de semana

Tempo deve seguir firme em quase todo o Brasil no fim de semana

Cenário deve durar até o início da semana que vem
Ataque com drone reivindicado pelos houthis do Iêmen deixa um morto em Tel Aviv

Ataque com drone reivindicado pelos houthis do Iêmen deixa um morto em Tel Aviv

O dispositivo foi detectado pelo Exército israelense, mas “uma falha humana” impediu o acionamento dos sistemas de interceptação e defesa
MG pede ao STF nova prorrogação para renegociar dívida com governo federal

MG pede ao STF nova prorrogação para renegociar dívida com governo federal

Prazo se encerra em 1º de agosto, mas estado pede mais 27 dias
Exclusivo: SBT mostra testes das novas câmeras corporais da PM que permitem apagar ocorrências

Exclusivo: SBT mostra testes das novas câmeras corporais da PM que permitem apagar ocorrências

Seis concorrentes alegam que a empresa vencedora do pregão foi beneficiada; ouvidor diz que vai pedir revisão do processo
Idosa é baleada no Rio de Janeiro após assalto a casa lotérica

Idosa é baleada no Rio de Janeiro após assalto a casa lotérica

Dois homens fugiam da polícia quando começou o confronto
 Número de eleitores jovens no Brasil aumenta 78,16%

Número de eleitores jovens no Brasil aumenta 78,16%

Voto é facultativo para população com 16 e 17 anos
Brasil suspende parte de exportações de frango após caso da doença de Newcastle no RS

Brasil suspende parte de exportações de frango após caso da doença de Newcastle no RS

Ministério declarou emergência zoossanitária no Rio Grande do Sul, por 90 dias, devido à detecção da doença
Michelle Bolsonaro aciona STF contra Gleisi Hoffmann após post sobre roubo de joias

Michelle Bolsonaro aciona STF contra Gleisi Hoffmann após post sobre roubo de joias

Presidente do PT fez uma série de acusações ao citar investigações da PF contra família Bolsonaro
Publicidade
Publicidade