Publicidade

Legislação empresarial em vigor não separa fraudes de crises comuns

Para especialistas em Direito Corporativo, caso Americanas não pode ser tratado como problema regular

Legislação empresarial em vigor não separa fraudes de crises comuns
Lojas Americanas
Publicidade

O tratamento dispensado a uma gestão empresarial fraudulenta e a uma crise financeira comum em uma empresa tende a ser o mesmo em função das limitações da atual legislação, dizem especialistas em Direito Empresarial. As consequências vão desde a quase impossibilidade de separar administradores que agem com má-fé, de responsáveis pela gestão das empresas que se vejam em problemas que, apesar de graves, são considerados regulares. Pequenos fornecedores dessas empresas e acionistas minoritários também ficam mais expostos diante da falta de especificidade do ambiente legal.  

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News 

É este pano de fundo que transformou a recuperação judicial das Lojas Americanas num caso à parte, uma exceção entre os processos de recuperação judicial. As opiniões são de especialistas em direito empresarial, como o advogado Alcides Wilhelm, do escritório Whilhelm & Niels Advogados Associados, que atua em reestruturação de negócios, fusões e aquisições e direito tributário.

"Em tese, a recuperação judicial é um processo onde os credores são chamados a ajudar a empresa no reerguimento. O caso das Americanas acaba sendo sui generis, uma exceção", classifica Wilhelm. A descoberta de dívidas que chegam a R$ 43 bilhões, colocou a gestão das Lojas Americanas sob suspeita e com chances concretas de se consolidar como o maior escândalo financeiro da história do capitalismo brasileiro. 

" A gente ainda não pode afirmar 100%, mas tudo indica que a empresa entrou em dificuldade mediante fraudes, com demonstrações contábeis que não espelhavam a realidade" - Alcides Wilhelm, do Whilhelm & Niels Advogados 

Se comprovada a omissão nas informações mais comprometedoras, pra dizer o mínimo, o cenário mostra-se diferente do de uma empresa em crise por causa da disparada do dólar ou de decisões erradas de negócios. Em decorrência desse tipo de ação, os especialistas na área defendem mudanças na legislação que punam gestores de má conduta deliberada. Diante de fraude comprovada, os administradores ou controladores seriam responsabilizados como pessoas físicas, com a empresa mantendo as atividades.

"Precisaríamos ter uma legislação que punisse os maus empresários, em vez da empresa", aponta Wilhelm. A Justiça definiria um interventor para o período da recuperação. "O judiciário colocaria um administrador judicial para continuar as operações e pôr a companhia à venda. Ela cobre todos os prejuízos que causou. Se sobrar dinheiro, o ex-proprietário recebe. Seria uma forma de punir os maus empresários com a perda do negócio", explica ele. 

O especialista defende que, se mudanças como essas estivessem em vigor durante a Operação Lava Jato, as empreiteiras permaneceriam funcionando, apenas os gestores seriam punidos e estaria assegurada a preservação de milhares de empregos. O mesmo se aplica ao imbroglio das Lojas Americanas no entendimento deles. 

Efeito minoritário

Outro alvo atingido pela má administração de empresas, por vezes intencional, é o acionista minoritário das empresas abertas. As propostas para alteração das leis em vigor levam em consideração a necessidade de se assegurar mais direitos aos acionistas de capital menos determinante sobre os rumos da empresa. O jurista Renato Scardoa, que participou da elaboração da Nova Lei de Falências e está envolvido no projeto do Novo Marco Legal do Empreendedorismo, considera a necessidade de mudanças nas leis sobre os integrantes e as condições das sociedades. Com minoritários recebendo mais atenção e mais direitos.

"O ideal é uma ferramenta que facilite uma ação coletiva dos acionistas minoritários contra os administradores. E, havendo uma participação ou omissão indevida dos controladores, também contra os controladores", explica Scardoa. "O que poderíamos encontrar seria talvez uma alteração na legislação societária, para que os acionistas minoritários processem os controladores e os administradores, e não necessariamente mexer na recuperação judicial", completa ele.

Com relação a pequenos fornecedores, que hoje têm direito a ressarcimento junto com grandes empresas, ele acredita que o projeto do novo Marco do Empreendedorismo, destinado a criar uma legislação especial para negócios de menor porte, buscará restabelecer a preferência. 

A advogada Thaynara Rocha, do escritório Daniel Gerber Advocacia, que representa acionistas minoritários, diz que em relação as Lojas Americanas "não há como falar em crise corporativa, isso em razão dos fortes indícios do cometimento de fraude, considerando a omissão, por parte dos dirigentes do Grupo Americanas, de informações relevantes - dívida mais de R$ 20 bilhões - para o sistema financeiro nacional e mercado de capitais".

Com informações da Agência Brasil

Leia também 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
economia
americanas

Últimas notícias

SBT News na TV: Ramagem presta depoimento à PF sobre "Abin paralela"

SBT News na TV: Ramagem presta depoimento à PF sobre "Abin paralela"

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta quinta-feira (18); assista!
Caixa inicia pagamentos do Bolsa Família de julho; veja quem recebe

Caixa inicia pagamentos do Bolsa Família de julho; veja quem recebe

Recurso pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Passageiro de carro envolvido em acidente em SP comprou três garrafas de bebida em bar

Passageiro de carro envolvido em acidente em SP comprou três garrafas de bebida em bar

Comanda do bar mostra que Felipe Gambeta Malheiro, que inicialmente se apresentou como condutor do veículo, comprou duas garrafas de vodka e uma de licor
Vídeo: Idoso de 84 anos é agredido por homem na zona sul de São Paulo

Vídeo: Idoso de 84 anos é agredido por homem na zona sul de São Paulo

Imagens de câmeras de segurança mostram o momento da discussão e das agressões
Ramagem deixa a Polícia Federal após seis horas de depoimento sobre "Abin paralela"

Ramagem deixa a Polícia Federal após seis horas de depoimento sobre "Abin paralela"

Ex-diretor da Abin é apontado com um dos supostos chefes do núcleo político montado na agência para espionar ilegalmente desafetos do governo Bolsonaro
Procurador de Minas Gerais pede desculpas em vídeo por agressão a funcionária em cinema

Procurador de Minas Gerais pede desculpas em vídeo por agressão a funcionária em cinema

A gravação é parte de um acordo extrajudicial firmado entre o agressor e a vítima, de 25 anos
Lula se reúne com INSS e PF para tratar de ‘pente-fino’ nos benefícios sociais

Lula se reúne com INSS e PF para tratar de ‘pente-fino’ nos benefícios sociais

Encontro será realizado nesta quinta-feira (18), às 9h30, e terá ainda a presença de seis ministros
Senado aprova uso de vale-cultura para pagar ingressos esportivos

Senado aprova uso de vale-cultura para pagar ingressos esportivos

Projeto permite novo fim para benefício de R$ 50 a trabalhadores que ganham até cinco salários mínimos
Rei Charles III realiza o tradicional discurso no Parlamento

Rei Charles III realiza o tradicional discurso no Parlamento

Monarca leu as principais propostas redigidas pelo novo governo trabalhista
TSE vai enviar representantes para acompanhar eleições na Venezuela

TSE vai enviar representantes para acompanhar eleições na Venezuela

Pleito presidencial acontece no dia 28 de julho e é alvo de preocupação do Brasil
Publicidade
Publicidade