Publicidade

Filhos de mães indígenas pesam em média 740 gramas menos do que filhos de brancas

Estudo do Cidacs/Fiocruz Bahia revela que magreza atinge mais crianças de mães pardas, pretas, indígenas e de descendência asiática

Filhos de mães indígenas pesam em média 740 gramas menos do que filhos de brancas
Publicidade

A etnia e cor da gestante estão relacionados com o ganho de peso e o crescimento dos filhos, revela o estudo do Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia). Os filhos de mães indígenas possuem maiores taxas de baixa estatura para a idade (26,74%) e baixo peso para a idade (5,90%).

A incidência também foi observada entre as crianças de mulheres pardas, com 11,82% registros de baixa estatura para a idade, e 3,77% casos de baixo peso para a idade. Entre os filhos de mães asiáticas, 10,99% estavam com baixa estatura e 3,64% com baixo peso. Descendentes de mulheres brancas registraram o menor índice, com 8,61% casos de baixa estatura e 2,48% de baixo peso.

Para a equipe, estes dados demonstram como a vulnerabilidade social pode afetar o desenvolvimento das crianças. Helena Benes, uma das autoras do artigo, ressalta que os índices podem “ser atribuídos a uma série de fatores decorrentes do impacto persistente do racismo estrutural na sociedade”.

“Enquanto medidas governamentais e de saúde pública para eliminar o racismo não forem suficientes, continuaremos a ver seus efeitos prejudiciais, inclusive no crescimento das crianças”, alertou a pesquisadora.

Para obter esses dados, o estudo acompanhou 4.090.271 crianças, nascidas entre janeiro de 2003 e novembro de 2015. O desenvolvimento delas foi acompanhado entre 2008 e 2017. Destas, 64,33% nasceram de mães pardas, 30,86% de mães brancas, 3,55% de mães negras, 0,88% de mães indígenas e 0,38% de mães de ascendência asiática.

Taxas de crescimento

Os resultados obtidos indicaram que filhos de mães indígenas apresentaram, em média, 3,3 centímetros a menos que os nascidos de mães brancas. Crianças de mães pardas também apresentaram uma média menor de altura (0,60 cm a menos), seguidos pelos nascidos de mães pretas (0,21 cm a menos) e descendentes asiáticos (0,39 cm a menos).

“Embora a literatura científica já tenha discutido amplamente como o racismo impacta em desfechos negativos ao nascer, como prematuridade e baixo peso, poucos estudos se aprofundaram no impacto do racismo no crescimento infantil de crianças brasileiras”, ressaltou Helena.

Taxas de peso

Crianças indígenas registraram 740 gramas a menos do que os filhos de mães brancas. Os filhos de mães pardas possuíam 250 gramas a menos. Já os filhos de mães pretas apresentaram 150 gramas a menos, e de descendentes asiáticas 220 gramas mais magros.

Casos de magreza

A magreza – quando há falta de nutrientes fundamentais para o organismo – foram 5,52% mais recorrentes entre crianças filhas de mães pardas e 3,91% maiores entre os filhos de mães pretas, quando comparadas com as taxas entre os filhos de mulheres brancas (3,91%). As crianças de mães indígenas sofrem desta circunstância 4,20% mais. Já as de descendência asiática, 5,46%. O estudo foi publicado na revista científica BMC Pediatrics.

Com informações da Agência Brasil

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Criança
Fome

Últimas notícias

Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Trabalhadores da área acusam Javier Milei de ter um plano para prejudicar o setor
Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

SBT Brasil visitou os estúdios da Pixar, em Los Angeles, para mostrar como a continuação foi produzida
Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Último inverno rigoroso que garantiu boas vendas foi em 2022. No ano passado, houve queda de 20%
Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Juliana Silva, conhecida como Nega Juh, foi morta em Nova Iguaçu, na noite deste sábado (15)
Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Só no ano passado, foram mais de 65 mil casos, três mil a mais do que em 2022
Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Marinha montou base de operações na região das ilhas de Porto Alegre para auxiliar rapidamente a população
Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Ministros da 1ª Turma decidem na terça (18) se irmãos Brazão, delegado do Rio e dois ligados à milícia do Rio sentam no banco dos réus como mandantes do crime
PL que cria cadastro nacional de agressores deve ser analisado pelo Senado

PL que cria cadastro nacional de agressores deve ser analisado pelo Senado

Previsão é de que avaliação seja realizada nos próximos dias
Comidas típicas de Festa Junina estão mais caras com inflação

Comidas típicas de Festa Junina estão mais caras com inflação

Levantamento do Instituto de Economia da Fundação Getúlio Vargas, divulgado com exclusividade para o SBT, analisou 27 itens tradicionais juninos
Procedimentos estéticos respondem por mais de 50% das queixas de serviços de saúde

Procedimentos estéticos respondem por mais de 50% das queixas de serviços de saúde

Nos últimos 12 anos, foram registrados cerca de dez mil boletins de ocorrência e processos judiciais motivados pelo crime de exercício ilegal da profissão
Publicidade
Publicidade