Publicidade

Empresas de fachada emitiram R$4 bilhões em notas fiscais falsas

Polícia Federal e Receita Federal detectaram transações falsas com ouro, metais e sucatas

Empresas de fachada emitiram R$4 bilhões em notas fiscais falsas
Policial Federal confere dinheiro apreendido | Foto: Divulgação
Publicidade

A Polícia Federal e a Receita Federal deflagraram, na manhã desta 2ª feira (16.mai), a Operação Gauteng, com o objetivo de combater fraudes fiscais nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Foram cumpridos 59 mandados de busca e apreensão.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Segundo a investigação, empresas de fachada emitiram R$ 4 bilhões em notas fiscais falsas, com o intuito de burlar órgãos fiscalizadores, sonegar impostos e "esquentar" mercadorias roubadas. O esquema beneficiaria empresas do segmento de metais e sucatas.

Foram detectadas transacões falsas de bilhões de reais de ouro. De acordo com a PF e a Receita, os canhotos podem estar relacionados a crimes de lavagem de dinheiro, extração ilegal de minérios, sonegação de impostos e outros delitos.

Durante as investigações, os agentes identificaram três núcleos criminosos, envolvendo mais de 80 pessoas e empresas do ramo de metalurgia e siderurgia. De acordo com a PF e Receita, várias empresas foram abertas em nome de laranjas, que eram beneficiários do Auxílio Emergencial e movimentavam quantias expressivas em contas bancárias.

Os investigados poderão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, uso de documento falso e de sonegação fiscal.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbtnews
portalnews
cristiane noberto
receita federal
policia federal
notas falsas
mercadorias roubadas

Últimas notícias

Exclusivo: SBT mostra testes das novas câmeras corporais da PM que permitem apagar ocorrências

Exclusivo: SBT mostra testes das novas câmeras corporais da PM que permitem apagar ocorrências

Seis concorrentes alegam que a empresa vencedora do pregão foi beneficiada; ouvidor diz que vai pedir revisão do processo
Idosa é baleada no Rio de Janeiro após assalto a casa lotérica

Idosa é baleada no Rio de Janeiro após assalto a casa lotérica

Dois homens fugiam da polícia quando começou o confronto
 Número de eleitores jovens no Brasil aumenta 78,16%

Número de eleitores jovens no Brasil aumenta 78,16%

Voto é facultativo para população com 16 e 17 anos
Brasil suspende parte de exportações de frango após caso da doença de Newcastle no RS

Brasil suspende parte de exportações de frango após caso da doença de Newcastle no RS

Ministério declarou emergência zoossanitária no Rio Grande do Sul, por 90 dias, devido à detecção da doença
Michelle Bolsonaro aciona STF contra Gleisi Hoffmann após post sobre roubo de joias

Michelle Bolsonaro aciona STF contra Gleisi Hoffmann após post sobre roubo de joias

Presidente do PT fez uma série de acusações ao citar investigações da PF contra família Bolsonaro
Descubra a beleza rústica do nordeste brasileiro em Paripueira, Alagoas

Descubra a beleza rústica do nordeste brasileiro em Paripueira, Alagoas

Aproveite o encanto rural e as praias com piscinas naturais desse recanto ecológico
STF ordena que São Paulo suspenda nova licitação para iluminação pública

STF ordena que São Paulo suspenda nova licitação para iluminação pública

Decisão de Flávio Dino ocorre após alerta do TCM-SP sobre prejuízos bilionários aos cofres públicos
Polícia realiza reprodução em 3D do acidente com Porsche que matou motorista de app

Polícia realiza reprodução em 3D do acidente com Porsche que matou motorista de app

Motorista do veículo de luxo estava a 136 km/h no momento da colisão
Paraguai negocia compra de seis aviões da Embraer por R$ 530 milhões

Paraguai negocia compra de seis aviões da Embraer por R$ 530 milhões

Aquisição faz parte de um conjunto de esforços do país vizinho para combater o tráfico de drogas
Sistemas do STF voltam a funcionar após apagão cibernético

Sistemas do STF voltam a funcionar após apagão cibernético

Intervenção manual em todas as estações de trabalho corrigiu problema no Supremo
Publicidade
Publicidade