Publicidade

Felipe Neto e outros famosos se manifestam contra candidatura de Marinho

Eleição para presidente do Senado, nesta 4ª, mobilizou artistas como Caetano Veloso e Leandra Leal

Felipe Neto e outros famosos se manifestam contra candidatura de Marinho
Felipe Neto olhando para o lado (Reprodução/Instagram)
Publicidade

Vários famosos se manifestaram pelo Twitter, nesta 3ª feira (31.jan), contra a candidatura de Rogério Marinho (PL-RN) à Presidência do Senado Federal. A eleição será realizada nesta 4ª (1º.fev).

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Entre as celebridades que se pronunciaram, estão o youtuber Felipe Neto, o músico Caetano Veloso, as cantoras e compositoras Daniela Mercury e Zélia Duncan, o ator e humorista Gregorio Duvivier e a atriz Leandra Leal.

Felipe Neto escreveu que "se Marinho for eleito presidente do Senado, será um verdadeiro terror para o Brasil e o brasileiro". "Ele defende o garimpo. Odeia a arte e cultura. Apoia o golpismo", complementou. Além disso, pediu aos seguidores para compartilharem a #MarinhoGolpista e #MarinhoNão, retuitarem um vídeo contrário à candidatura e pressionarem os senadores para votarem em Rodrigo Pacheco (PSD-MG) na eleição.

Em um tweet feito à tarde, o youtuber também pressionou o senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) a não votar em Marinho. "Você se destacou na CPI da Covid contra a gestão genocida de Bolsonaro. Agora apoia o capacho dele para a presidente do Senado? Essa vergonha manchará para sempre a sua imagem. Ainda dá tempo de mudar", escreveu.

Vieira rebateu: "Felipe, aquela CPI seria engavetada pelo Pacheco se eu não fosse ao STF brigar por ela. Acredito que mais dois anos de Alcolumbre/Pacheco é ruim para o Senado e para o Brasil, mas respeito a sua opinião. A eleição presidencial acabou e a tal base bolsonarista é muito pequena no Senado".

+ Moro, líder do PSDB e senadores do PSD anunciam apoio a Rogério Marinho

Felipe Neto insistiu: "Essa resposta é inaceitável para um defensor da democracia. Você está apoiando publicamente um sujeito que defende garimpo, diz que quer perpetuar Bolsonaro e está usando como mote de campanha 'parar o STF'. Essa mancha você nunca conseguirá limpar".

Trevas
Caetano Veloso, por sua vez, disse, dirigindo-se aos "senadores democratas", que para ele pesa muito a fidelidade demonstrada por Rodrigo Pacheco. "Em meu nome e no dos artistas do 342 Artes e de grande parte da sociedade civil, espero que ele se reeleja. #PachecoSim #MarinhoNão", acrescentou.

Daniela Mercury fez diferentes publicações com a segunda hashtag, e Zélia Duncan escreveu: "Garupa de Bolsonaro para presidir o senado, não né? #marinhoNãO".

Gregório Duvivier tuitou que "Rogério Marinho na Presidência do senado seria uma catástrofe. O pior do bolsonarismo insepulto ressurgindo das trevas para comandar o Senado: pesadelo". 

Já Leandra Leal pontuou que, "neste momento, precisamos de um Senado de ideais republicanos, defensor da democracia e que atenda às pautas urgentes do País". "Não merecemos mais bolsonarismo. Demoramos muito tempo para retornar a uma certa normalidade institucional. Não podemos perder isso agora", concluiu.

Às 20h30 desta 3ª feira, a palavra "Marinho" estava em sexto lugar nos assuntos do momento no Twitter no Brasil, com 258 mil tweets. Além do senador eleito pelo PL e o atual presidente da Casa, concorre à Presidência do Senado Eduardo Girão (Podemos-CE).

Veja também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
brasil
congresso
senado
eleição
presidente
rogério marinho
rodrigo pacheco
celebridades
alessandro vieira
hashtag
assuntos do momento
twitter
felipe neto
cantores
atriz
humorista
senadores
guilherme-resck

Últimas notícias

Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Atentado a Trump eleva valor do bitcoin, que supera o patamar de US$ 60 mil

Segundo analistas, chance de retorno do ex-presidente ao poder aumentou, e ele é a favor da desregulamentação do mercado financeiro
Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Responsável por atentado contra Trump agiu sozinho, afirma FBI

Thomas Matthew Crooks, de 20 anos, foi o atirador que tentou assassinar Donald Trump
Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Presidente da Itália, Sergio Mattarella, chega ao Brasil neste domingo

Esta é a primeira visita de um chefe de Estado italiano ao país em 24 anos
Romildo Magalhães, ex-governador do Acre, morre aos 78 anos

Romildo Magalhães, ex-governador do Acre, morre aos 78 anos

O político faleceu na tarde deste domingo (14) em decorrência de complicações da diabetes
Biden diz que investigadores terão todos recursos para apurar atentado contra Trump

Biden diz que investigadores terão todos recursos para apurar atentado contra Trump

"Deixem o FBI fazer o seu trabalho", diz presidente dos EUA. Segurança de convenção republicana será reforçada
Itamaraty condena ataque a Gaza com mais de 90 mortos e quase 300 feridos

Itamaraty condena ataque a Gaza com mais de 90 mortos e quase 300 feridos

Em nota, a pasta declarou que “o governo de Israel segue sabotando o processo de paz e o cessar-fogo no Oriente Médio”
Presidentes do Congresso e do STF condenam atentado contra Trump

Presidentes do Congresso e do STF condenam atentado contra Trump

Pacheco alertou para sucessão de "atos extremistas que vêm se repetindo mundo afora"
Atirador que tentou matar Trump carregava explosivos em seu carro

Atirador que tentou matar Trump carregava explosivos em seu carro

Thomas Matthew Crooks atingiu o ex-presidente de raspão, feriu gravemente duas pessoas presentes e causou a morte de outra
Atentado contra Trump diminui chances de trocar Biden por Kamala, diz analista político

Atentado contra Trump diminui chances de trocar Biden por Kamala, diz analista político

Segundo Arick Wierson, atual presidente americano deverá usar a tentativa de assassinato para ostentar sua experiência em momentos turbulentos
Morre Sérgio Cabral, jornalista, compositor e intelectual da MPB aos 87 anos

Morre Sérgio Cabral, jornalista, compositor e intelectual da MPB aos 87 anos

Pai do ex-governador do Rio foi um dos criadores do semanário "O Pasquim" e chegou a ser preso pela ditadura; foi comentarista e biógrafo do samba carioca
Publicidade
Publicidade