Publicidade

Crise Yanomami: um genocídio causado pela ganância

Mortes e doenças dos povos indígenas têm relação direta com o garimpo e o desmatamento

Crise Yanomami: um genocídio causado pela ganância
Povos indígenas
Publicidade

Muito se fala em como o desmatamento, a ocupação irregular da terra e o garimpo ilegal estão destruindo as florestas brasileiras. É a ganância dos exploradores que avançam sobre a Amazônia e a ineficiência do Estado em coibir essas ações estão entre as principais causas dos males que, agora, dizima os mais antigos habitantes da região: os indígenas.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Há mais de 500 anos, os povos originários perdem espaços e vidas. No século XVI, eram 3,5 milhões. Atualmente, são menos de 900 mil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse longo genocídio acontece por diferentes motivos. Começou com as doenças trazidas do velho continente, passou pela escravidão e segue, até hoje, com as batalhas por terras, madeiras e minérios.

"O garimpo se confunde com a fundação do Brasil. Sempre foi um problema, mas a atual aceleração nos preocupa", alerta Cézar Diniz, coordenador técnico de mapeamento de Mineração do MapBiomas.

Artesanal, o trabalho feito por homens humildes e com poucas oportunidades oferece condições insalubres e paga mal. Só no ano passado, o garimpo retirou 121 toneladas de ouro do solo nacional. De acordo com estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 7% ilegalmente e mais 25%, com potencial ilegal.

Tais números cresceram, em média, cerca de 155% em um ano - influenciados pelo preço do metal. A alta é de 320%, em 10 anos, de acordo com o Banco Central. No período, também houve o aumento de 495% da mineração em terras indígenas, revela o MapBiomas. A mesma pesquisa mostra que 93,7% dos garimpeiros estão na Amazônia.

Quanto mais o tempo passa, pior fica para fiscalizar e impedir a ilegalidade, avalia Juliana Siqueira, gerente de projetos do Instituto Escolhas, que analisa os impactos da exploração do ouro. "Não são mais garimpeiros com barcos e peneiras. Hoje em dia, é tudo muito bem equipado, a ponto de não ter distinção com a operação industrial e legal. Ambos tem a mesma escala."

Tragédia
Em torno de 700 indígenas Yanomami estão sob cuidados médicos em casas de apoio, a maioria improvisada e montada às pressas pelo Ministério da Saúde. A ministra Nísia Trindade visitou a região, nos últimos dias, e disse ter se espantado com a realidade. "Grande parte da razão que levou à tragédia sanitária revelada entre os povos dessa etnia está no garimpo ilegal", declarou, após as vistorias.

A tragédia à qual ela se refere trata do que aconteceu antes mesmo do problema vir à tona. Em 2022, mais de 11,5 mil pessoas pegaram malária. E o pior, 570 crianças morreram por desnutrição nos últimos quatro anos.

A terra indígena Yanomami ocupa parte dos estados de Roraima e Amazonas e da Venezuela. São 192 mil km² difíceis de fiscalizar, que ficam à mercê da criminalidade e do caos ambiental e sanitário.

Plano
Para atacar a situação, o governo federal envolveu vários ministérios e criou o Comitê de Coordenação Nacional. O Ministério dos Povos Indígenas investiga, com apoio de órgãos de segurança, se existem mais casos semelhantes.

O Ministério da Saúde declarou emergência e montou a Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), que tem inscrições abertas para voluntários. Já o Ministério de Meio Ambiente pretende reservar mais áreas para proteção, uma delas deve ter o tamanho do estado da Bahia, conforme prometeu a ministra Marina Silva.

A demarcação de áreas de proteção e de terras indígenas auxiliam no combate ao crime, assim como outros mecanismos, defende o pesquisador Carlos Nobre. "Há dez anos, tivemos um eficaz combate à ilegalidade na Amazônia. Foi um fator importante, somado a outros dois: a demarcação de terras indígenas e a criação de áreas protegidas", diz.

"Temos como combater o crime, porque o desmatamento e a degradação estão registradas por modernas tecnologias baseadas em satélite. Esses dados são fornecidos às agências de controle legal, assim como à polícia e ao ministério público. Então, é possível retomar", conclui Carlos Nobre.

Leia também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

meiambiente
amazonia
yanomami
garimpo
desmatamento
indigenas
portalnews

Últimas notícias

Casa Branca reforça intenção de Biden em permanecer até o final do mandato como presidente dos EUA

Casa Branca reforça intenção de Biden em permanecer até o final do mandato como presidente dos EUA

Porta-voz do governo estadunidense mantém tom político contra as intenções e promessas de Donald Trump, apesar de Biden desistir da reeleição
Defesa Civil usa tratores aquáticos para retirar toneladas de peixes mortos do Rio Piracicaba

Defesa Civil usa tratores aquáticos para retirar toneladas de peixes mortos do Rio Piracicaba

Equipes estão com 10 embarcações de pequeno porte e mais dois hidrotratores para fazerem a limpeza de rio que passa por São Paulo
Debate, troca de nomes e saúde: o que levou Biden a desistir das eleições nos EUA

Debate, troca de nomes e saúde: o que levou Biden a desistir das eleições nos EUA

Desempenho em pesquisas e situações ‘confusas’ pressionaram para que presidente deixasse tentativa de reeleição; entenda
Kamala Harris se diz “honrada” com apoio de Biden “para derrotar Trump”

Kamala Harris se diz “honrada” com apoio de Biden “para derrotar Trump”

Atual vice-presidente dos Estados Unidos depende do sinal verde do partido Democrata para assumir candidatura principal
Bill Clinton anuncia apoio a Kamala Harris após desistência de Biden

Bill Clinton anuncia apoio a Kamala Harris após desistência de Biden

O ex-presidente dos Estados Unidos afirmou que o país já viveu muitos altos e baixos, "mas nada o preocupa mais do que a ameaça de mais um mandato de Trump"
Conheça cotados para substituir Biden na corrida eleitoral dos EUA

Conheça cotados para substituir Biden na corrida eleitoral dos EUA

Com desistência por reeleição, partido democrata escolherá novo representante. Kamala Harris e governadores estão entre cotados
Obama se pronuncia sobre desistência de Joe Biden e não menciona Kamala Harris

Obama se pronuncia sobre desistência de Joe Biden e não menciona Kamala Harris

Ex-presidente dos Estados Unidos elogiou Biden, mas advertiu que decisão deixa os democratas em "águas desconhecidas"
Após incentivar desistência de Joe Biden, ex-presidente da Câmara elogia decisão do atual presidente

Após incentivar desistência de Joe Biden, ex-presidente da Câmara elogia decisão do atual presidente

Para Nancy Pelosi, Biden é um patriota que “sempre colocou” os Estados Unidos em primeiro lugar
Boletim médico revela melhora de Biden em meio a desistência do presidente à reeleição

Boletim médico revela melhora de Biden em meio a desistência do presidente à reeleição

Líder democrata continua desempenhando todas as funções presidenciais, segundo comunicado divulgado neste domingo (21)
“É o interesse do meu partido e do país que eu me afaste”: leia a carta de desistência de Biden

“É o interesse do meu partido e do país que eu me afaste”: leia a carta de desistência de Biden

Presidente dos Estados Unidos abriu mão da disputa eleitoral e apoiou que a disputa fique com Kamala Harris, atual vice
Publicidade
Publicidade