Publicidade

Caso Henry completa um ano sem culpados para o crime

Jairo e Monique, padrasto e mãe da criança, estão presos, mas ainda não há sentença final sobre o caso

Caso Henry completa um ano sem culpados para o crime
Henry Borel
Publicidade

Há exatos 365 dias as manchetes do país noticiavam a morte prematura de um garoto de apenas 4 anos. A vítima, Henry Borel, partiu. E deixou uma lacuna sobre o que ocorreu naquele dia. A Justiça ainda não definiu os culpados do crime.

No momento da tragédia, o pequeno estava sob os cuidados da mãe, Monique Medeiros, e do padrasto, o ex-vereador Jairo Souza Santos, conhecido como Dr. Jairinho, em um apartamento de luxo na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Câmeras de segurança do condomínio registraram o ex-político fazendo respiração boca a boca no enteado, enquanto a pedagoga o segura no colo. Não é possível afirmar se Henry ainda estava vivo.

Circuito de segurança mostra Jairinho e Monique levando Henry ao hospital | Reprodução

A primeira versão para o crime seria a queda da criança de uma cama. Ao encontrarem o garoto no chão do quarto, com mãos e pés gelados, olhos revirados e sem responder aos chamados, o casal correu para um hospital. A equipe, no entanto, constatou o óbito antes mesmo da vítima dar entrada na unidade. O laudo médico indicou lesões no crânio, ferimentos internos e hematomas -- comprovado posteriormente não sendo causado por uma queda, mas sim por uma ação violenta.

Em 17 de março de 2021, Jairo e Monique prestaram o primeiro depoimento e confirmaram a tese de um acidente doméstico -- hipótese descartada pela perícia e reconstituição da noite no local do delito -- e negaram qualquer agressão a Henry. 

A declaração, no entanto, entrou em confronto com a apresentada pela babá Thayná Oliveira Ferreira. Em relato, a funcionária assegurou ser de conhecimento da mãe as agressões sofridas pelo menor. Em pouco mais de 7 horas na delegacia, afirmou ter sido coagida pela patroa a mentir sobre a relação do ex-casal. No primeiro depoimento, em 24 de março, garantiu "não perceber nada anormal". No segundo, relatou, ao menos, três episódios de violência contra Henry.

Meses depois, em abril, a versão sobre o fatídico dia mudou. Em uma carta escrita a punho, a Monique afirmou viver um relacionamento conturbado com o ex-namorado. No documento, declarou, ainda, ter apanhado, sido ameaçada, além de narrar um episódio onde o garoto teria sido violentado pelo padrasto. 

"Henry veio correndo até a cozinha uns 15 minutos depois que Jairinho chegou, dizendo que o tio tinha dado uma 'banda' nele e uma 'moca'", detalha. 

Em dezembro, no único pronunciamento após ser preso, o ex-político reiterou a explicação dada à polícia, negou ter sido agressivo ou ser responsável pela morte do afilhado, além de levantar a possibilidade de Henry ter sido envenenado. 

"Não houve agressão. Henry foi socorrido prontamente, o mais rápido possível, imagens de elevador mostra (sic) sem lesão, foi atendido, as médicas e o perito demonstram (...) inflamatório (sinal inequívoco de vida), chegou vivo, foi feito (sic) duas horas de massagem cardíaca e depois as médicas atestam o óbito, sem lesão e sem causa determinada. Se não houve lesão, não houve agressão. Isso foi visto por todos", declara.

Ainda no ano passado, Jairo teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, além de perder os direitos políticos por oito anos.

O ex-cônjuge foi denunciado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) pela prática de homicídio qualificado, tortura, coação de testemunha, fraude processual e falsidade ideológica.

O ex-parlamentar e a professora foram indiciados, ainda, pelas torturas praticadas contra o menino nos dias 2 e 12 de fevereiro do ano passado, no mesmo local onde foi morto. As agressões foram descobertas através de uma troca de mensagens recuperadas nos aparelhos de Monique e da babá Thayna de Oliveira Ferreira. De acordo com o órgão, nas ocasiões, Jairo submeteu o enteado "a intenso e desnecessário sofrimento físico e mental, como forma de aplicar-lhe castigo pessoal ou medida de caráter preventivo".

No dia 15 deste mês, está marcada uma nova audiência para determinar se o ex-cônjuge irá a júri popular. 

Partida inesperada

Após passar um fim de semana na companhia do filho, Leniel Borel não imaginava ser uma despedida ao deixá-lo novamente na casa da ex-companheira. Horas após, a triste notícia da partida do pequeno chegou e tirou o chão do engenheiro. 

Pelas redes sociais, pai mostra como enfrenta os dias sem a presença do pequeno | Reprodução

O progenitor faz questão de acompanhar cada desdobramento sobre a investigação e tem convicção da participação de Jairo e Monique no crime, apesar de alegarem serem inocentes. 

Pelas redes sociais, Leniel mostra aos seguidores como luta para suprir a saudade do garoto e a luta por Justiça.

Para o futuro, há o sonho de fundar uma organização não governamental (ONG) para vítimas de violência doméstica, além de batalhar para aprovar a Lei Henry Borel, para penalizar qualquer agressor ou pessoa omissa no cuidado dos filhos.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

caso henry
henry borel
crime
justiça
jairinho
monique medeiros
luto
caso henry borel
dr jairinho
noticias caso henry
andrezza-pugliesi
leniel borel
sbt
sbtnews
portalnews

Últimas notícias

PF abre inquérito para investigar leilão do arroz, para suprir demanda com tragédia no RS

PF abre inquérito para investigar leilão do arroz, para suprir demanda com tragédia no RS

Conab, responsável pela compra dos grãos importados, suspendeu o negócio após suspeitas de irregularidades
Polícia argentina usa gás de pimenta para reprimir protestos contra a Lei de Bases

Polícia argentina usa gás de pimenta para reprimir protestos contra a Lei de Bases

Pacote de reformas enviado pelo governo Milei está em debate no Senado
Tarcísio autoriza abertura de licitação para privatizar gestão de 33 novas escolas

Tarcísio autoriza abertura de licitação para privatizar gestão de 33 novas escolas

O prazo de concessão será de 25 anos, de acordo com a Secretaria de Educação do estado
Alexandre de Moraes prorroga mais uma vez inquéritos das fake news e milícias digitais

Alexandre de Moraes prorroga mais uma vez inquéritos das fake news e milícias digitais

O ministro deu mais 180 dias para conclusão das investigações, atendendo a pedido feito pela Polícia Federal (PF)
Lula: “O Brasil não vai desperdiçar oportunidade de se tornar uma grande economia”

Lula: “O Brasil não vai desperdiçar oportunidade de se tornar uma grande economia”

Presidente brasileiro participou de abertura de evento no Rio de Janeiro que reúne investidores árabes e brasileiros
Senado aprova projeto que obriga restaurantes a terem cartaz ensinando manobra de desengasgo

Senado aprova projeto que obriga restaurantes a terem cartaz ensinando manobra de desengasgo

Texto foi aprovado na forma de um substitutivo da relatora, senadora Damares Alves (Republicanos-DF), e volta agora à Câmara dos Deputados
Erika Hilton processa Nikolas Ferreira por crime de transfobia e cobra indenização de R$ 5 milhões

Erika Hilton processa Nikolas Ferreira por crime de transfobia e cobra indenização de R$ 5 milhões

A acusação da deputada foi após uma fala de Nikolas na reunião da Comissão da Defesa dos Direitos das Mulheres, na última quarta-feira
"Queremos liderar a transição energética", diz Mercadante, presidente do BNDES

"Queremos liderar a transição energética", diz Mercadante, presidente do BNDES

Executivo destacou investimentos do banco de desenvolvimento em energia limpa e disse que Brasil está aberto para parcerias comerciais
Câmara aprova urgência de projeto que iguala aborto ao crime de homicídio

Câmara aprova urgência de projeto que iguala aborto ao crime de homicídio

Defendida por conservadores, proposta agrava punição para pausa na gravidez com mais de 22 semanas
Câmara aprova urgência de projeto que restringe delações premiadas de presos

Câmara aprova urgência de projeto que restringe delações premiadas de presos

Texto limita ações da Justiça e coloca acordo como alternativa apenas em casos voluntários, além de oferecer recurso a afetados por delações
Publicidade
Publicidade