Publicidade

O que pode ser feito para coibir a violência policial contra negros?

62,7% dos mortos por policiais são negros; cena de homem preto algemado a moto chamou a atenção nesta semana

O que pode ser feito para coibir a violência policial contra negros?
Homem algemado é arrastado por policial em moto
Publicidade

Imagens recentes de violência contra um homem negro, algemado e arrastado por uma moto da Polícia Militar, viralizaram nas redes sociais. A violência foi cometida em uma ciclofaixa de uma avenida movimentada na Vila Prudente, zona leste de São Paulo (SP). A testemunha que flagrou o ato, ainda debocha da cena, afirmando que o rapaz era levado igual a um "escravo". Policial responsável por pilotar a moto está sendo afastado das funções. Especialistas consultados pelo SBT News destacam que uma das formas de violência mais evidente contra pessoas negras é a policial. 

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Ruth Meyer, diretora de Educação do Campo Direitos Humanos e Diversidade da Secretaria de Educação do Distrito Federal, avalia que a atuação das PMs do país é marcada por muito preconceito, não se tratando de uma questão individual, mas institucionalizada. Ela exemplifica o ponto de vista com a diferença das abordagens em "bairros nobres com brancos quando comparada à postura adotada em regiões periféricas e com predominância negra".

Segundo estudo do Atlas da Violência, os negros têm 2,6 vezes mais chances de serem assassinado em território nacional. Uma outra pesquisa, conduzida pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, aponta que pessoas negras e pardas representam 62,7% da população assassinada por policiais e, também, 78,9% das vítimas de intervenções praticadas pela categoria. 

Para Meyer, a discussão sobre processos discriminatórios de cunho racista é um debate urgente. "Grupos sociais desprevilegiados são os principais alvos da ineficiência do estado", salienta. Acontecimentos no Brasil e no mundo corroboram com a importância do debate, como foi o caso de George Floyd -- negro assassinado por policiais brancos --, que aconteceu nos Estados Unidos e gerou comoção internacional e nacional. 

Não é dificíl encontrar exemplos também no Brasil. A recente tragédia em São Gonçalo -- onde uma operação realizada após a morte de um policial deixou oito mortos -- expôs uma situação quase rotineira. Segundo a Rede de Observatórios da Segurança, foram 27 chacinas do tipo só este ano no estado do Rio de Janeiro. O dia 6 de maio de 2021 foi marcado pela segunda maior chacina já protagonizada na história do Rio, quando, durante a madrugada, o bairro Jacarezinho foi tomado por agentes públicos e acabou com pelo menos 29 pessoas mortas. 

O que pode ser feito?

O advogado e coordenador do programa de enfrentamento à violência institucional da Conectas Direitos Humanos, Gabriel Sampaio, acredita que todas as instituições devem fazer mais para enfrentar esse problema. "Investigações não seguem padrões mínimos estabelecidos em leis e protocolos e autoridades públicas têm sustentado cada vez mais discursos autoritários e refratários ao controle do uso da força", argumenta Sampaio. "A arbitrariedade praticada contra qualquer cidadão, acusado por um crime ou não, enfraquece as instituições e implica em quebra do estado de direito", acrescenta.

Questionado sobre o que pode ser feito para reverter esse cenário, o advogado diz que "a mudança imediata deve ser estabelecer um Plano de Segurança Pública com foco na redução da letalidade estatal e com medidas voltadas para enfrentamento da violência contra pessoas negras". Já Meyer crava que, "seguramente, a educação é o principal caminho". 

+ Operação no Jacarezinho é a mais letal da história do Rio de Janeiro

Defensor dos Direitos Humanos, com pós-graduação em história da África, o professor Pedro -- que pediu para não ter o sobrenome publicado -- também trouxe à tona a pauta do egresso de pessoas negras em universidades e ambientes antes frequentados por pessoas brancas, comentando o choque e medo que essa mudança gera na sociedade privilegiada: "Eles pensam que dar cota racial para um negro entrar na universidade significa tirar do branco. A população não entende que dar direito a um não vai tirar o direito do outro". Ainda sobre o direito de cotas, Pedro frisa que ele "não é pra consertar, ofertar ou dar nada, mas sim um sistema de reparação porque houve e há necessidade".

Mesmo que a educação institucionalizada atue cada vez mais nessas situações, o papel das mídias e movimentos sociais são de importância notável para a luta por igualdade e direitos, segundo defende Meyer. "É importante que as organizações não governamentais e o âmbito privado façam parte da luta por uma sociedade pautada na equidade de condições e oportunidades a todos rumo à superação de qualquer forma de preconceito, discriminação, exploração e opressão."

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
negros
agressão
policiais
brasil
justiça
mundo
george floyd
drielly-peniche
isabela-salles

Últimas notícias

Brasil bate Nigéria em estreia tímida nas Olimpíadas de Paris

Brasil bate Nigéria em estreia tímida nas Olimpíadas de Paris

Com gol decisivo de Gabi Nunes e assistência de Marta, Seleção supera primeiro desafio por placar mínimo de 1 a 0 no futebol feminino
Alckmin diz que reforma tributária estimula investimentos e exportação

Alckmin diz que reforma tributária estimula investimentos e exportação

Vice-presidente da República discursou na abertura do Fórum de Comércio e Inovação Coreia-ALC, no Rio de Janeiro
PF apreende R$ 15 mil em dinheiro falso e faz buscas contra suspeito de envolver menor de idade em esquema

PF apreende R$ 15 mil em dinheiro falso e faz buscas contra suspeito de envolver menor de idade em esquema

Mandado de busca e apreensão foi realizado em Cariacica, Espírito Santo, e faz parte da fase ostensiva da Operação Mico Leão
PF intima líder do MBL a depor em inquérito que apura suposta difamação contra Lula

PF intima líder do MBL a depor em inquérito que apura suposta difamação contra Lula

Renan Santos deve ser ouvido em setembro; movimento contesta acusações
Polícia pede prisão preventiva de suspeitos de matar motorista de aplicativo

Polícia pede prisão preventiva de suspeitos de matar motorista de aplicativo

Felipe Gambeta Malheiro e Gustavo Moreira Cardozo são acusados de provocar acidente que resultou na morte de Ednaldo de Souza Mendes, no dia 13 de julho
Brian Rodríguez: atacante uruguaio cobiçado pelo Corinthians é investigado por estupro

Brian Rodríguez: atacante uruguaio cobiçado pelo Corinthians é investigado por estupro

Caso teria ocorrido em maio, no México. Time paulista está disposto a pagar 5 milhões de euros por 50% dos direitos econômicos do atleta
25 de julho: entenda em 5 pontos a importância do Dia da Mulher Negra

25 de julho: entenda em 5 pontos a importância do Dia da Mulher Negra

No Brasil, mulheres pretas e pardas sofrem mais violência, são maioria dos desempregados e minoria entre políticos e juízes
Operação da Polícia Militar deixa três mortos no morro do Juramento (RJ)

Operação da Polícia Militar deixa três mortos no morro do Juramento (RJ)

Outros cinco suspeitos foram presos; foram apreendidos três fuzis, duas pistolas e drogas
Sequestro de bebê: médica pediu exoneração de universidade no começo do mês

Sequestro de bebê: médica pediu exoneração de universidade no começo do mês

Neurologista era professora efetiva da Universidade Estadual de Goiás desde 2019 e agora está presa
Governo bate recorde histórico de arrecadação em junho: R$ 208,8 bilhões

Governo bate recorde histórico de arrecadação em junho: R$ 208,8 bilhões

Valor representa um aumento real (acima da inflação) de 11,02% frente ao mesmo período de 2023; recorde do semestre também foi batido
Publicidade
Publicidade