Publicidade

Parlamento de Madagascar aprova lei que permite castração química e cirúrgica de pedófilos

Texto é defendido pelo governo para conter casos de abuso infantil no país

Parlamento de Madagascar aprova lei que permite castração química e cirúrgica de pedófilos
Publicidade

O Parlamento de Madagascar, na África, aprovou o projeto de lei que permite a castração química e cirúrgica de condenados por abuso sexual infantil. O texto, aprovado tanto na Câmara quanto no Senado, agora deve ser homologado pelo Supremo Tribunal Constitucional do país para ser sancionado pelo presidente, Andry Rajoelina.

+ EUA: padre é condenado a 6 anos de prisão por baixar imagens de abuso sexual infantil

A castração química consiste na administração de medicamentos que reduzem a libido e inibem o desejo sexual. O método, reversível, é aplicado como prevenção contra agressão sexual e também como punição para estuprados em países como Rússia, Polônia, Coreia do Sul e Indonésia. No caso da castração cirúrgica, o procedimento é permanente.

Segundo o projeto de lei, os acusados de abusar sexualmente de crianças menores de 10 anos em Madagascar serão punidos com a castração cirúrgica, enquanto os estupradores de crianças entre 10 e 13 anos poderão sofrer castração cirúrgica ou química. No caso de abuso de adolescentes entre 14 e 17 anos, a punição será a castração química.

O texto é defendido pela ministra da Justiça, Landy Mbolatiana, que defendeu a punição como necessária para conter os casos de estupro infantil no país. Segundo ela, as ocorrências estão aumentando, com 600 casos de estupro de vulnerável registrados em 2023. Neste ano, 133 ocorrências já foram contabilizadas pelas autoridades.

"Madagascar é um país soberano que tem o direito de modificar as suas leis em relação às circunstâncias e no interesse geral do povo. O código penal atual não tem sido suficiente para coibir os autores desses delitos”, disse Landy Mbolatiana. “Queríamos proteger muito mais as crianças. Quanto menor a criança, maior o castigo”, acrescentou.

Apesar de ser popular no governo, o projeto de lei não agrada entidades internacionais. A organização de direitos humanos Amnistia Internacional, por exemplo, classificou a castração química ou cirúrgica como um “tratamento desumano e degradante”, dizendo que a lei deveria se concentrar na proteção das vítimas em vez da punição dos condenados.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Mundo
Madagascar
Castração química
Abuso sexual
Criança

Últimas notícias

Caso Marielle: mecânico acusado de desmanchar carro usado no crime é preso

Caso Marielle: mecânico acusado de desmanchar carro usado no crime é preso

Conhecido como "Orelha", suspeito teria destruído veículo em ferro-velho no Rio de Janeiro
Após mudança do governo, Pacheco cobra desoneração da folha de pagamento para municípios

Após mudança do governo, Pacheco cobra desoneração da folha de pagamento para municípios

Presidente do Senado disse que impasse segue; deputados e senadores estenderam benefício a municípios até 2027
Simone Tebet diz que Brasil trabalha para 'encurtar distâncias' na América do Sul

Simone Tebet diz que Brasil trabalha para 'encurtar distâncias' na América do Sul

Ministra do Planejamento de Lula está com o presidente em Cúpula do Caribe, na Guiana, e falou ao SBT
Casos de feminicídio registram aumento de 33% em janeiro no RJ

Casos de feminicídio registram aumento de 33% em janeiro no RJ

Em 2023, ligações para o 180 receberam 23% a mais de denúncias de violência doméstica
Governo nega reajuste de 7% e diz que vai aguardar arrecadação para definir aumento para servidores

Governo nega reajuste de 7% e diz que vai aguardar arrecadação para definir aumento para servidores

Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado, centrais sindicais e o Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais cobram recomposição salarial
STF derruba regras sobre distribuição de vagas na Câmara

STF derruba regras sobre distribuição de vagas na Câmara

Se aprovada a regra, sete deputados federais perderiam os mandatos, mas a decisão só valerá a partir de 2024
Ministro da Educação defende aprovação do Novo Ensino Médio no 1º semestre

Ministro da Educação defende aprovação do Novo Ensino Médio no 1º semestre

Camilo Santana defende avanço rápido de proposta para aplicação em 2025, e atribui medida à melhoria do ensino
Assinar impeachment de Lula e participar do governo é "bizarro", diz Padilha

Assinar impeachment de Lula e participar do governo é "bizarro", diz Padilha

Ministro das Relações Institucionais disse que caso algum parlamentar da base tenha assinado a lista, é sinal de que não quer participar do governo
STJ decide no dia 20 se Robinho cumprirá pena no Brasil por estupro

STJ decide no dia 20 se Robinho cumprirá pena no Brasil por estupro

Ex-jogador da seleção foi condenado a noves anos de prisão por delito cometido na Itália
Ministro da Educação assume erros na divulgação de resultados do Sisu: "Está sendo avaliado"

Ministro da Educação assume erros na divulgação de resultados do Sisu: "Está sendo avaliado"

Camilo Santana citou adequações da nova lei de cotas e disse que a pasta apura internamente as causas da falha
Publicidade
Publicidade