Publicidade

Guerra na Ucrânia impacta startups e empresas da Rússia

Investidores e profissionais fazem novo exôdo após invasão do exército russo que passa de três semanas

Guerra na Ucrânia impacta startups e empresas da Rússia
russos estão deixando o país por conta das sanções econômicas
Publicidade

Após três semanas de guerra na Ucrânia, um cenário que desestimula a inovação torna-se repetitivo na Rússia. O país sofre um êxodo de empresários, programadores de computadores e outros profissionais especializados devido ao reflexo das sanções impostas pelo ocidente e a instabilidade polícia instaurada no país.

+ Conheça a editoria de Tecnologia do SBT News
+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Se a invasão da Ucrânia pela Rússia forçou milhões de pessoas a deixar seus lares para salvar suas vidas, o mesmo acontece no lado russo. Muitos nativos estão deixando seu país ou estão em processo de deixar a nação governada por Vladmir Putin devido a piora da situação econômica no país.

A reportagem do TechCrunch apontou que muitos russos não esperavam uma invasão de grande porte e, com isso, o mundo ocidental revidou com sanções afetando diretamente as empresas que operam na Rússia. 

Empreendedores e funcionários de startups relatam que investidores estão deixando de investir em empresas com sede na Rússia e que a startup só teria sobrevida se a sede mudasse de país.

"Os caras que até um mês atrás disseram que não deixariam a Rússia sob nenhuma circunstância estavam falando sobre pegar suas coisas e literalmente dirigir para o Cazaquistão para atravessar a fronteira terrestre porque os ingressos para sair estavam esgotados ou eram super caros", disse. disse Konash ao TechCrunch.

Além das sanções financeiras, há relatos de que hoje é impraticável operar uma empresa de tecnologia na Rússia, pois, muitas empresas estrangeiras do setor estão recuando ou sendo proibidas de operar na região.

Empresas de tecnologia estrangeiras suspendem operações 

Google, Microsoft, Mastercard, Visa, PayPal e outras suspenderam suas operações no país. O governo russo trabalha para bloquear o acesso ao Facebook, Instagram e Twitter. No entanto, neste caso, moradores locais usam dispositivos de Virtual Private Network (VPN) para burlar a máquina de censura de Putin para poder acessar os aplicativos de redes sociais.

Há receio generalizado entre os desenvolvedores, que acreditam que a qualquer momento quaisquer ferramentas utilizadas por eles, que em sua parte a maioria são estrangeiras, podem ser bloqueadas pelo governo e, com isso, muitos profissionais estão preferindo deixar o país ao invés de ficar sem acesso ao mundo exterior.

Fuga de empresas acontece desde a invasão da Criméia

Desde a invasão da Criméia pela Rússia, em 2014, há o registro de saída do investidor ao país russo, muitas empresas começaram a mudar a sede das empresas para evitar problemas e riscos políticos por associação ao país sobre o comando de Putin. 

Investidores tem transferido equipes e estruturas para fora de Moscou sob justificativa de foco internacional, porém, o distânciamento da Rússia é o verdadeiro pano de fundo para continuar a operação das empresas.

Para eles era interessante ter uma empresa na Rússia devido ao "custo de vida baixo" combinado com a possiblidade de fazer pesquisa e desenvolvimento. 
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
tecnologia
tech
russia
ucrania
startup
investimento
guerra-na-ucrania
inovação
fuga
cerebros

Últimas notícias

Governo deve fazer até 800 mil perícias visando corte de gastos

Governo deve fazer até 800 mil perícias visando corte de gastos

Segundo estimativas do INSS, medida pode vir a resultar em economia de R$ 7,2 bilhões em um ano
Comissão da Câmara aprova inclusão de imunoterapia para tratamento de câncer

Comissão da Câmara aprova inclusão de imunoterapia para tratamento de câncer

Segundo a proposta, caberá ao governo regular a inclusão da técnica no SUS
Manifestantes invadem parlamento e ateiam fogo em prédios durante protesto no Quênia

Manifestantes invadem parlamento e ateiam fogo em prédios durante protesto no Quênia

Ao menos cinco pessoas morreram e dezenas ficaram feridas
Militar da reserva é o principal suspeito pelo desaparecimento de menino de 5 anos na Argentina

Militar da reserva é o principal suspeito pelo desaparecimento de menino de 5 anos na Argentina

Seis pessoas já foram presas pelo sumiço de Loan Peña, que pode ter sido vítima do tráfico de pessoas
Pantanal: 90% dos incêndios florestais são causados por ação humana

Pantanal: 90% dos incêndios florestais são causados por ação humana

Secretário de Meio Ambiente do MS diz que maioria dos focos surgem em propriedades privadas e que trabalha para identificar responsáveis
Poder Expresso: entenda o julgamento no STF que descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal

Poder Expresso: entenda o julgamento no STF que descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal

A Corte deve definir também a quantidade máxima para diferenciar o usuário do traficante de maconha, o Poder Expresso analisa a sessão
Homem é preso por atirar cinco vezes contra casal no trânsito em São Paulo

Homem é preso por atirar cinco vezes contra casal no trânsito em São Paulo

Ricardo Barroso Lilá Filho, que dirigia um Mercedes, foi detido nesta quinta-feira (25) após cometer agressão em 13 de junho
Ex-diretora é suspeita de desviar mais de 20 aparelhos de ar-condicionado de escola estadual no RJ

Ex-diretora é suspeita de desviar mais de 20 aparelhos de ar-condicionado de escola estadual no RJ

Mulher é alvo de operação realizada pelo MP nesta terça (25); crime aconteceu entre dezembro de 2022 e setembro de 2023
Conselho Federal de Medicina pede que Anvisa reveja proibição do uso de fenol para médicos

Conselho Federal de Medicina pede que Anvisa reveja proibição do uso de fenol para médicos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária decidiu pela proibição da venda e uso da substância em procedimentos estéticos e de saúde
União e governo do RS firmam acordo no STF para aliviar prejuízos relacionados a dívidas do estado

União e governo do RS firmam acordo no STF para aliviar prejuízos relacionados a dívidas do estado

Compromisso foi estabelecido em audiência de conciliação no gabinete de Luiz Fux, relator do caso na Corte
Publicidade
Publicidade