Publicidade

Tribunal suspende julgamento Sergio Moro; placar está em 1 a 1

Desembargadora Cláudia Cristofani pediu mais tempo para análise, após o desembargador José Sade votar contra o senador. Julgamento será retomado no dia 8

Tribunal suspende julgamento Sergio Moro; placar está em 1 a 1
Publicidade

O julgamento que pode levar à cassação do mandato do senador Sergio Moro (União-PR) foi interrompido, na tarde desta quarta-feira (3), por um pedido de vista (mais tempo para análise) feito pela desembargadora Cláudia Cristina Cristofani.

Ela seria a terceira a votar. Pouco antes, o desembargador José Rodrigo Sade, votou contra o senador, empatando, em 1 a 1, o julgamento no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR). O julgamento será retomado na próxima segunda-feira (8).

+ Justiça determina que filho de Lula não se aproxime da ex-mulher e deixe apartamento

A sessão desta quarta-feira teve início com a manifestação de Sade, o segundo a votar. Ele discordou do relator, desembargador Luciano Carrasco Falavinha Souza, que votou pela manutenção do mandato de Sergio Moro. Diferentemente do relator, Sade desconsiderou eventual “boa-fé” do então candidato Moro, em ter iniciado a pré-campanha como presidenciável e, posteriormente, feito “downgrade” para a candidatura ao Senado.

R$ 88 milhões X R$ 4,4 milhões

As análises tanto de Sade quanto de Falavinha se concentraram nas diferenças do teto de gastos eleitorais entre o primeiro cargo pretendido por Moro, de presidente, e aquele ao qual realmente foi eleito, de senador. Isso porque uma campanha à presidência tem teto de gastos de R$ 88 milhões, enquanto, para o Senado, pelo Paraná, tem teto de R$ 4,4 milhões.

A defesa de Moro alegou que ele desistiu de concorrer à presidência por “circunstâncias alheias” à própria vontade. Nessa época, pela magnitude de uma campanha presidencial, os gastos já tinham extrapolado o que era previsto para um “candidato médio” ao Senado pelo Paraná.

Para o relator, a “má-fé” teria ocorrido se, desde o início, Moro tivesse mirando o Senado, enquanto se beneficiava de um teto de gastos maior na pré-campanha à presidência. Na avaliação de Sade, Moro assumiu esse risco, e a suposta “boa-fé” não vem ao caso, pois, no fim das contas, a disputa ficou desequilibrada.

Segundo o Ministério Público, a campanha de Sergio Moro custou, no total, R$ 5,1 milhões. Esse excedente, sustentou o MP, configurou o abuso de poder econômico alegado pelos autores das ações julgadas pelo TRE-PR.

Provas

Outro ponto de discordância entre Sade e Falavinha foi a comprovação da ilicitude. Na visão do relator, não há provas suficientes. Para Falavinha, as planilhas de gastos apresentadas pelo Podemos e pelo União Brasil corroboram a alegação de que houve abuso de poder econômico.

Caixa 2

Um ponto em comum nos votos de Sade e Falavinha foi em relação à suposta prática de caixa 2. Ambos afastaram o cometimento desse crime eleitoral. Os dois concordaram também quanto à ausência de comprovação de suposta compra de apoio político para desistência de candidatura à Presidência.

PL e PT contra Moro

As duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (AIJEs) foram propostas pelo Partido Liberal (PL) e pela Federação Brasil da Esperança (PT/PCdoB/PV). O julgamento no TRE-PR teve início na segunda-feira (1º), com o voto de Falavinha. Na sequência, Sade pediu vista. A próxima segunda-feira (8) será, portanto, o terceiro dia de julgamento.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Sergio Moro
Eleições
Senado
senador
Justiça

Últimas notícias

Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Mobilização recebeu apoio de setores da oposição em todo o país
Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Segundo a empresa, a suspensão é "para se dedicar totalmente a concluir o processo de investigação" do caso
Perfis de bolsonaristas no X bloqueados pelo STF usaram canal de bate-papo para fazer lives "clandestinas"

Perfis de bolsonaristas no X bloqueados pelo STF usaram canal de bate-papo para fazer lives "clandestinas"

PF identificou que acusados de integrar milícia digital fizeram, dos EUA, transmissões ao vivo, por canais inativados judicialmente
Polícia desarticula quadrilhas especializadas em roubos a condomínios

Polícia desarticula quadrilhas especializadas em roubos a condomínios

Investigações pegaram criminosos que atuavam em 5 estados, se passavam por moradores e ostentavam nas redes sociais
Polícia prende integrantes de quadrilha envolvida na morte de empresário, em SP

Polícia prende integrantes de quadrilha envolvida na morte de empresário, em SP

Caso aconteceu em setembro do ano passado; criminosos usavam aplicativos de namoro para atrair as vítimas
Empresária condenada por matar o marido com um tiro na nuca se entrega à polícia em SP

Empresária condenada por matar o marido com um tiro na nuca se entrega à polícia em SP

Crime aconteceu em janeiro de 2013, na Zona Leste de São Paulo; Andressa Ramos de Araújo foi condenada a 13 anos e seis meses de prisão
Câmara aprova continuidade de benefício para o setor de eventos com impacto de R$ 15 bilhões

Câmara aprova continuidade de benefício para o setor de eventos com impacto de R$ 15 bilhões

Andamento do programa emergencial contrariou pedido do governo e valerá para 30 atividades econômicas. Texto segue para o Senado
Datena, educação e polarização na Segurança Pública: confira íntegra da entrevista de Tabata Amaral

Datena, educação e polarização na Segurança Pública: confira íntegra da entrevista de Tabata Amaral

Pré-candidata à Prefeitura de São Paulo pelo PSB falou sobre propostas para a maior cidade do Brasil ao SBT News
Candidatos reclamam de falhas técnicas e problemas na lista de espera do Fies

Candidatos reclamam de falhas técnicas e problemas na lista de espera do Fies

Mesmo com os problemas relatados, Ministério da Educação afirma que não deve fazer alterações no cronograma
Alckmin responde cobrança de Lula com meme de desenho animado: “Pé na tábua”

Alckmin responde cobrança de Lula com meme de desenho animado: “Pé na tábua”

Presidente havia cobrado vice-presidente e ministros agilidade e para melhorarem articulações com o Congresso Nacional
Publicidade
Publicidade