Publicidade

Após reunião com Lula, líder do governo diz que projeto que dá aumento a juízes pode “quebrar o país”

Encontro ocorreu após convocação de emergência de líderes e ministros para tratar de pautas-bomba e arrefecer rusgas com a Câmara

Após reunião com Lula, líder do governo diz que projeto que dá aumento a juízes pode “quebrar o país”
José Guimarães
Publicidade

O líder do governo José Guimarães (PT-CE) disse após reunião de quase três horas com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Quinquênio tem potencial de “quebrar o país”. O texto foi aprovado nesta quarta-feira (17) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e segue para a votação em Plenário. A PEC concede um bônus nos vencimentos de integrantes do Judiciário a cada cinco anos.

Também estavam na reunião os líderes do Senado, Jaques Wagner (PT-BA) e do Congresso, Randolfe Rodrigues (Sem Partido-AP) e os ministros da Casa Civil, Rui Costa e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

“Se essa PEC seguir, ela vai quebrar o país e os estados. Não tem o menor fundamento, na minha opinião. O presidente não falou sobre isso, é opinião minha. Essa PEC não pode, ela quebra fiscalmente o país, não sei como o Senado aprovou isso”, disse Guimarães.

A proposta só deve ser votada em Plenário após cinco sessões temáticas para discussão da matéria, que devem ter início na próxima semana.

Guimarães também também afirmou que o governo precisa manter a sintonia com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e admitiu que são necessários “consertinhos” na relação. O líder também citou a crise entre Lira e Alexandre Padilha, e afirmou que o ministro das Relações Institucionais está disposto a tratar com o chefe da Casa Baixa. No entanto, ele destacou que o assunto não foi tratado na reunião convocada por Lula.

Questionado sobre a pauta do governo estar travada na Câmara, o líder justificou que a votação sobre a manutenção da prisão do deputado Chiquinho Brazão, suspeito de ser um dos mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, acabou adiando outras discussões e votações de interesse do governo na Casa.

“Não tem interdição nas pautas econômicas do governo. O que aconteceu essa semana foi a pauta (atrasar), desde a votação do Brazão, mas tudo está dentro da normalidade. Nada que signifique alguma crise com o governo”, disse.

O deputado federal também citou que está confiante nas articulações para manter o que foi sancionado pelo presidente Lula com a PEC das saidinhas. “Está avançando bem porque o presidente manteve o que foi aprovado, tem apenas esse artigo (sobre manter aos presos a visita às famílias) e o desempenho do ministro Ricardo Lewandowski na Comissão de Segurança da Câmara foi excelente.

Também estavam na reunião os líderes do Senado, Jaques Wagner (PT-BA) e do Congresso, Randolfe Rodrigues (Sem Partido-AP) e os ministros da Casa Civil, Rui Costa e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Política
Governo Lula
Senado
Câmara
Congresso Nacional

Últimas notícias

Buscas por presidente do Irã: drone localiza fonte de calor; vice diz que resgate fez contato com vítimas

Buscas por presidente do Irã: drone localiza fonte de calor; vice diz que resgate fez contato com vítimas

Líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, discursou e tentou tranquilizar população sobre ausência de informações concretas
Tony Ramos passa por mais uma cirurgia no cérebro

Tony Ramos passa por mais uma cirurgia no cérebro

Ator de 75 anos foi submetido ao segundo procedimento neste domingo (19)
Processo que pode cassar mandato de Chiquinho Brazão deve ser concluído na Câmara até julho

Processo que pode cassar mandato de Chiquinho Brazão deve ser concluído na Câmara até julho

Apontado como mandante do caso Marielle, deputado será notificado no presídio em Campo Grande e terá dez dias para se defender no Conselho de Ética
Rio Grande do Sul alcança a marca de 135 prisões em meio às enchentes

Rio Grande do Sul alcança a marca de 135 prisões em meio às enchentes

48 ocorrências foram de roubos e furtos de pessoas afetadas pelos temporais, afirma Secretaria de Segurança Pública do estado
Neblina e montanhas dificultam localização do helicóptero do presidente do Irã

Neblina e montanhas dificultam localização do helicóptero do presidente do Irã

Agência oficial do país chegou a afirmar que aeronave havia sido localizada, mas mudou versão
Sobe para 157 o número de mortos pelas chuvas no Rio Grande do Sul

Sobe para 157 o número de mortos pelas chuvas no Rio Grande do Sul

88 pessoas seguem desaparecidas e 806 foram resgatadas feridas; mais de 2,3 milhões foram afetadas em todo o estado
Propostas que colocam meio ambiente em risco avançam no Congresso, alerta Observatório

Propostas que colocam meio ambiente em risco avançam no Congresso, alerta Observatório

Coordenadora da ONG afirma que, se aprovados, projetos resultarão em “mais emissões de gases de efeito estufa”
Tribunal julga nesta segunda (20) ação decisiva contra Assange

Tribunal julga nesta segunda (20) ação decisiva contra Assange

Corte britânica analisa garantias dos EUA para extradição. Lula defende ativista nas redes sociais
Justiça determina vistoria de pet shop em que animais morreram afogados em Porto Alegre

Justiça determina vistoria de pet shop em que animais morreram afogados em Porto Alegre

Decisão tem como objetivo verificar existência de animais ainda vivos no local; loja disse que animais não sobreviveram à enchente
Elenco do SBT recebe pessoalmente doações para o Rio Grande do Sul

Elenco do SBT recebe pessoalmente doações para o Rio Grande do Sul

Patrícia Abravanel e Ratinho estiveram neste domingo (19) na sede da emissora para campanha de ajuda às vítimas das enchentes
Publicidade
Publicidade