Publicidade

Laudo diz que mulher acusada de envenenar parentes tinha “total consciência” de atos

Amanda Partata ofereceu alimentos envenenados a quatro pessoas e duas morreram; crime foi registrado em Goiânia, em dezembro do ano passado

Laudo diz que mulher acusada de envenenar parentes tinha “total consciência” de atos
Publicidade

O laudo da Junta Médica Oficial do Poder Judiciário sobre a mulher acusada de envenenar e matar parentes do ex-namorado em Goiânia, em dezembro do ano passado, indicou que Amanda Partata tinha “total consciência” dos atos que praticou, sem apresentar “retardo mental ou qualquer evidência de doença mental”.

O documento foi concluído no início deste mês, mas só agora foi tornado público. O exame foi feito por dois médicos psiquiatras que, além de entrevistar Amanda, ouviram a mãe da acusada para entender como era o comportamento dela desde a infância. Ela se apresentava como psicóloga e advogada aposentada e tem 31 anos.

Amanda teria envenenado duas pessoas, levando-as à morte, além de tentar cometer o mesmo crime contra outras duas vítimas. A mulher ofereceu doces envenenados para as vítimas e o laudo destaca que ela agiu de forma organizada e planejada para praticar os crimes.

O laudo admite que, no tempo da ação de envenenamento, Amanda apresentava quadro clínico compatível com Transtorno de Personalidade Bordeline, havendo ainda traços comportamentais antissociais, o que segundo os médicos psiquiatras, não interferiram na execução das práticas delitivas, ou seja, no envenenamento das vítimas e em mais duas tentativas.

Exame foi pedido pela defesa da acusada e produziu mais provas

O exame de insanidade mental foi requerido pela defesa de Amanda Partata. O resultado do laudo acabou por produzir mais uma prova contra ela. Segundo o que apurou a Polícia Civil, a advogada que tentava a todo custo reatar um relacionamento com o ex-namorado, e até inventou uma falsa gravidez, planejou de forma cruel o assassinato dos parentes dele.

A investigação concluiu que Amanda Partata premeditou meticulosamente toda a trama assassina. Ela comprou o veneno pela internet, passou numa panificadora, comprou os alimentos e adicionou o veneno num deles. Aí, ainda segundo a investigação, ela foi até a casa do ex-sogro, onde o abraçou ao chegar no local.

Leonardo Pereira Alves e a mãe dele, Luzia Alves, comeram o alimento envenenado e menos de 24 horas depois morreram. Outros dois parentes que estavam no imóvel não morreram porque não comeram do bolo. Logo no início da investigação a advogada passou a ser suspeita dos crimes e ela foi presa no dia 20 de dezembro do ano passado, três dias após o café da manhã mortal.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Polícia
Crime
Goiânia
Goiás
Investigação

Últimas notícias

JBS deverá indenizar família de funcionário morto após sair do trabalho, decide TST

JBS deverá indenizar família de funcionário morto após sair do trabalho, decide TST

Para a corte, a empresa negligenciou condições adequadas de transporte a trabalhador assassinado enquanto pedalava para casa de madrugada
VÍDEO: clientes têm celulares roubados durante arrastão em restaurante de Pinheiros (SP)

VÍDEO: clientes têm celulares roubados durante arrastão em restaurante de Pinheiros (SP)

Imagens da câmera de segurança registraram o momento em que um criminoso, armado, abordou um funcionário na rua e entrou com ele no estabelecimento
VÍDEO: Tornados deixam 25 mortos em dois dias nos EUA

VÍDEO: Tornados deixam 25 mortos em dois dias nos EUA

Americanos registraram chegada dos ventos e estragos deixados nas cidades. Novas tempestades devem ocorrer na noite desta terça (28)
Frente Nacional de Prefeitos se mobiliza para a compra de medicamentos no RS

Frente Nacional de Prefeitos se mobiliza para a compra de medicamentos no RS

Secretário da Frente Nacional dos Prefeitos fala ao programa Perspectivas do SBT News
Novo ataque de Israel a acampamento de refugiados em Rafah deixa ao menos 21 mortos

Novo ataque de Israel a acampamento de refugiados em Rafah deixa ao menos 21 mortos

Ataque aconteceu enquanto manifestantes, em várias partes do mundo, ainda protestavam contra as 45 mortes provocadas por bombardeio no domingo
Covid-19 já matou mais que a dengue no Brasil em 2024

Covid-19 já matou mais que a dengue no Brasil em 2024

Principais vítimas da covid-19, segundo o Ministério da Saúde, são pessoas que não se vacinaram ou que não completaram o ciclo de imunização
Voluntários alertam para diminuição de ajuda humanitária no RS: "Precisamos de mais braços, estamos exaustos"

Voluntários alertam para diminuição de ajuda humanitária no RS: "Precisamos de mais braços, estamos exaustos"

Quase 50 mil gaúchos permanecem em abrigos no estado; em Porto Alegre, a maior parte dos abrigos são mantidos com doações e o trabalho de voluntários
Congresso derruba veto de Lula a trecho do projeto das "saidinhas" de presos

Congresso derruba veto de Lula a trecho do projeto das "saidinhas" de presos

Condenados que cumprem pena em regime semiaberto não podem mais obter autorização para saída temporária do estabelecimento nos casos de visita à família
Especialista celebra dados positivos de alfabetização, mas diz que “Brasil está muito atrás” de países desenvolvidos

Especialista celebra dados positivos de alfabetização, mas diz que “Brasil está muito atrás” de países desenvolvidos

Professor da UnB lembra que o país segue abaixo da meta de 80% estabelecida pelo Ministério da Educação
Operadoras se comprometem a retomar planos de saúde cancelados, após reunião com Lira

Operadoras se comprometem a retomar planos de saúde cancelados, após reunião com Lira

Presidente da Câmara disse que decisão foi confirmada pelas empresas Amil e Unimed
Publicidade
Publicidade