Publicidade

Cientistas encontram em meteorito dois minerais nunca antes vistos na natureza

Elaliita e elkinstantonita, como foram chamados os materiais, só tinham sido criados sinteticamente

Cientistas encontram em meteorito dois minerais nunca antes vistos na natureza
Parte do meteorito em que os minerais foram encontrados (Divulgação/Universidade de Alberta)
Publicidade

Pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, descobriram dois minerais, em um meteorito de 15 toneladas encontrado na Somália, na África, que nunca tinham sido vistos na natureza.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Ambos estavam em uma parte de 70 gramas extraída do meteorito - o nono maior já registrado. Um dos minerais foi denominado elaliita, e o outro, elkinstantonita. A inspiração para o nome do primeiro foi o do próprio meteorito, El Ali - pois foi encontrado próximo à cidade homônima. Já Chris Herd, professor do Departamento de Ciências da Terra e Atmosféricas e curador da Coleção de Meteoritos da Universidade de Alberta nomeou o segundou, homenageando Lindy Elkins-Tanton, investigadora principal da próxima missão Psyche da NASA. 

"Lindy trabalhou muito sobre como os núcleos dos planetas se formam, como esses núcleos de ferro-níquel se formam, e o análogo mais próximo que temos são os meteoritos de ferro. Portanto, fazia sentido nomear um mineral com seu nome e reconhecer suas contribuições para a ciência", justificou.

A descoberta dos minerais no meteorito foi feita quando Herd trabalhava para classificar este. Viu algo que chamou sua atenção na amostra do El Ali e pediu ajuda para Andrew Locock, chefe do Laboratório de Microssonda Eletrônica da universidade, para entender o que era. Locock já havia trabalhado na descrição de outros minerais novos.

"Logo no primeiro dia em que ele fez algumas análises [no material do El Eli], ele disse: 'Você tem pelo menos dois novos minerais aí'. Isso foi fenomenal. Na maioria das vezes, dá muito mais trabalho do que isso dizer que há um novo mineral", fala Herd. Locock conseguiu identificar o elaliita e o elkinstantonita rapidamente porque, no passado, ambos já tinham sido criados sinteticamente. Assim, ele combinou a composição dos minerais naturais com as contrapartes feitas pelo homem e notou que eram do mesmo tipo.

O meteorito foi classificado por Herd, com a ajuda de pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles e do Instituto de Tecnologia da Califórnia, como Ferro, complexo IAB; há mais de 350 nessa categoria. Agora, o pesquisador analisa os dois minerais encontrados para entender o que indicam sobre as condições do meteorito no momento da formação deste.

"Essa é a minha especialidade - como você desvenda os processos geológicos e a história geológica do asteroide do qual esta rocha já fez parte. Nunca pensei que estaria envolvido na descrição de novos minerais apenas pelo fato de trabalhar em um meteorito", afirma o pesquisador. Ainda de acordo com Herd, se ele e Locock recebessem mais amostras do El Ali, haveria uma chance de descobrirem mais minerais inéditos na natureza.

O professor do Departamento de Ciências da Terra e Atmosféricas explica que "sempre que há um novo material conhecido, os cientistas de materiais também se interessam por causa dos usos potenciais em uma ampla gama de coisas na sociedade". Os pesquisadores da Universidade de Alberta não sabem se mais amostras do El Ali serão disponibilizadas para fins científicos.

Veja também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
mundo
pesquisadores
meteorito
minerais
descoberta
natureza
universidade
análise
materiais
cientistas
canadá
somália
ciência
guilherme-resck
tecnologia

Últimas notícias

Supostos prints mostram mensagem enviada por advogada desaparecida no RJ para marido

Supostos prints mostram mensagem enviada por advogada desaparecida no RJ para marido

Conversa é do dia 11 de março, momentos depois do empresário pagar os sequestradores
FAB transporta três recém-nascidos e dois adultos em UTI Aérea no RS

FAB transporta três recém-nascidos e dois adultos em UTI Aérea no RS

Segundo a Força Aérea Brasileira, foi a maior operação de Evacuação Aeromédica em apoio à população atingida pelas enchentes
Tony Ramos e Roque: o que causa e como prevenir sangramento intracraniano?

Tony Ramos e Roque: o que causa e como prevenir sangramento intracraniano?

Doenças pré-existentes como hipertensão e dor de cabeça intensa podem estar associadas ao problema; entenda
Festival de Cinema de Gramado mantém datas em meio às chuvas

Festival de Cinema de Gramado mantém datas em meio às chuvas

Evento está marcado para agosto. Clima no RS é fator de imprevisibilidade
Lula diz que recuperação do RS é possibilidade de fazer economia do Brasil "crescer ainda mais"

Lula diz que recuperação do RS é possibilidade de fazer economia do Brasil "crescer ainda mais"

Presidente também citou a possibilidade de criar um fundo internacional das "pessoas que poluem" para reconstruir o Rio Grande do Sul
Detentos fabricam camas de madeira para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Detentos fabricam camas de madeira para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Os presos também confeccionam rodos e casinhas para abrigar cachorros resgatados
Calendário do Enem no RS será diferente dos outros estados; entenda

Calendário do Enem no RS será diferente dos outros estados; entenda

Novas datas ainda não foram divulgadas pelo Ministério da Educação
Exército reduz número de armas que podem ser compradas por policiais e bombeiros

Exército reduz número de armas que podem ser compradas por policiais e bombeiros

Regra anterior, que permitia a compra de até seis armas, foi suspensa por Ricardo Lewandowski
"Tatuzão" abre cratera em condomínio durante obras da Linha-6 Laranja do Metrô de SP

"Tatuzão" abre cratera em condomínio durante obras da Linha-6 Laranja do Metrô de SP

Em fevereiro de 2022, um acidente durante a construção da mesma estação deixou a Marginal Tietê interditada após a abertura de um buraco
Batagaika: "porta para o submundo" cresce 1 milhão de metros cúbicos por ano

Batagaika: "porta para o submundo" cresce 1 milhão de metros cúbicos por ano

Imagens de satélite descobriram o local em 1991, na República de Sakha, centro oriente da Rússia
Publicidade
Publicidade