Publicidade

Protestos em Belarus ganham força um mês após as eleições presidenciais

Manifestações pela liberdade e pela democracia desafiam o poder do "último ditador da Europa"

Protestos em Belarus ganham força um mês após as eleições presidenciais
Protestos em Belarus ganham força um mês após as eleições presidenciais
Publicidade
Na noite de 9 de agosto de 2020, um domingo, Aleksandr Lukashenko repetiu um gesto ao qual já está acostumado: anunciou a vitória nas urnas por uma ampla vantagem de votos. Aos 65 anos, o ex-soldado da União Soviética que entrou na política com uma plataforma anticorrupção comemorava o início do seu sexto mandato à frente do país do leste europeu, de nove milhões e meio de habitantes.

O que Lukashenko provavelmente não esperava é que, mesmo com uma pandemia em curso, milhares de pessoas tomariam as ruas da capital, Minsk, para contestar o resultado do pleito. O movimento popular, que de início chamou a atenção do mundo para as denúncias de fraude eleitoral, foi ampliado e -- contando com a participação intensa de jovens e mulheres -- passou a questionar o autoritarismo do líder há 26 anos no poder e a exigir o resgate de valores democráticos no país.

Os protestos que levaram Belarus às manchetes têm três rostos principais: Svetlana Tikhanovskaya, que disputou as eleições contra Lukashenko no lugar do marido dela, preso e impedido de concorrer; Veronika Tsepkalo, conselheira de Tikhanovskaya, que também teve o marido -- um ex-embaixador de Belarus nos Estados Unidos -- impossibilitado de disputar as eleições; e Maria Kolesnikova, líder carismática que atuou na campanha como voz ativa contra o governo de Lukashenko.

Hoje, Tikhanovskaya está refugiada na Lituânia, Tsepkalo fugiu com a família para a Polônia e Kolesnikova foi presa na fronteira com a Ucrânia horas após, de acordo com testemunhas e aliados, ter sido sequestrada no centro de Minsk. Três situações que representam a subida de tom na repressão do governo aos manifestantes e opositores. Desde o início dos protestos, milhares já foram detidos -- mais de 600 somente no último domingo (6). Ameaçado internamente, Lukashenko conta com o apoio nada desprezível de Vladimir Putin. O presidente russo chegou até a sugerir o envio de tropas para Belarus, se o comandante do país achar necessário.

Aleksandr Lukashenko recentemente admitiu que passou tempo demais no poder, mas descartou a possibilidade de deixar o cargo. Segundo o autocrata, somente ele poderá defender Belarus neste momento de instabilidade. As mais de cem mil pessoas que semanalmente vão às ruas de Minsk discordam. A popularidade de Lukashenko, já em queda, despencou ainda mais durante a pandemia, sobretudo depois dele receitar vodca e sauna para o tratamento da covid-19. Se quiser permanecer no poder, é bom que o "último ditador da Europa" arranje, agora, uma receita mais convincente.
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
thiago-ferreira
mundo
belarus
protesto
russia
aleksandr lukashenko
politica
internacional

Últimas notícias

Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Só no ano passado, foram mais de 65 mil casos, três mil a mais do que em 2022
Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Marinha montou base de operações na região das ilhas de Porto Alegre para auxiliar rapidamente a população
Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Ministros da 1ª Turma decidem na terça (18) se irmãos Brazão, delegado do Rio e dois ligados à milícia do Rio sentam no banco dos réus como mandantes do crime
PL que cria cadastro nacional de agressores deve ser analisado pelo Senado

PL que cria cadastro nacional de agressores deve ser analisado pelo Senado

Previsão é de que avaliação seja realizada nos próximos dias
Comidas típicas de Festa Junina estão mais caras com inflação

Comidas típicas de Festa Junina estão mais caras com inflação

Levantamento do Instituto de Economia da Fundação Getúlio Vargas, divulgado com exclusividade para o SBT, analisou 27 itens tradicionais juninos
Procedimentos estéticos respondem por mais de 50% das queixas de serviços de saúde

Procedimentos estéticos respondem por mais de 50% das queixas de serviços de saúde

Nos últimos 12 anos, foram registrados cerca de dez mil boletins de ocorrência e processos judiciais motivados pelo crime de exercício ilegal da profissão
Policial morre após ser baleado com a própria arma depois de briga em SP

Policial morre após ser baleado com a própria arma depois de briga em SP

Segundo a investigação, o assassino disparou pelo menos 12 vezes
Lula conversa com diretor-geral da Enel, que promete investimento bilionário no Brasil

Lula conversa com diretor-geral da Enel, que promete investimento bilionário no Brasil

Reunião aconteceu após encontro do G7, na Itália, com participação e negociações bilaterais do presidente brasileiro
Chileno é preso por filmar partes íntimas de crianças na praia da Urca, no Rio

Chileno é preso por filmar partes íntimas de crianças na praia da Urca, no Rio

Javier Eduardo López Órdenes foi levado para a delegacia de Copacabana; caso foi encaminhado à Justiça
RJ: menina baleada com tiro de fuzil quando voltava de balé segue em estado grave

RJ: menina baleada com tiro de fuzil quando voltava de balé segue em estado grave

Parentes e amigos de Ana Beatriz Barcelos, de 14 anos, marcaram uma missa neste sábado (15) para pedir pela recuperação da adolescente
Publicidade
Publicidade