Publicidade

Contribuição do Brasil para conter crise climática é mais do que significativa

Frear desmatamento e reduzir emissões devem estar entre principais objetivos do governo

Contribuição do Brasil para conter crise climática é mais do que significativa
Depois de um resultado positivo em janeiro, a devastação na Amazônia voltou a crescer | Greenpeace
Publicidade

A volta do Brasil na pauta ambiental acontece em meio aos últimos alertas sobre o avanço da crise climática, fazendo com que o governo precise entregar, mesmo que a longo prazo, resultados significativos. Isso porque a Amazônia é classificada como papel-chave na segurança climática e, portanto, coloca o país em um dilema, já que o território brasileiro é o sexto maior emissor de gases de efeito estufa no mundo, sendo que a grande maioria é produzida por mudanças no solo da terra: desmatamento.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Depois de um resultado positivo em janeiro, a devastação na Amazônia voltou a crescer. Segundo dados do Imazon, foram derrubados 325 km² de floresta em fevereiro, área equivalente ao tamanho de Belo Horizonte, por exemplo. Para Stela Herschmann, especialista em política climática do Observatório do Clima, a atual promessa do governo de enfrentar e zerar o desmatamento até 2030, caso cumprida, será uma das medidas essenciais para conter o aumento da temperatura em 1,5ºC.

Isso porque, apenas no ano passado, a devastação do bioma foi responsável por 50% das emissões brasileiras, auxiliando no avanço do aquecimento global. "É interessante avaliarmos que essas emissões, diferente das emissões de outros países, são uma produção que não gera riqueza para a população. Então, na verdade, o Brasil produz hoje menos PIB (Produto Interno Bruto) para o país com mais emissões, indo na contramão do que o mundo está fazendo", avalia Stela.

O mesmo é dito por Rodrigo Jesus, porta-voz de Clima e Justiça do Greenpeace Brasil, que reforça que a Amazônia "não é a mesma de 20 anos atrás" e, consequentemente, os impactos da devastação são maiores. Para conter as atividades, ele sugere políticas públicas de monitoramento da área, bem como melhores medidas de fiscalização das atividades agropecuárias - grande responsável pela destruição no bioma. A demarcação de terras indígenas também é priomordial, uma vez que dificulta o garimpo ilegal.

Emissões de gases de efeito estufa aumentam com queimadas | Greenpeace

A matriz energética é outro ponto que precisa ser melhorado no Brasil. Apesar do país estar investindo e crescendo no setor de energia renovável, muitas infraestruturas ainda apelam para a queima de combustíveis fósseis. Um exemplo disso é a Eletrobras, que, após ser privatizada, prometeu a construção de novas termelétricas, o que pode acabar gerando emissões desnecessárias para o futuro, contribuindo para o efeito estufa.

"Outro ponto relevante é que o Brasil precisa encarar e colocar como prioridade as medidas de adaptação. O Plano Nacional de Adaptação Climática (PNA), elaborado em 2016, precisa ser revisado e implementado com recurso alocado, garantindo ampla participação popular na sua elaboração, execução e avaliação. O plano é a principal medida para diminuir os impactos com os eventos extremos que já estamos presenciando no país, como enchentes, deslizamentos de terra, secas, vendavais e friagens", diz Rodrigo.

Quanto mais rápido o governo adotar medidas eficazes contra a crise climática, maior serão as chances de ter resultados. Isso porque, como sede da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP30) em 2025, o Brasil precisará apresentar o avanço da agenda ambiental, mesmo que inicialmente. Segundo Stela, o evento será de extrema importância para o país recuperar a credibilidade internacional, uma vez que, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), muitas metas ambientais foram deixadas de lado.

Impactos atingem população mais vulnerável

Considerada uma "bomba relógio" pela Organização das Nações Unidas (ONU), a temperatura global já está 1,1ºC acima da era pré-industrial - um sinal de atenção. No início da semana, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) fez um novo alerta para o avanço da emergência climática, reforçando que, caso a temperatura atinja 2ºC, mesmo que temporariamente, os riscos de perda de biodiversidade, extinção de espécies e dano de ecossistemas aumentarão significativamente.

O cenário impactará, sobretudo, a população mais vulnerável - atualmente quase metade dos habitantes globais. No Brasil, segundo os especialistas consultados pelo SBT News, os principais atingidos serão negros, pessoas que moram em periferias, mulheres chefes de família, ribeirinhos, comunidades tradicionais e povos indígenas, que, no contexto urbano, já vivem em áreas de risco. Animais pertencentes à Amazônia também estão na lista, já que o bioma pode registrar impactos irreversíveis.

"Se não tivermos medidas para limitarmos a temperatura global em 1.5ºC enfrentaremos riscos cada vez mais altos e mais cedo do que imaginávamos com a crise climática, e não estamos preparados para suas consequências, algo que está nos custando vidas. O aumento de incêndios, enchentes, vendavais, secas e outros eventos extremos ficarão mais intensos e frequentes. Podemos e devemos reduzir pela metade as emissões globais até 2030. Esta é uma realidade preocupante, mas há esperanças", afirma Rodrigo.

Leia também

+ Justiça dá 30 dias para eletronuclear avaliar impacto de vazamento em Angra

+ Emissões de gases de efeito estufa precisam diminuir 43% até 2030, diz IPCC

+ Cerca de 26% da população global não tem acesso à água potável, diz Unesco

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
governo
contribuiçao
brasil
crise climatica
signficativa
aquecimento global
desmatamento
matriz energetica
efeito estufa
meio ambiente
governo lula
camila-stucaluc

Últimas notícias

Detentos fabricam camas de madeira para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Detentos fabricam camas de madeira para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Os presos também confeccionam rodos e casinhas para abrigar cachorros resgatados
Calendário do Enem no RS será diferente dos outros estados; entenda

Calendário do Enem no RS será diferente dos outros estados; entenda

Novas datas ainda não foram divulgadas pelo Ministério da Educação
Exército reduz número de armas que podem ser compradas por policiais e bombeiros

Exército reduz número de armas que podem ser compradas por policiais e bombeiros

Regra anterior, que permitia a compra de até seis armas, foi suspensa por Ricardo Lewandowski
"Tatuzão" abre cratera em condomínio durante obras da Linha-6 Laranja do Metrô de SP

"Tatuzão" abre cratera em condomínio durante obras da Linha-6 Laranja do Metrô de SP

Em fevereiro de 2022, um acidente durante a construção da mesma estação deixou a Marginal Tietê interditada após a abertura de um buraco
Batagaika: "porta para o submundo" cresce 1 milhão de metros cúbicos por ano

Batagaika: "porta para o submundo" cresce 1 milhão de metros cúbicos por ano

Imagens de satélite descobriram o local em 1991, na República de Sakha, centro oriente da Rússia
Ministério da Saúde envia kits emergenciais para atender 195 mil pessoas no RS

Ministério da Saúde envia kits emergenciais para atender 195 mil pessoas no RS

Cada kit tem 32 tipos de medicamentos e 16 tipos de insumos, como luvas, seringas e ataduras
Morte por leptospirose é confirmada em cidade do Rio Grande do Sul

Morte por leptospirose é confirmada em cidade do Rio Grande do Sul

Município de Travesseiro é o primeiro a confirmar óbito; mais três pessoas recebem o tratamento para a doença
Poder Expresso: doenças e acúmulo de lixo são os próximos desafios do Rio Grande do Sul

Poder Expresso: doenças e acúmulo de lixo são os próximos desafios do Rio Grande do Sul

Esta edição discute as repercussões e os próximos passos do Irã após acidente de helicóptero que matou o presidente
Espanha ameaça romper relações diplomáticas com a Argentina após falas de Milei

Espanha ameaça romper relações diplomáticas com a Argentina após falas de Milei

Presidente argentino usou Begoña Gomez, mulher do primeiro-ministro Pedro Sánchez, para atacá-lo
Ex-advogado de Donald Trump, Michael Cohen admite ter roubado R$ 153 mil da empresa do ex-presidente

Ex-advogado de Donald Trump, Michael Cohen admite ter roubado R$ 153 mil da empresa do ex-presidente

Principal testemunha de julgamento criminal de Trump confirmou o ato em depoimento nesta segunda-feira (20)
Publicidade
Publicidade