Publicidade

Partidos acumulam multas eleitorais, mas lançam candidatos às urnas

Apesar do calote à Justiça Eleitoral, siglas ainda lançam candidaturas e mantém diretórios em funcionamento

Partidos acumulam multas eleitorais, mas lançam candidatos às urnas
Partidos acumulam multas eleitorais, mas lançam candidatos às urnas
Publicidade
As multas eleitorais de partidos na Justiça não impedem que as siglas lancem candidatos às urnas e continuem operando no sistema político. Ao todo, as legendas reúnem cerca de R$ 130 milhões em débitos eleitorais na dívida ativa, entre os diretórios nacionais, estaduais e municipais. Os dados são da Procuradoria-Geral da Fazenda (PGFN). 

O montante se refere apenas às dívidas ativas, ou seja, atualmente em cobrança. Não entram na lista os débitos que foram negociados, parcelados ou estejam em discussão judicial. Apesar dos partidos serem unificados, os diretórios regionais têm autonomia por lei para lidarem com as próprias contas. 

Atualmente, o líder dos partidos devedores é o PDT de Carlos Lupi, com R$ 16 milhões. A expectativa do partido é que sejam lançados neste ano mil candidatos às prefeituras, 800 a vice e até 25 mil nomes a vereador. A maior parte do débito da legenda é da Comissão Provisória Municipal de Campinas, com R$ 1,9 milhão. 

O vice-presidente da comissão, Flamínio Neto, informou que parte das multas foram parceladas e estão sendo pagas. "Teve uma grande multa de anos atrás que foi dada para uma coligação com vários partidos. Nos reunimos, parcelamos, e estamos finalizando o pagamento. Só essa multa era de quase R$ 200 mil, faltam agora R$ 20 mil. Outra parte foi parcelada pela Nacional". 

Calote à União
Principal partido da oposição ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), o PT é o segundo partido com maior calote à União. As dívidas somam R$ 15.329.197,21. Só do diretório paraense são R$ 1,2 milhão. Apesar dos débitos eleitorais, a sigla disparou no número de nomes ao pleito e a estimativa é que sejam lançados 1,6 mil candidatos a prefeito em todo o país -- 59% a mais em relação às eleições de 2016.

O PTB, legenda comandada por Roberto Jefferson, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo do mensalão, é o terceiro na lista dos devedores. O déficit ultrapassa os R$ 14,7 milhões, segundo dados da PGFN. O PSB vem em seguida, na quarta posição no ranking, com R$ 13,8 milhões em multas. A maior parcela de dívidas vem do diretório nacional, com R$ 4 mi. 

Já o PSL, sigla que elegeu Bolsonaro em 2018, acumula R$ 4,8 milhões na dívida ativa. A previsão é que o partido chegue às disputas municipais com 938 candidatos a prefeito -- um número 561% acima do de 2016. Apesar do chefe do Executivo ter deixado a sigla após problemas com o presidente dela, o deputado federal Luciano Bivar (PE), os políticos ainda tentarão colar nos bons resultados de pesquisa do presidente da República e no discurso antiesquerda. 

Desorganização
Para o professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), Pablo Holmes, o fato da maioria dos partidos não seguirem a legislação e estarem inadimplentes com o Estado é resultado da falta de organização interna das legendas, o que as tornam extremamente "frágeis".

"Pessoas muito poderosas controlam a máquina partidária, como é o caso do PTB e do próprio PSL, presidida por Luciano Bivar. Eles montam um estatuto de forma a controlar a legenda. Também há partidos que têm uma briga interna, como é o caso do MDB. Então somam-se à falta de estrutura dos partidos, uma legislação que é razoavelmente rígida", explica.

Como a maioria das siglas está inadimplente, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fica em uma situação delicada, avalia Holmes. Isso porque, sem partido político não há democracia: "É um impasse estrutural, uma desinstitucionalização dos partidos. A lei eleitoral muda a cada eleição e uma parte dela é aplicada, outra não. O TSE fica encurralado". 





Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
eleicoes
gabriela-vinhal
multa eleitoral

Últimas notícias

Mega-Sena não tem ganhadores e prêmio chega a R$ 47 milhões

Mega-Sena não tem ganhadores e prêmio chega a R$ 47 milhões

Prêmio acumulado será sorteado no sábado (15)
Brasília tem manifestação contra PL que equipara aborto ao crime de homicídio

Brasília tem manifestação contra PL que equipara aborto ao crime de homicídio

Grupo se reuniu em frente ao Museu Nacional da República, na Esplanada dos Ministérios, na noite desta quinta (13)
Mulher fica sem roupa em aeroporto após ser impedida de embarcar; veja vídeo

Mulher fica sem roupa em aeroporto após ser impedida de embarcar; veja vídeo

Ela estava prestes a pegar um voo de volta para o Vietnã quando se revoltou e tirou as roupas
Vítimas de violência doméstica serão prioridade em cirurgia reparadora no SUS

Vítimas de violência doméstica serão prioridade em cirurgia reparadora no SUS

A atualização na Lei Maria da Penha já garantia o direito ao procedimento e, agora, assegura a preferência na fila de espera
Na contagem regressiva para as Olimpíadas, atletas revelam ansiedade para as competições

Na contagem regressiva para as Olimpíadas, atletas revelam ansiedade para as competições

São 241 vagas garantidas para o Brasil e 219 atletas já estão classificados, sendo 127 mulheres, 85 homens e sete pessoas do hipismo, com gênero a definir
Yasmin Aparecida: família cai em golpe e perde R$ 2 milhões arrecadados para tratamento

Yasmin Aparecida: família cai em golpe e perde R$ 2 milhões arrecadados para tratamento

Menina de 11 anos foi diagnosticada com neuroblastoma -- um tipo de câncer raro, que cresce em partes do sistema nervoso ou nas glândulas adrenais
Número de refugiados no Brasil mais que dobrou em um ano, diz Ministério da Justiça

Número de refugiados no Brasil mais que dobrou em um ano, diz Ministério da Justiça

Segundo o órgão, a maioria é de origem venezuelana
Pacheco diz que aborto é diferente de homicídio e defende discussão longa no Senado

Pacheco diz que aborto é diferente de homicídio e defende discussão longa no Senado

Presidente da Casa negou possibilidade de que projeto passe com urgência, se chegar para análise dos senadores
Críticas contra PL que iguala aborto a homicídio invadem redes sociais

Críticas contra PL que iguala aborto a homicídio invadem redes sociais

Hashtags #PLdoEstuproNão e #CriançaNãoÉMãe ficaram entre os assuntos mais comentados do X nesta quinta (13)
Deputadas de esquerda e de direita debatem aborto após estupro

Deputadas de esquerda e de direita debatem aborto após estupro

Discussão entre Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Franciane Bayer (Republicanos-RS) ocorre em meio a aprovação da urgência de projeto de lei na Câmara sobre o tema
Publicidade
Publicidade