Publicidade

"Inflação do aluguel é apelido": IGP-M não é obrigatório nos contratos

Especialistas comentam que o brasileiro se acostumou a usar o índice nos reajustes, mas pode e deve negociar

"Inflação do aluguel é apelido": IGP-M não é obrigatório nos contratos
Publicidade

Saiu o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) do mês de novembro. Nesta 4ª feira (29.nov), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou que a inflação medida por este indicador subiu 0,59%. Mais do que os 0,5% do mês de outubro e muito mais do que em novembro do ano passado, que teve queda de 0,56%. Até aí, tudo faz parte do jogo. O curioso é que, mais uma vez, houve quem chamasse -- inclusive veículos de imprensa -- esta medida dos preços de "inflação do aluguel", como se o IGP-M fosse o indicador "oficial" pra se reajustar os contratos entre inquilinos e proprietários. Só que não é.

" Inflação do aluguel é um apelido que deram ao IGP-M, muito tempo atrás, e que o brasileiro se acostumou a usar mesmo com o passar do tempo", classifica Marcelo Tapai, especialista em direito imobiliário e sócio do Tapai Advogados. 

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Parte e parte

Não há nenhuma lei que exija que o índice da FGV seja obrigatório nos entendimentos entre quem é dono de imóvel e quem quer morar neles - por tempo definido. Na prática, o IGP-M passou a ser usado e "foi ficando". "Antes do Plano Real (1994) as curvas do IPCA e do IGPM eram praticamente idênticas pra medir a inflação", conta o professor da FGV/RJ, André Braz, coordenador dos índices de preços da Fundação. Confira o gráfico entre os dois indicadores disponibilizado pelo professor Braz: 

IVAR

É importante lembrar que, antes do Real, a inflação passava da casa dos 'milhares por cento': no gráfico, em maio de 1990 ela beira 7.000,00% tanto no IGP-M quanto no IPCA. E assim foi até o plano mostrar sua capacidade para domar os preços, nos anos seguintes. Por que então escolher o IGP e não o outro ?

" O IGP-M tinha umas vantagens: sempre divulgado no penúltimo dia útil do mês [como é até hoje], vários dias antes do IPCA, logo, era mais rápido calcular os reajustes dos contratos; era um índice de uma instituição privada [FGV] e não pública. Muita gente considera os indicadores públicos vulneráveis a incorreções, o que é obviamente uma avaliação injusta. De qualquer forma, não seria o caso do IGP" , explica André Braz, FGV  

De lá pra cá

Debelada a inflação, os índices se separaram e bem. O IPCA mais voltado aos preços ao consumidor, e o IGP-M com muita influência de mercados baseados em dólar, como o de commodities minerais (cobre, alumínio) e agrícolas (milho, algodão, café) que acompanham preços internacionais e, por isso, 'importam' custos de fora do país para o índice. Resultado, o IGP-M frequentemente fica muito maior do que o IPCA. Um exemplo ocorreu no auge da pandemia. O IGP chegou a bater 37,04% em 12 meses, a maior marca em 26 anos [até então], enquanto o IPCA estava em 3,22% estocados no mesmo período de 12 meses - que é a medida sempre usada para atualizar os contratos. 

Tanto os dois índices mencionados quanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC - IBGE), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC - Fipe/USP) e outros poderiam ser adotados em qualquer contrato de locação - tanto entre pessoas físicas quanto jurídicas. E aí os especialistas no tema apontam um elemento que é considerado obrigatório, este sim, em qualquer acordo: o entendimento entre os dois 'lados do balcão'. " As partes têm que entrar numa negociação. Qualquer índice acordo entre ambos pode ser usado. Só não pode ser vinculado ao dolar e ao salário-mínimo", aponta Marcelo Tapai.
Botar na mesas as condições mais honestas para cobrar e para mostrar a capacidade de pagamento do aluguel é o caminho apontado com mais frequência pelos especialistas. Um exemplo de aplicação ocorre quando, por exemplo, um contrato com base no IGP-M chega ao período de reajuste após um ano em que o índice registra uma deflação, uma queda explícita de preços. Seria o caso agora. Veja o gráfico abaixo. 

Inflação do aluguel

De novembro do ano passado pra cá, o IGP-M acumula queda de 3,46% - a mais intensa deste ano. Seria de se esperar uma redução no preço do aluguel? Até pode ser, mas como sempre, o melhor caminho é buscar um acordo com o proprietário: de forma geral, pode até não sair um abatimento, mas fica bem equilibrado se não houver reajuste nem pra mais nem pra menos. A tendência é que, assim, seja possível atender ao proprietário e a quem aluga o imóvel. E tática semelhante pode funcionar a qualquer tempo. " Nada impede que durante o contrato as partes negociem. Seja qual ponto for, mantida a razoabilidade, tudo pode ser discutido a qualque tempo. Só é indispensável observar que, aquilo que for firmado em discussão entre os dois lados deverá ser aditado em contrato e, a seguir, deverá ser cumprido", afirma Tapai. 

A acrescentar

A partir do início de 2019, a Fundação Getúlio Vargas elaborou um novo índice, focado especificamente no mercado imobiliário. O Índice de Variação de Alugueis Residenciais (IVAR). Ele se baseia objetivamente em valores que constem de contratos definidos entre locatários e locadores, e não em anúncios de vagas, por exemplo. A busca é por dar exatidão aos cálculos e preços a serem cobrados e, ao mesmo tempo, não alimentar a inflação e os exageros de mercado. 

" É importante que se busque, de parte a parte, estimular a economia a se desindexar, não deixar pressões para os preços do futuro -que são sempre repassadas na forma de alta do custo de vida. Quanto mais preciso for o índice ao acompanhar o que é praticado no mercado, mais importante a contribuição, para não dar fôlego à inflação e ajudar inquilinos e proprietários a se encontrarem e a se entender" - André Braz, FGV

Leia também 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
noticias
igp-m
inflação
aluguel
fgv
economia
guto abranches

Últimas notícias

Uma em cada oito crianças no mundo sofre com obesidade

Uma em cada oito crianças no mundo sofre com obesidade

Além dos obesos, a pesquisa constatou que 43% dos adultos do mundo estão com sobrepeso
Mosquito da dengue oferece risco também a cachorros e gatos

Mosquito da dengue oferece risco também a cachorros e gatos

Aedes aegypti pode transmitir aos pets doença conhecida como 'verme do coração'; conheça sintomas e tratamento
José Dirceu deve ter alta hospitalar neste sábado

José Dirceu deve ter alta hospitalar neste sábado

Político está internado desde o dia 25 de fevereiro por causa de uma pneumonia
Brasil volta a ser top 10 das maiores economias do mundo com PIB de 2023

Brasil volta a ser top 10 das maiores economias do mundo com PIB de 2023

País ocupa atualmente a 9ª colocação, à frente de Canadá, Rússia e Austrália. Confira lista
Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Dois ministros do STM consideraram homicídio culposo a ação do Exército que teve 257 tiros de fuzil e resultou em duas mortes
Mistura de biodiesel no diesel sobe para 14% a partir desta sexta

Mistura de biodiesel no diesel sobe para 14% a partir desta sexta

Combinação evita a emissão de 5 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera
Aumento de casos de doenças como a dengue deve causar impacto de até R$ 20 bilhões no PIB

Aumento de casos de doenças como a dengue deve causar impacto de até R$ 20 bilhões no PIB

País pode fechar o ano com mais de quatro milhões de infectados por arboviroses
Belo Horizonte inaugura hospital de campanha para atendimento de pacientes com dengue

Belo Horizonte inaugura hospital de campanha para atendimento de pacientes com dengue

Minas Gerais é o estado com o maior número de casos prováveis da doença
Polícia prende 23 pessoas que aplicavam golpes em comerciantes de sete estados

Polícia prende 23 pessoas que aplicavam golpes em comerciantes de sete estados

"Central de telemarketing do crime" funcionava em São Paulo; idosos eram vítimas preferidas
Associações médicas do Brasil vão enviar manifesto sobre péssima qualidade do ar para Marina Silva e Conama

Associações médicas do Brasil vão enviar manifesto sobre péssima qualidade do ar para Marina Silva e Conama

No Brasil, a poluição atmosférica mata mais de 50 mil pessoas por ano, eleva o número de internações hospitalares e gera custos ao sistema público de saúde, diz pesquisa
Publicidade
Publicidade