Publicidade

Com hospitais alagados, gestantes e recém-nascidos são atendidos em abrigos no RS

Uma das crianças atendidas tem 11 dias de vida e nem chegou a usar o enxoval, que foi totalmente perdido nas enchentes

Com hospitais alagados, gestantes e recém-nascidos são atendidos em abrigos no RS
Gestantes e recém-nascidos recebem atendimento em abrigos | Reprodução
Publicidade

A história da pequena Kinberli, de apenas onze dias de vida, ilustra a importância da dedicação de médicos voluntários nas enchentes do Rio Grande do Sul. Ela estava prestes a nascer quando a casa da família foi tomada pela água. Tudo foi perdido, inclusive o enxoval, que a bebê nem chegou a usar. Agora, mãe e filha recebem atendimento no abrigo improvisado dentro de uma sala de aula, em Canoas (RS), enquanto a maioria dos hospitais e unidades de saúde continua debaixo d’água.

“Já tinha comprado roupinha. Fizemos um chá de fralda três dias antes de acontecer tudo isso. E, no fim, acabamos perdendo tudo. Já tinha gasto até R$ 1.500 comprando berço, bebê conforto. E no fim, a água levou tudo”, lamenta o pai, o antônimo Lucas da Silva Coelho.

“Fiquei com muito medo mesmo”, revela a estudante Agatha dos Santos, mãe de Kinberli. “Eu quero que abaixe, eu quero voltar pra casa uma vez. Só isso”, deseja a estudante.

+ Base aérea de Canoas é liberada para voos comerciais

Agatha e Kinberli são atendidas pela obstetra Juliana Maciel de Mesquita. A médica saiu do Ceará para o Rio Grande do Sul para servir como voluntária nos abrigos. Ela elogia a perseverança da família de Kinberli. “Os três, na verdade, estão super bem. Todo mundo em um pós-parto tranquilo. Ela [Agatha] está seguindo as orientações que recebeu no hospital direitinho, a amamentação está perfeita”, afirma a médica, lembrando que, nos próximos dias, é fundamental a família se vincular a uma unidade básica de saúde da região para continuar recebendo atendimento médico.

O trabalho voluntário do qual Juliana faz parte é organizado pelo grupo SOS Obstetrizes. A equipe é formada por profissionais de diferentes áreas, incluindo enfermeiras e assistentes.

“A gente está fazendo um mapeamento das gestantes que estão no município, em que abrigos estão, o que está acontecendo, para poder depois dar andamento nos pré-natais. As [pacientes] de alto risco a gente encaminha ao hospital universitário”, explica a coordenadora do grupo, Elísia da Silva Ramos.

Números

De acordo com as autoridades locais, 18 mil pessoas estão em 79 abrigos em Canoas. Pelo menos 44 delas são gestantes. Elas estão sendo atendidas principalmente em salas de aula como a que se tornou o lar provisória da família de Kinberli. Isso porque a maioria das unidades de saúde da cidade seguem inundadas.

“Das 27 unidades que nós tínhamos inicialmente, hoje estão em funcionamento apenas oito. Segunda-feira (20) nós iremos abrir mais duas unidades”, esclarece a secretária-adjunta de Saúde do município, Caroline Schirmers.

Caroline informa que, além dos voluntários, as equipes de saúde da cidade têm se empenhado para manter os atendimentos mesmo nos abrigos. Mas encontram dificuldades em razão das transferências de pessoas de um abrigo para outro. “Esse acompanhamento acaba sendo um pouco prejudicado, porque a gente tem uma mobilidade nos abrigos”, lamenta.

Expectativa

A dona de casa Jéssica Beatriz Gonçalves é uma das gestantes atendidas. Está de 31 semanas. A exemplo de muitas outras mães, perdeu casa e tudo o que tinha. Uma das consequências foram os atrasos das consultas pré-natais. Mas, graças às voluntárias do SOS Obstetrizes, os exames foram colocados em dia.

“Maravilhoso que eu vou conseguir agora fazer tudo direitinho, vou conseguir passar no médico, ser atendida. Fazer exame todo o tempo ficou bem mais tranquilo”, comemora, enquanto aguarda, ansiosamente, o dia do parto.
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Chuva
Abrigo
Calamidade pública
Rio Grande do Sul
Grávida
Gestantes e puérperas

Últimas notícias

Dez trabalhadores são regatados pela PF em situação análoga a escravidão no Mato Grosso do Sul

Dez trabalhadores são regatados pela PF em situação análoga a escravidão no Mato Grosso do Sul

Ação durou pouco mais de duas semanas em propriedades rurais na região do Pantanal
Deputada cassada por fazer harmonização com dinheiro público diz que provas foram forjadas

Deputada cassada por fazer harmonização com dinheiro público diz que provas foram forjadas

Silvia Waiãpi é acusada de utilizar recursos do Fundo Campanha para pagar o procedimento. Confira entrevista ao Poder Expresso
Governo define regras mais rígidas para distribuidoras de energia

Governo define regras mais rígidas para distribuidoras de energia

Segundo as novas normas, a satisfação do consumidor será um dos critérios de avaliação
Polícia do DF prende suspeitos de chefiar quadrilha que realizava falsos sequestros

Polícia do DF prende suspeitos de chefiar quadrilha que realizava falsos sequestros

Segundo as investigações, o grupo atuava em 15 estados
Vídeo: deputada é flagrada derramando água dentro da bolsa de colega nos EUA

Vídeo: deputada é flagrada derramando água dentro da bolsa de colega nos EUA

"Por cinco meses, passei por isso", desabafou parlamentar que teve a bolsa encharcada
Polícia Federal prende quadrilha suspeita de fraudes bancárias

Polícia Federal prende quadrilha suspeita de fraudes bancárias

Prisões foram em cinco diferentes cidades do estado de São Paulo
Dólar atinge R$ 5,46, maior valor em um ano e meio

Dólar atinge R$ 5,46, maior valor em um ano e meio

Alta acontece após críticas do presidente Lula à decisão do Copom de manter taxa de juros
Idosa de 105 anos recebe seu diploma de mestrado 83 anos após iniciar os estudos

Idosa de 105 anos recebe seu diploma de mestrado 83 anos após iniciar os estudos

Virginia precisou largar os estudos para casar com seu namorado da época, que foi chamado para servir na Segunda Guerra Mundial
Ronnie Lessa passa 1ª noite em presídio de SP, onde será monitorado dia e noite

Ronnie Lessa passa 1ª noite em presídio de SP, onde será monitorado dia e noite

Assassino confesso de Marielle Franco, em 2018, foi transferido de presídio federal em MS, como benefício da delação
Toffoli abre terceira via e STF adia decisão sobre descriminalização da maconha

Toffoli abre terceira via e STF adia decisão sobre descriminalização da maconha

Para o ministro, o porte da erva para consumo próprio já não tem natureza criminal. Julgamento continua na próxima terça (26)
Publicidade
Publicidade