Publicidade

Associações médicas do Brasil vão enviar manifesto sobre péssima qualidade do ar para Marina Silva e Conama

No Brasil, a poluição atmosférica mata mais de 50 mil pessoas por ano, eleva o número de internações hospitalares e gera custos ao sistema público de saúde, diz pesquisa

Associações médicas do Brasil vão enviar manifesto sobre péssima qualidade do ar para Marina Silva e Conama
Publicidade

A Associação Médica Brasileira (AMB), a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e pelo menos mais 15 associações e federações, em um movimento intitulado Médicos pelo Ar Limpo, vão lançar um manifesto sobre a qualidade do ar e se reunir com o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), na próxima segunda-feira (04) e terça-feira (05), em Brasília.

Com exclusividade ao SBT News, o manifesto direcionado à ministra do Meio Ambiente e Mudança dos Clima (MMA), Marina Silva, e aos integrantes do Conama clama pela definição de padrões seguros e prazos para alcançar a qualidade do ar, visando assegurar a defesa constitucional da saúde pública. Confira a íntegra do manifesto no final da reportagem.

No Brasil, a poluição atmosférica mata mais de 50 mil pessoas por ano, eleva o número de internações hospitalares e gera custos ao sistema público de saúde, segundo um estudo coordenado pela World Resources Institude (WRI), publicado em 2021.

Reivindicação

O movimento cobra ao Conama e o ministério a revisão da Resolução 491/2018, que estabeleceu os padrões de qualidade do ar no país.

Segundo os Médicos pelo Ar Limpo, a resolução, além de ter fixado parâmetros permissivos, pecou ao deixar de estabelecer prazos para metas gradativas às Diretrizes da Qualidade do Ar da Organização Mundial de Saúde (OMS).

A Procuradoria Geral da República (PGR), com apoio do Grupo de Trabalho de Qualidade do Ar do Ministério Público Federal (MPF), judicializou o caso, alegando que a Resolução não garantia de maneira satisfatória o direito fundamental à saúde e ao meio ambiente.

O Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu a ação, mas solicitou ao Conama a revisão da resolução em até 24 meses, que se encerra em agosto, visando promover as garantias mínimas e respeitar a OMS.

Para a diretora do Instituto Ar e embaixadora da iniciativa, Evangelina Araújo, a resolução ficou em discussão durante sete anos no Conama e foi aprovada em 2018 sem a devida proteção à saúde. “Agora, em 2024, após 6 anos em vigor, não avançou em nenhuma meta, justamente porque não há prazos. Essa é a prova de que a norma atual é ineficiente para a salvaguarda da saúde”, protesta.

O que diz o MMA

Em nota ao SBT News, o MMA afirmou que " a revisão da Resolução nº 491/2018 é prioridade máxima da pasta após paralisação no governo anterior. A proposta de inclusão de revisão da Resolução foi enviada pelo Ministério e prontamente admitida pelo Comitê de Admissibilidade do Conselho Nacional do Meio Ambiente em 2023, que encaminhou a matéria para a Câmara Técnica de Qualidade Ambiental. Em sua primeira reunião, a Câmara decidiu criar um Grupo de Trabalho dedicado à revisão da 491/2018.

Coordenado pela Secretaria Nacional de Meio Ambiente Urbano e Qualidade Ambiental, o GT é composto por especialistas do governo federal, estadual, municipal, academia, setor privado, Ministério Público e sociedade civil.

Nos últimos dois meses, o GT já se reuniu três vezes. A quarta e última reunião será nos dias 4 e 5 de março, no MMA. A expectativa é concluir a minuta de resolução 491/2018 para ser enviada à Câmara Técnica de Qualidade Ambiental para deliberação ainda em março de 2024. O objetivo é que o tema entre na pauta do Conama para aprovação em agosto, antes do prazo estabelecido pelo Supremo para a revisão da resolução 491/2018".

Manifesto

Carta aberta à Ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima e aos integrantes do Conselho Nacional do Meio Ambiente

Assunto: Revisão da Resolução Conama nº 491/2018 e a necessidade do estabelecimento de prazos para o atingimento dos padrões nacionais de qualidade do ar segundo índices recomendados pela OMS, bem como a atualização dos episódios críticos de qualidade do ar.

Excelentíssima Senhora

Marina Silva

Ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima

Brasília, 4 de março de 2024.

Somos os Médicos pelo Ar Limpo. Juntamo-nos pela defesa da qualidade do ar no embate à maior ameaça à saúde global enfrentada pela humanidade: a mudança do clima. A poluição do ar e a mudança do clima, juntas, foram elencadas como a primeira entre as 10 emergências globais em saúde da Organização Mundial de Saúde. Assim, devemos enfrentá-las para garantir a saúde e o bem-estar dos brasileiros, bem como a preservação do meio ambiente em todo o território nacional.

Neste momento, enquanto o Conselho Nacional do Meio Ambiente discute a revisão da Resolução CONAMA 491/2018, que estabelece os padrões de qualidade do ar no país, viemos clamar pela definição de padrões seguros e protetivos e prazos para alcançá-los, bem como a atualização dos episódios críticos, visando assegurar a defesa constitucional da saúde de nossa população o mais rapidamente possível. Após sete anos de debate e aprovada em 2018, a Resolução encontra-se diante de uma oportunidade ímpar de aprimoramento. A Ação de Inconstitucionalidade (ADI 6148/2019), proposta pela Procuradoria Geral da República ao Supremo Tribunal Federal e julgada em 2022, resultou na determinação de revisão da Resolução no prazo de 24 meses, com o objetivo de garantir a efetividade dos direitos fundamentais. Acreditamos que essa decisão só pode ser plenamente alcançada com a inclusão de prazos claros e bem definidos para atingirmos os níveis mais seguros de qualidade do ar, como recomenda a OMS.

Vale ressaltar que, segundo dados do Instituto Ar, em comparação com 12 outros países, o Brasil ocupa o 3º pior lugar no ranking de padrões de qualidade do ar atuais para material particulado (MP2,5) na atmosfera, ao lado da Índia. Apenas China e Argentina apresentam legislações mais permissivas à poluição. É crucial destacar que embora a maioria dos países analisados ainda apresentem padrões nacionais elevados, em suas legislações vigentes já definem prazos para o aprimoramento gradual dos padrões, com o objetivo final de alcançar as diretrizes da OMS. Nosso país está defasado nesse quesito, com uma legislação superior apenas à de países asiáticos.

Ademais, os níveis de concentração de poluentes considerados episódios críticos de alerta, atenção e emergência - fundamentais para informação e tomada de ações imediatas e protetivas à população - encontram-se defasados em relação a seis países pesquisados, que incluem, além dos EUA, França e Canadá, os da América Central, como Chile, Colômbia e México.

Acreditamos que a revisão da Resolução CONAMA 491/2018 é uma oportunidade histórica para o Brasil dar um passo significativo contra a poluição do ar e a mudança do clima, e garantir um futuro mais saudável para todos. Contamos com o firme compromisso de Vossa Excelência para que essa oportunidade seja aproveitada ao máximo.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Brasil
clima
Médico
Saúde
saúde pública
OMS
Associação Médica Brasileira

Últimas notícias

Brasil Agora: Lula minimiza queda de popularidade; Câmara aprova reestruturação do Perse

Brasil Agora: Lula minimiza queda de popularidade; Câmara aprova reestruturação do Perse

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta quarta-feira (24)
INSS começa a pagar 13º salário nesta quarta-feira (24); veja quem recebe

INSS começa a pagar 13º salário nesta quarta-feira (24); veja quem recebe

Primeira parcela do benefício deve contemplar mais de 33 milhões de segurados
Moraes autoriza nova investigação da PF sobre cartão de vacina de Bolsonaro

Moraes autoriza nova investigação da PF sobre cartão de vacina de Bolsonaro

Decisão atende pedido da PGR, que apura ligação com tentativa de golpe de Estado
Polícia vai investigar morte de cachorro embarcado em voo errado da Gol

Polícia vai investigar morte de cachorro embarcado em voo errado da Gol

Cão da raça golden retriever deveria ser levado para Mato Grosso, mas foi enviado por engano para o Ceará; viagem levou 8 horas
Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Chamas queimam desde o último domingo (21) em um dos maiores aterros da Índia; moradores relataram dificuldade para respirar
+Milionária sorteia prêmio de R$ 176 milhões nesta quarta-feira (24)

+Milionária sorteia prêmio de R$ 176 milhões nesta quarta-feira (24)

Apostas podem ser feitas até as 19h em casas lotéricas ou pela internet
Após meses de impasse, Congresso dos EUA aprova ajuda de R$ 60 bilhões à Ucrânia

Após meses de impasse, Congresso dos EUA aprova ajuda de R$ 60 bilhões à Ucrânia

Decisão foi comemorada por Biden e Zelensky; pacote também inclui envios para Israel e parceiros no Indo-Pacífico
SBT News na TV: Gol suspende transporte de animais por 30 dias após morte de cachorro

SBT News na TV: Gol suspende transporte de animais por 30 dias após morte de cachorro

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta quarta-feira (24); assista!
STF condena mais 11 pessoas por atos golpistas do 8/1 e total sobe para 207

STF condena mais 11 pessoas por atos golpistas do 8/1 e total sobe para 207

Penas foram fixadas entre 11 e 17 anos de prisão, além de R$ 30 milhões em danos morais coletivos
Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 6

Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 6

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimento virtualmente; depósito inclui Auxílio Gás
Publicidade
Publicidade