Publicidade

Escolas de Educação Infantil em São Paulo terão cartilha antirracista

Pesquisa aponta que metade dos professores já presenciou situações de racismo no ambiente escolar

Escolas de Educação Infantil em São Paulo terão cartilha antirracista
Publicidade

A Prefeitura de São Paulo lançou, nesta 3ª feira (22 mar), um currículo antirracista voltado para a educação infantil da capital paulista. Serão distribuídas 29,5 mil cartilhas que explicam sobre o racismo e abordam práticas que visam impedir o preconceito e promover igualdade e justiça social.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Também foi anunciada a compra de 128 mil bonecas e bonecos negros e migrantes para complementar a ação. O intuito é aproximar as crianças das culturas dos povos originários, como africanos e andinos. As bonecas estão divididas em kits compostos por três bonecos negros, três bonecas negras, um boneco andino, uma boneca andina e um boneco bebê negro.

De acordo com Tássio José da Silva, diretor da Divisão de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação, por muito tempo os brinquedos que eram disponibilizados para as crianças de zero a 5 anos e 11 meses na Educação Infantil eram permeados por uma indústria cultural que produzia bonecos brancos.

"Ou seja, a maioria da população é negra e essas crianças por muito tempo, e ainda hoje em muitos locais, não se sentem representadas nesses brinquedos", explica Tássio.

O lançamento da cartilha faz parte de uma política pública implementada por meio de parceria das secretarias municipais de Educação (SME) e Relações Internacionais (SMRI) para combater o racismo estrutural na sociedade a partir da educação.

O material foi criado coletivamente por profissionais de educação para possibilitar uma reflexão sobre as práticas educacionais e propor vivências antirracistas no município de São Paulo, com base na Lei nº 10.639/2003, que em 2023 completa 20 anos, a qual aponta obrigatoriedade do ensino da história e cultura africana e afro-brasileira nas escolas.

t
128 mil bonecos serão destinados para escolas de Educação Infantil de São Paulo | Divulgação / Prefeitura SP

Racismo em sala de aula

A pesquisa mais recente realizada pela Nova Escola, organização social focada em Educação, revela que mais da metade dos professores já presenciou situações de racismo no ambiente escolar. O estudo contemplou entrevistas com 1.847 educadores de todo o Brasil.

No geral, 53,2% dos profissionais pretos e pardos declararam ter presenciado situações de racismo na escola nos últimos 5 anos. Além disso, 23,71% dos professores negros alegam que já foram alvo de discriminação. Apesar de estar previsto em lei, 6 em cada 10 professores ouvidos pela pesquisa dizem que não sabem ou afirmam que não existem investimentos em ações relacionadas com o ensino de história e cultura afro-brasileira em suas escolas.

Para Ana Ligia Scachetti, diretora Executiva da Nova Escola, os educadores precisam estar preparados para trabalhar as questões raciais, culturais e de representatividade. "Não só próximo a datas como o Dia da Consciência Negra. Essa precisa ser uma pauta do ano todo, estruturada, e que faça parte do projeto político pedagógico da escola", diz Scachetti.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

racismo
educação
estudantes
bonecos
prefeitura
são paulo
antirracismo
mariana alonso
portalnews
sbtnews
educação infantil

Últimas notícias

FMI projeta crescimento de 3,2% para o PIB mundial em 2024

FMI projeta crescimento de 3,2% para o PIB mundial em 2024

Índia aparece em primeiro no ranking de países que mais devem crescer
Mais da metade dos alunos negros estuda sem biblioteca, quadra esportiva e laboratório no Brasil

Mais da metade dos alunos negros estuda sem biblioteca, quadra esportiva e laboratório no Brasil

Pesquisa comparou a infraestrutura de escolas em que predominam alunos brancos com unidades em que a maioria é de negros
Ataque russo atinge prédio residencial e deixa 10 mortos na Ucrânia

Ataque russo atinge prédio residencial e deixa 10 mortos na Ucrânia

Presidente Volodymyr Zelensky voltou a apelar pelo envio de sistemas de defesa aérea
Laudo diz que mulher acusada de envenenar parentes tinha “total consciência” de atos

Laudo diz que mulher acusada de envenenar parentes tinha “total consciência” de atos

Amanda Partata ofereceu alimentos envenenados a quatro pessoas e duas morreram; crime foi registrado em Goiânia, em dezembro do ano passado
Boulos recebe dois milhões de interações nas redes, ganhando de Tabata e Nunes

Boulos recebe dois milhões de interações nas redes, ganhando de Tabata e Nunes

No intervalo de 30 dias, o prefeito de São Paulo conseguiu 170 mil interações; militância de Bolsonaro ainda não aderiu a Nunes
FALSO: É falso que Lula tenha inaugurado obra da transposição do São Francisco já inaugurada por Bolsonaro

FALSO: É falso que Lula tenha inaugurado obra da transposição do São Francisco já inaugurada por Bolsonaro

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Mega-Sena acumula pela oitava vez e prêmio vai a R$ 72 milhões

Mega-Sena acumula pela oitava vez e prêmio vai a R$ 72 milhões

Apostas para o próximo concurso podem ser feitas até as 19h00 de quinta-feira (18)
Greve em universidades: governo espera chegar a acordo com professores na sexta-feira (19)

Greve em universidades: governo espera chegar a acordo com professores na sexta-feira (19)

Categoria reivindica reestruturação de carreira e recomposição salarial
Pagodeiro "proibidão" era "empresário" dos negócios ligados ao PCC, diz MP

Pagodeiro "proibidão" era "empresário" dos negócios ligados ao PCC, diz MP

Latrell Brito usava empresas dele e de laranjas para simular concorrência em contratações de prefeituras alvos da Operação Munditia
Brasil Agora: Lula na Colômbia, PEC antidrogas e cadáver em agência bancária

Brasil Agora: Lula na Colômbia, PEC antidrogas e cadáver em agência bancária

Confira essas e outras notícias que serão destaque nesta quarta-feira (16)
Publicidade
Publicidade