Publicidade

Novo Ensino Médio é alvo de críticas; Ubes cobra revogação do modelo

Ministério discorda e cria grupo para avaliar formato de educação

Novo Ensino Médio é alvo de críticas; Ubes cobra revogação do modelo
Alunos escrevendo, em sala de aula (Gabriel Jabur/Agência Brasília)
Publicidade

Nos últimos dias, publicações do Ministério da Educação (MEC) e do titular da pasta, Camilo Santana, no Twitter foram inundadas de comentários de usuários pedindo a revogação do Novo Ensino Médio (NEM). Além disso, houve publicações da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) pressionando pela revogação, e a entidade vem convocando protestos, para 15 de março, pela extinção imediata do NEM. Entretanto, o ministro disse na 6ª feira (3.mar) que "não é questão de revogar", e especialistas são contra acabar com o modelo.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

O NEM é um modelo de aprendizagem que começou a ser implementado em todo o país no ano passado e foi instituído pela lei da reforma do Ensino Médio - sancionada pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) em 2017. Com o Novo, todas as escolas do Brasil que ofertam a última fase da educação básica terão a carga horária mínima ampliada de 2.400 horas para 3.000 horas. Já o currículo destinará até 1.800 horas da carga horária à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e, no mínimo, 1.200 para os chamados itinerários formativos - espaço no qual os estudantes escolhem quais os conhecimentos em que vão se aprofundar.

Na avaliação da professora Tássia Cruz, doutora em economia da educação e gerente-executiva do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (Ceipe) da Fundação Getulio Vargas (FGV), o NEM não precisa ser revogado, mas sim melhorado, "tanto na estrutura quanto na implementação". Segundo ela, "o Ensino Médio no Brasil tem tido problemas graves de aprendizado. A gente não observa melhorias no aprendizado já há muitos anos nele".

Melhorias que vinham sendo observadas no Ensino Fundamental antes da pandemia, particularmente nos primeiros anos da etapa, ressalta, não chegavam aos estudantes da seguinte, "e a gente também observa altos índice de abandono escolar, que são questões que foram agravadas com a pandemia".

"Essas questões precisam ser lidadas com um Ensino Médio que trabalhe com cada estudante nas suas necessidades. O Médio hoje, sem a reforma, não faz isso, não é capaz de lidar com as necessidades dos jovens para irem para o Ensino Superior nem para a entrada no mercado de trabalho. Então é necessário, sim, uma reforma do Ensino Médio, e o que a atual reforma traz de flexibilizar o currículo eu considero muito positivo", complementa a professora.

O que precisa melhorar no NEM, avalia, é a execução dos itinerários formativos: "Para que essa flexibilização de fato represente um avanço, é necessário um maior investimento no apoio do Governo Federal principalmente aos estados e que esse apoio leve a melhorias nas formações dos professores, para que estes estejam capacitados para trabalhar os itinerários formativos, que eles estejam bem remunerados de forma que consigam ter maior dedicação para uma escola, em vez de precisarem trabalhar em várias para complementar a renda".

Segundo Tássia, como há professores não capacitados para atuar com os itinerários, o que tem sido dado em sala de aula a partir destes "muitas vezes é um esvaziamento, é algo muito genérico que não de fato cumpre com o objetivo [com o qual eles vêm] de apoiar, por exemplo, o estudante a pensar o seu futuro pós-Ensino Médio e como ele pode escolher as melhores ferramentas de formação para entrar no mercado de trabalho ou para entrar no Ensino Superior". Conforme a especialista, o apoio do Executivo federal na atual gestão está "muito incipiente" e na anterior não aconteceu.

A professora reforça que a flexibilização do currículo trazida pelo NEM "significa que os estudantes vão ter mais espaço para se aprofundarem em conteúdos de interesse", e isso, diz, se feita a melhoria necessária no modelo, lida com um problema existente no Ensino Médio no qual a etapa tem muito conteúdo, mas este não é aprofundado.

"Um problema que está muito associado ao abandono dos jovens do Ensino Médio vem da falta de conexão do jovem com a escola. Daqueles conteúdos não parecerem relevantes ou não serem apresentados de forma relevante para os estudantes. A flexibilização permite uma interdisciplinaridade em que um conteúdo que muitas vezes pode parecer que não faz nenhum sentido dentro do ensino de história, por exemplo, pode se tornar muito mais relevante se ele é trabalhado junto com artes, com a língua portuguesa, então a possibilidade de interdisciplinaridade tem um potencial, se bem implementado, de tornar a escola mais interessante, conectar a escola com o estudante", acrescenta Tássia.

A reforma, portanto, faz com que o próprio currículo passe a promover a interdisciplinaridade. A ONG Todos pela Educação, por sua vez, vê como bastante positivo o fato de o NEM ter em sua essência modificações na estrutura curricular e a expansão da carga horária, mas pontua que há problema tanto na implementação do Novo Ensino Médio como nas normativas dele.

"A gravíssima ausência de coordenação do Governo Federal nos últimos quatro anos deixou os estados à própria sorte, gerando uma implementação muito heterogênea e que, lamentavelmente, foi também prejudicada pela pandemia", fala Olavo Nogueira Filho, diretor-executivo da entidade. 

Já sobre os problemas nas normativas, cita quatro exemplos: "dissociação da mudança curricular ao avanço das escolas de tempo integral, o que em alguns casos tem gerado um achatamento curricular; referenciais nacionais para a construção dos itinerários formativos muito amplos, o que em alguns casos tem possibilitado o surgimento de trilhas esdrúxulas; o estabelecimento de um mínimo de dois itinerários por município, o que fragiliza a essência da reforma e abre um risco grande de aumento de desigualdades; e uma permissão absolutamente excessiva para o EAD (20%), o que pode resultar em precarização". 

"Então esses aspectos precisam ser revistos, ajustados, e entendemos que isso é possível de ser feito sem que tudo seja revogado", complementa. Ainda de acordo com o Todos pela Educação, o MEC deve organizar um diagnóstico "preciso e completo" da atual situação do NEM a partir do diálogo com as redes, os professores, os profissionais da educação e os estudantes.

"Infelizmente, devido à omissão do governo anterior, o debate público hoje não tem à sua disposição um diagnóstico minucioso, estado por estado, sobre os avanços e desafios desse processo. E esse diagnóstico mais robusto só pode vir de um esforço liderado pelo MEC, em parceria com as redes estaduais. Uma tomada de ação responsável pelo poder público exige esse mapeamento, que inclusive deve ser compartilhado de forma transparente com a sociedade", fala Olavo.

O Todos pela Educação ressalta também que, em sua avaliação, a reforma de 2017 não é uma reforma ampla nem traz de fato um novo Ensino Médio. Se o Brasil quiser uma etapa realmente ressignificada, afirma Olavo, será necessário abordar também outros aspectos, entre os quais infraestrutura escolar, dedicação integral do professor a uma única escola, gestão escolar, projeto pedagógico e valorização e formação docente.

Revogação

Em mensagem fixada em seu perfil no Twitter, a Ubes diz que "sempre foi pela revogação do NEM". 

O Novo Ensino Médio, pontua, não possui a infraestrutura necessária para oferta dos itinerários formativos além de Linguagens e Matemática e suas tecnologias, e "tem um viés totalmente neoliberal, que se mostra, por exemplo, por meio do itinerário formativo "Projeto de Vida", que nada mais é que um coaching e notório saber dos professores foi forçado pelo currículo".

Em entrevista a jornalistas, no Recife, em 3 de março, o ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou não ser questão de revogar o NEM e que ele está em andamento.

"O que nós estamos colocando, a decisão do ministério, nós estamos criando um grupo de trabalho e será oficializado por portaria, já determinei isso. Nós vamos reunir todos os setores para discutir, representantes de alunos, representantes de professores, secretários estaduais de Educação, de entidades de classe, para que a gente possa avaliar e corrigir e tomar as decisões que sejam necessárias", destacou.

De acordo com o titular do MEC, o desejo da pasta é garantir o melhor Ensino Médio para o Brasil. "Acho que o grande erro e equívoco foi a falta de diálogo que não ocorreu anteriormente. Então nós estamos querendo fazer pesquisa, consultas, se forem necessárias, online, para estudantes, professores, comunidade acadêmica, fazer seminários, mas reunir os estudiosos, para que a gente possa, por meio de uma discussão coletiva, melhorar e corrigir aquilo que precisa ser corrigido dentro do Ensino Médio", completou.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
brasil
educação
política
novo ensino médio
governo
revogação
revisão
ubes
protesto
mec
lei
currículo
flexível
escolha
estudantes
conhecimentos
problemas
implementação
guilherme-resck

Últimas notícias

Famoso em Paris, museu Pompidou vai abrir primeira filial no Brasil

Famoso em Paris, museu Pompidou vai abrir primeira filial no Brasil

Nova unidade, a primeira da instituição na América Latina, será instalada em Foz do Iguaçu, no Paraná
Preço médio do aluguel sobe 8% no primeiro semestre no Brasil; Brasília teve maior alta

Preço médio do aluguel sobe 8% no primeiro semestre no Brasil; Brasília teve maior alta

Índice de monitoramento da Fipe identificou aumento em 24 das 25 cidades avaliadas; reajustes superaram a inflação oficial
Vídeo feito por IA mostra encontro de famosos com suas versões jovens; veja

Vídeo feito por IA mostra encontro de famosos com suas versões jovens; veja

Michael Jackson, Will Smith, Paul Mccartney, entre outros, foram recriados abraçando suas versões mais novas
Anvisa confirma terceiro caso de malária em navio no Porto de Santos

Anvisa confirma terceiro caso de malária em navio no Porto de Santos

Infectados eram tripulantes de dois navios que chegaram do continente africano neste mês
Em meio a debate sobre autonomia do BC, Kajuru chama Campos Neto de ‘desprezível’ e ‘antibrasileiro’

Em meio a debate sobre autonomia do BC, Kajuru chama Campos Neto de ‘desprezível’ e ‘antibrasileiro’

Críticas foram feitas pelo senador durante sessão na CCJ que discutia PEC do BC
O que "Era uma Vez um Sonho", livro de J.D. Vance que virou filme, conta sobre o vice de Trump

O que "Era uma Vez um Sonho", livro de J.D. Vance que virou filme, conta sobre o vice de Trump

Busca por obras inspiradas na vida do senador de Ohio aumentaram drasticamente após anúncio do republicano na chapa presidencial
Força Nacional será enviada ao MS para atuar nos conflitos entre indígenas e fazendeiros

Força Nacional será enviada ao MS para atuar nos conflitos entre indígenas e fazendeiros

Autorização do Ministério da Justiça e Segurança Pública foi publicada nesta quarta
Prefeita de Paris mergulha no rio Sena para mostrar que há segurança para as provas dos Jogos Olímpicos

Prefeita de Paris mergulha no rio Sena para mostrar que há segurança para as provas dos Jogos Olímpicos

Anne Hidalgo tenta garantir condições para banho que estão previstas provas aquáticas na capital francesa
Carlos Viana tira licença do Senado para disputar prefeitura de Belo Horizonte

Carlos Viana tira licença do Senado para disputar prefeitura de Belo Horizonte

Pesquisa mostra Viana com 8% das intenções de voto para prefeito da capital mineira nas eleições deste ano
Poder Expresso: Bolsonaro mantém apoio a Ramagem após divulgação de áudio

Poder Expresso: Bolsonaro mantém apoio a Ramagem após divulgação de áudio

Esta edição também analisa a primeira pesquisa de Trump x Biden após atentado e votações no Congresso que ficaram para depois do recesso
Publicidade
Publicidade