Publicidade

"Escritório do crime" operado por chineses é investigado pela PF

Polícia Federal apura esquema de lavagem de dinheiro com criptomoedas que movimentou bilhões de reais

"Escritório do crime" operado por chineses é investigado pela PF
Publicidade

No sistema de inteligência da Polícia Federal, o nome do principal alvo da investigação consta como Hanran Guo. A identidade falsa foi assumida pelo chinês Jiamin Zhang para conseguir entrar legalmente no Brasil e se estabelecer no Brás, centro de São Paulo, bairro onde está a sede da empresa de importação da qual é proprietário. Os negócios dele, no entanto, vão além. De acordo com a PF, Zhang é o líder de um esquema de lavagem de dinheiro com o uso de criptomoedas que pode ter movimentado bilhões de reais. 

O negócio operado por Zhang funcionava como uma espécie de instituição financeira paralela - chamada por agentes da PF de "escritório central dos chineses". Movimentações financeiras de fachada eram realizadas para ocultar quem era os verdadeiros donos do dinheiro. Além das operações por dólar cabo, na qual o dinheiro é enviado para outros países sem o controle dos órgãos de controle brasileiros, também eram utilizados bitcoins. 

+ Polícia Federal e FAB interceptam aeronave com 579 kg de cocaína

A falta de regulamentação facilita a vida das organizações criminosas. "Como essas corretoras não têm nenhum compromisso com a questão da lavagem de dinheiro e não há regulamentação do Banco Central, alguns criminosos têm o conhecimento disso e utilizam da expertise para lavar o dinheiro de maneira mais fácil e longe dos olhos das autoridades", explica Fabrizio Galli, delegado da Polícia Federal . 

Foram identificadas 74 empresas ligadas a Zhang que podem ter sido utilizadas para ocultar a origem do dinheiro do crime. O nome do chinês apareceu pela primeira vez em em uma investigação de 2017 sobre a atuação do narcotraficante Marino Brum. Ele é acusado de trazer ao Brasil toneladas de cocaína vindas da Colômbia, Bolívia e Paraguai. Do território brasileiro, a droga era enviada para a Europa por portos da região sul do país. Parte desse entorpecente pertencia ao Primeiro Comando da Capital, a maior facção criminosa do país. 

Mas, segundo a PF, não eram só quantias do tráfico de drogas que passavam pelas mãos da quadrilha de Zhang. Dinheiro obtido com a venda de cigarros contrabandeados do Paraguai e produtos falsificados vendidos na região central de São Paulo também eram convertidos em criptomoedas. 

Relatórios produzidos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) indicam que as empresas de fachada ligadas ao grupo de Zhang podem ter movimentado mais de 33 bilhões de reais. O chinês está preso e cumpre pena em regime domiciliar.

Assista à reportagem completa do SBT Brasil:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
brasil
polícia federal
criptomoedas
hanran guo
jiamin zhang

Últimas notícias

Comissão de Valores Mobiliários abre 60 vagas para concurso com salário de R$ 21 mil

Comissão de Valores Mobiliários abre 60 vagas para concurso com salário de R$ 21 mil

São dois cargos com diferentes especialidades para atuar no Rio e em São Paulo; taxa de inscrição é de R$ 145
Facção carioca é suspeita de ameaçar moradores e cometer crimes contra policiais no Pirambu, em Fortaleza

Facção carioca é suspeita de ameaçar moradores e cometer crimes contra policiais no Pirambu, em Fortaleza

Imagens compartilhadas nas redes sociais mostram os momentos de terror vividos pelos moradores. Troca de tiros entre grupos rivais por disputas de territórios costuma ser frequente no local
Mulher branca tem liberdade concedida após crime de racismo no RJ

Mulher branca tem liberdade concedida após crime de racismo no RJ

Presa chamou pessoas em supermercado de “negrada” e estava com a mãe; jornalista foi alvo de ofensas racistas em Nova Iguaçu
Vereador do PL é denunciado por homicídio pelo Ministério Público

Vereador do PL é denunciado por homicídio pelo Ministério Público

Político conhecido como “Neto Carneiro”, eleito em cidade no interior do Ceará, é apontado como mandante de assassinato
União Europeia aprova 13º pacote de sanções contra Rússia

União Europeia aprova 13º pacote de sanções contra Rússia

Medida inclui mais 200 entidades e indivíduos na lista de restrições; decisão ocorre dias antes da guerra na Ucrânia completar dois anos
Amazônia registra décimo mês consecutivo de redução do desmatamento, diz Imazon

Amazônia registra décimo mês consecutivo de redução do desmatamento, diz Imazon

Bioma perdeu 79 km² de floresta em janeiro; Roraima, Mato Grosso e Pará lideram ranking de devastação
Ex-jogador Daniel Alves é convocado para tribunal em Barcelona

Ex-jogador Daniel Alves é convocado para tribunal em Barcelona

Outros envolvidos no processo também receberam intimações da Justiça espanhola; tribunal já pode ter redigido sentença
Disputa entre milicianos e traficantes na zona norte do Rio faz vítimas

Disputa entre milicianos e traficantes na zona norte do Rio faz vítimas

Prisão de “Zinho” intensificou onda de violência; mulher com filhas desmaiou após assalto
Empresários de 17 setores preparam ato no Congresso contra a reoneração da folha de pagamentos

Empresários de 17 setores preparam ato no Congresso contra a reoneração da folha de pagamentos

Movimento de grupos atingidos pela medida vai apresentar balanço mostrando que benefício gerou 215 mil empregos em 2023
Zelensky cobra países e diz que atraso na entrega de ajuda militar beneficia exército russo

Zelensky cobra países e diz que atraso na entrega de ajuda militar beneficia exército russo

Tropas de Moscou continuam avançando no território ucraniano após reivindicarem a cidade de Avdiivka
Publicidade
Publicidade