Publicidade

"Impedidos de viver": Joshua Strul relembra o Holocausto, 76 anos depois

Sobrevivente judeu, Strul deu entrevista ao SBT News pelo Dia Internacional da Lembrança do Holocausto

"Impedidos de viver": Joshua Strul relembra o Holocausto, 76 anos depois
Publicidade
"O céu ficou cinzento, uma tempestade intensa de neve caía. E nós ficamos esperando no frio, em um vento cortante. Por cinco horas em pé. Sem alimentos, sem água, sem nada". Com essas palavras, o sobrevivente do Holocausto Joshua Strul, hoje com 87 anos, conta como ele e a família aguardavam para embarcar em um trem que os levaria a um campo de concentração em 1942. Por sorte, ou como ele mesmo diz, intervenção divina, eles não embarcaram. Conseguiram sobreviver.

O mesmo não aconteceu com ao menos outras seis milhões de pessoas. Judeus, ciganos, homossexuais, negros, testemunhas de Jeová, deficientes e opositores políticos - em sua maioria comunistas - foram perseguidos. 

Em memória aos mortos neste período da história, 27 de janeiro foi adotado como o Dia Internacional da Lembrança do Holocausto. A data definida pela Organização das Nações Unidas, em 2005, levou em conta a libertação dos últimos presos do maior campo de extermínio do regime nazista: Auschwitz-Birkenau, na Polônia. Em 2021, comemoram-se 76 anos desse dia.
 

Joshua Strul ouviu relatos de libertos e soldados que estavam em Auschwitz. E conta nunca ter esquecido os horrores sobre câmaras de gás, frio e fome, que começavam antes mesmo do trajeto aos campos de concentração. "Dentro dos próprios vagões, ficavam quatro noites e três dias para chegar. Espremidos, fracos, velhos, sem ar e sem alimentos", conta. "Perderam toda a identidade de pessoas. Não eram chamados pelos nomes, eram tatuados com simples números".

Strul não foi para um campo. Mas passou dois anos em um gueto em Baciu, na Romênia, ao lado da família. Ele tinha 9 anos quando determinaram que o pai abandonasse a loja de cereais que tinha e a família deixasse a casa na cidade para viver com outros judeus em barracos cobertos por folhas.

"No verão, era um calor inclemente. Suávamos como em uma sauna. No inverno, um frio glacial. Tremendo até os ossos". O romeno conta ter passado os dois anos sem sair de dentro do barraco, após ter apanhado na rua por usar a estrela de David junto à roupa. "Quando viram que eu sou judeu, me cercaram e xingaram de porco e sujo. Me bateram. E, desde então, minha mãe não deixava mais sair".
 

"Tudo era proibido para nós. Foram dias de angústia, não sabíamos o que seria no futuro. Saber que amanhã poderíamos não estar mais vivos era a nossa angústia".


Strul chegou a perder um irmão de 2 anos por inanição e diz não esquecer dos momentos de necessidade que passou com a família. Tudo de uma hora para outra. "Meu pai sofreu um decreto do governo que declarava confisco para todas as lojas de judeus. Fomos despojados de todos os bens, e tínhamos 24 horas para deixar a cidade". 

Lembra também que a família só não morreu de fome porque a mãe, Rosa Strul, trabalhava na casa de uma família e conseguia levar cascas de alimentos para casa. "Ela cortava a casca grossa e trazia na bolsa. De volta em casa, cozinhava e fazia sopa para vivermos mais um dia". À época, o pai, Fisher Strul, foi separado da família de 7 filhos e obrigado a trabalhar em construções da guerra. Ele também sobreviveu. 
 

Hoje em São Paulo, após 54 anos no Brasil e uma família de quatro filhos e dez netos construída ao lado de Manuela Strul, 77, Joshua conta a sua história para garantir que a memória dos anos de dor não seja esquecida. "Fomos impedidos de viver, crescer, brincar, sonhar e amar. O meu relato é a voz de uma criança cuja infância foi roubada".

Ele ainda destaca a importância em se lembrar do tema para que nada semelhante ao que foi o nazismo ocorra novamente. "O que eu quero enfatizar é que o Holocausto não foi ao acaso ou aleatoriamente. Ele foi premeditado. Foi minuciosamente planejado. Por um governo legítimo escolhido pelo povo alemão e em nome da pureza racial". (Confira o vídeo com o depoimento no final).

 

Holocausto


O período entre 1941 e 1945 foi marcado pelo genocídio de nazistas contra judeus e outros grupos perseguidos. A intenção era erradicar a população judaica na Europa. O regime nazista foi encabeçado pelo ditador alemão Adolf Hitler. A Alemanha Nazista deixou de existir após o país ser derrotado em maio de 1945, no fim da Segunda Guerra Mundial.

O embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, reforça a importância em se recordar o período para que ele não caia no esquecimento. "Se você não lembra, não vai saber das consequências desse ato. Do genocídio que foi. Os jovens vão esquecer, por ser algo muito distante".

Yossi Shelley também lembra o papel que todos os países devem ter para a garantia da paz mundial. "O mundo tem que ser sério e não ser negligente como foi na Segunda Guerra Mundial, em que os judeus foram mortos e quase ninguém olhou para ajudar. Só 7 mil pessoas ajudaram judeus nessa época. Dois deles brasileiros. A comunidade internacional tem que enfrentar essa possibilidade agora e não deixar para o último momento", declarou.

 
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
lis-cappi
holocausto
memoria holocausto
nazismo
judeus
josua strul

Últimas notícias

Mulher morre e criança é resgatada após serem arrastadas por enxurrada em Aparecida (SP)

Mulher morre e criança é resgatada após serem arrastadas por enxurrada em Aparecida (SP)

Vítima estava com o neto e tinha acabado de buscá-lo na escola quando foi atingida pela água; ela foi encontrada no bairro Santa Rita em parada cardiorrespiratória
Mãe de Navalny entra com processo contra autoridades por recusa de liberar corpo do filho

Mãe de Navalny entra com processo contra autoridades por recusa de liberar corpo do filho

Opositor político foi encontrado morto em um presídio na Sibéria no último dia 16; Lyudmila Navalnaya questiona Putin
UNESCO concede honraria a dança polonesa banida pelo comunismo

UNESCO concede honraria a dança polonesa banida pelo comunismo

Ministério da Cultura e do Património Nacional da Polónia solicitou a inclusão da dança na lista da organização
Sobe para 71 o número de cidades mineiras em emergência por conta da dengue

Sobe para 71 o número de cidades mineiras em emergência por conta da dengue

Dados da Secretaria de Saúde revelam que o estado enfrenta uma crise histórica, com 234.354 casos prováveis de dengue
USP vai abrigar novo centro de engenharia do Google

USP vai abrigar novo centro de engenharia do Google

Instalações ficarão no prédio do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT), na Cidade Universitária
Opas alerta para epidemia de dengue nas Américas e pede reforço de medidas contra doença

Opas alerta para epidemia de dengue nas Américas e pede reforço de medidas contra doença

Brasil está entre os países que apresentou aumento na transmissão da doença
Comissão de Valores Mobiliários abre 60 vagas para concurso com salário de R$ 21 mil

Comissão de Valores Mobiliários abre 60 vagas para concurso com salário de R$ 21 mil

São dois cargos com diferentes especialidades para atuar no Rio e em São Paulo; taxa de inscrição é de R$ 145
Facção carioca é suspeita de ameaçar moradores e cometer crimes contra policiais no Pirambu, em Fortaleza

Facção carioca é suspeita de ameaçar moradores e cometer crimes contra policiais no Pirambu, em Fortaleza

Imagens compartilhadas nas redes sociais mostram os momentos de terror vividos pelos moradores. Troca de tiros entre grupos rivais por disputas de territórios costuma ser frequente no local
Mulher branca tem liberdade concedida após crime de racismo no RJ

Mulher branca tem liberdade concedida após crime de racismo no RJ

Presa chamou pessoas em supermercado de “negrada” e estava com a mãe; jornalista foi alvo de ofensas racistas em Nova Iguaçu
Vereador do PL é denunciado por homicídio pelo Ministério Público

Vereador do PL é denunciado por homicídio pelo Ministério Público

Político conhecido como “Neto Carneiro”, eleito em cidade no interior do Ceará, é apontado como mandante de assassinato
Publicidade
Publicidade