Publicidade

Área da saúde repercute fala de Bolsonaro sobre mudar pandemia para endemia

Infectologista criticou a medida: "É muito cedo se pensar que estamos saindo de uma fase endêmica"

Área da saúde repercute fala de Bolsonaro sobre mudar pandemia para endemia
Pessoas usando máscara na rua (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Publicidade

A afirmação do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre o Ministério da Saúde estar estudando mudar o status sanitário da pandemia para endemia no território nacional repercutiu entre especialistas da saúde. O infectologista Julival Ribeiro criticou a possível medida: "É muito cedo, em relação ao Brasil, se pensar que estamos saindo de uma fase endêmica para uma fase pandêmica". Em publicação nas redes sociais nesta 5ª feira (3.mar), o presidente Bolsonaro citou "a desaceleração da contaminação" como justificativa para a análise por parte do ministério.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

"Em virtude da melhora do cenário epidemiológico e de acordo com o § 2° do Art. 1° da Lei 13.979/2020, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, estuda rebaixar para endemia a atual situação da covid-19 no Brasil", escreveu no Twitter. De acordo com Julival Ribeiro, "a endemia significa que o vírus está circulando e, em determinado momento, pode haver surto, aumento do número de casos naquela região". "O que se espera é que quando a covid se tornar endêmica, o vírus vai continuar circulando, ninguém sabe se com sazonalidade igual à gripe, que é uma doença endêmica", completa. Para ele, ao discutir uma possível mudança no status sanitário, é preciso levar em consideração que a vacina é a melhor proteção contra a covid, mas que há uma parte da população ainda não vacinada com a terceira dose, assim como crianças ainda não imunizadas. Além disso, afirma, ela só poderia ser esperada agora caso o país fizesse um número suficiente de testes.

Também em sua visão, o país está "muito longe" de atingir a fase endêmica da covid-19 e o mais importante a ser observado é que ninguém sabe se pode surgir uma variante mais contagiosa e mais grave do Sars-CoV-2, contra a qual a vacina possa ser menos eficaz. "Por isso, temos que nos preocupar em olhar os indicadores, olhar se vem novas variantes, para a gente falar que estamos no fim da pandemia. Coisa sobre a qual até agora a OMS [Organização Mundial da Saúde] não se pronunciou sobre. Vontade política é completamente diferente de critérios técnicos", completou.

O Doutor Mauro Gomes, pneumologista da Comissão de Infecções da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) concordo com a opinião de Ribeiro "Na minha opinião, do ponto de vista técnico isso não se sustenta. Porque a covid-19 não está restrita exclusivamente em algumas regiões do Brasil e muito menos apenas no nosso país." De acordo com ele, o status da doença continua sendo uma pandemia.

Segundo a infectologista Ana Helena Germoglio, "alguns países já reclassificaram a covid como sendo uma endemia". Isso, explica, depende do avanço da vacinação. Porém, no caso do Brasil, "o grande problema é que ainda não sabemos ou não temos um tempo suficientemente longo para afirmarmos que já estamos nesse patamar". Ela acrescenta que, quando a pandemia vira endemia, ou seja, a circulação do vírus deixa se der considerada um cenário de emergência em saúde pública, medidas como obrigatoriedade do uso de máscara e de apresentação do passaporte vacinal, e proibição de aglomerações, deixam de valer.

Além de Germoglio, o pneumologista aponta que não é a hora de tirar as medidas protetivas "vejo que ainda seria precoce nós retirarmos completamente todas essas medidas de restrição porque o risco de contaminação e adoecimento, ainda é bastante significativo". 

Classificada como pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em março de 2020, a covid-19 já matou, ao menos, 650 mil brasileiros em três anos. Os estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul são os mais afetados pelo vírus. Há pouco mais de 365 dias, teve início à imunização contra a doença no Brasil. Constantemente, o mundo se depara o surgimento de novas variantes. A última detectada, a ômicron, apesar de menos letal, espalha-se de forma surpreendente até aos olhos dos cientistas.

+ Um ano após início, vacinação comprova eficácia e, agora, chega às crianças

Procurada pelo SBT News para se posicionar a respeito da fala do presidente da República sobre rebaixar o status sanitário para endemia, o Ministério da Saúde afirmou "avaliar a medida em conjunto com outros ministérios e órgãos competentes, considerando o cenário epidemiológico e o comportamento do vírus no país". Já a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) declarou "não ter posicionamento". Até o fechamento desta reportagem, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) não havia se pronunciado.

Esta não é a primeira tentativa de alteração. Em 2021, antes do surto da variante ômicron, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, já havia manifestado interesse em rebaixar a doença, mas, posteriormente, desistiu da ideia. Na prática, mesmo com eventual mudança na categorização, as recomendações contra a proliferação do coronavírus continuam, como ciclo vacinal completo e uso de máscaras.

"Caso a pandemia deixe de ser uma pandemia e passe a ser uma endemia do ponto de vista técnico e não político, com certeza a vacinação terá desempenhando um papel importantíssimo nessa alteração.", reforçou Gomes.  

Rovena Rosa/Agência Brasil

Vacina no braço

Na avaliação de Raphael Guimarães, pesquisador do Observatório Fiocruz Covid-19, as autoridades só poderiam realizar uma "transição" de pandemia para endemia considerando um avanço no número de imunizados - principal indicador nesse caso, de acordo com o especialista. Ainda assim, devem considerar a situação da doença no mundo.

"Quando tivermos patamares excelentes de cobertura vacinal, especialmente acima de 90%, começamos a ter uma possibilidade mais concreta de impedir a transmissão do vírus. É sempre bom considerar, além da vacinação, outros indicadores [para mudança]", explica. Assim, diz Guimarães, o governo "consegue organizar adequadamente o sistema de saúde, para que a gente não tenha gargalos que possam causar uma sobrecarga e, com isso, o colapso do sistema".

O pesquisador ressalta "que o status de endemia diz respeito a uma quantidade de casos dentro daquilo que eu espero e contra o qual eu consigo agir mediante a necessidade e demanda da vacinação". Também de acordo com ele, a vacina é a melhor proteção contra a doença, mas faltam dados em relação à quantidade "da população totalmente vacinada em terceira dose e quantas crianças já receberam a segunda". Com esses indicadores, pontua, o país pode entrar na fase endêmica.

Guimarães acrescenta que "passar ao estado de endemia não significa que a covid vai ter acabado, não significa também que a gente não vai ter mais casos, óbitos e internações". "Ela só significa que a gente consegue ter esses eventos a um patamar que a gente vai ter controle sem que isso cause algum tipo de sobrecarga para o sistema de saúde. É importante que isso seja dito para que a gente não crie uma aparente ideia de que em algum momento vai ter um comunicado oficial dizendo que é uma endemia, e que a partir daquele dia não haverá mais a covid se manifestando na sociedade. Isso não irá acontecer".

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

pandemia
endemia
covid
coronavirus
jair bolsonaro
ministerio da saude
andrezza-pugliesi
isabela-salles
oms
o que e endemia
fim da pandemia
virus
pandemia de covid
portalnews
sbtnews

Últimas notícias

Fila de espera no INSS para concessão de benefícios cai em 2024, diz relatório da Previdência Social

Fila de espera no INSS para concessão de benefícios cai em 2024, diz relatório da Previdência Social

Ao todo, os processos a espera de resposta inicial somam quase 1 milhão e 400, diminuição de 600 mil em relação a 2023
Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 67 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 52 mil cada
Vídeo: homem morre e bebê é baleado em tiroteio em praça de Fortaleza

Vídeo: homem morre e bebê é baleado em tiroteio em praça de Fortaleza

Imagens mostram correria no local; estado de saúde da criança é grave
Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Trabalhadores da área acusam Javier Milei de ter um plano para prejudicar o setor
Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

SBT Brasil visitou os estúdios da Pixar, em Los Angeles, para mostrar como a continuação foi produzida
Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Último inverno rigoroso que garantiu boas vendas foi em 2022. No ano passado, houve queda de 20%
Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Juliana Silva, conhecida como Nega Juh, foi morta em Nova Iguaçu, na noite deste sábado (15)
Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Só no ano passado, foram mais de 65 mil casos, três mil a mais do que em 2022
Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Marinha montou base de operações na região das ilhas de Porto Alegre para auxiliar rapidamente a população
Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Ministros da 1ª Turma decidem na terça (18) se irmãos Brazão, delegado do Rio e dois ligados à milícia do Rio sentam no banco dos réus como mandantes do crime
Publicidade
Publicidade