Publicidade

Supere crises mais rápido, com o apoio dos sócios e colaboradores

Geralmente crises empresariais são consequências da falta de clareza sobre problemas que surgem e crescem lentamente

Supere crises mais rápido, com o apoio dos sócios e colaboradores
crise é resolvida com apoio de socios
Publicidade

Geralmente crises empresariais são consequências da falta de clareza sobre problemas que surgem e crescem lentamente. Alguns sócios e colaboradores podem não perceber, não aceitar a realidade, ou não terem habilidade em lidar com a situação. Questões como quedas nas vendas, aumento de custos, perdas de participação de mercado, são eventos perceptíveis. Entretanto, são por vezes ignorados, ao ponto de se transformarem em grandes desafios para gestores, investidores e acionistas.

+ Conheça os colunistas do SBT News
+ Leia as últimas colunas de Estevão Seccatto
+ Leia as últimas notícias de Economia
+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Em empresas que precisam de transformações, que estão em crise, o ambiente é estressado e o futuro cercado por incertezas. O reflexo psicológico desse contexto para os acionistas e colaboradores é de insegurança, ao ponto de paralisarem o processo de tomada de decisão.

Eles têm ciência de que a restruturação é necessária, mas intimidam-se pelo fato de não existirem garantias em relação aos resultados.

Apesar do risco de um plano de ação para superação de crise, a decisão inercial de não fazer nada leva a uma consequência certa: a espiral negativa, que pode culminar na falência da empresa.

Assim, é imprescindível que exista confiança dos sócios e colaboradores, em relação ao plano de restruturação proposto pela gestão, ou pelo profissional contratado para tal (que chamo aqui de restruturador).

Essa confiança deve ser conquistada, com demonstração de conhecimento técnico e prático, validação de premissas e planos (um terceiro independente, como um conselho, pode ser o fiel da balança, se não houver conflitos de interesse), e aptidão em passar segurança, comprovando resultados satisfatório em casos semelhantes.

As dificuldades serão enormes, mesmo com este apoio, mas sem o mesmo as chances de insucesso serão potencializadas.

Em empresas de pequeno e médio portes (PMEs), os sócios geralmente são os gestores e, consequentemente, disseminadores da cultura, dando o tom sobre comportamentos aceitáveis, sobre como as coisas funcionam naquele ambiente, e ainda, sobre o rumo da empresa.

"A empresa é a cara dos donos". E possivelmente continuará sendo, sem uma transformação efetiva. É nesse ponto que se encontra o coração da mudança.

Generalizações sempre são inadequadas, como a máxima de que sócios de PMEs são pouco habituados a escutar ou buscar conselhos. É esperado que haja dificuldade, intrínseca a qualquer movimento que promova mudança na forma de pensar e agir em ambientes tradicionais, e abrir o caminho para a transformação pode exigir grande sacrifício psicológico dos envolvidos.

É que quem esteja liderando esse grupo de pessoas tenha/ desenvolva capacidade de influência, habilidade relevante em todos os processos desse tipo, especialmente no início, uma vez que nesse momento os "patrocinadores da mudança" deverão ser os sócios, nos quais os colaboradores irão se espelhar.
    
Sem o apoio dos sócios, os líderes da mudança não conseguirão romper a curva de resistência dos funcionários, pois estes perceberão que o próprio dono desacredita na restruturação ou no plano proposto. O estado de negação funciona como uma âncora.

As ações propostas, muitas vezes acordadas entre agende de transformação e sócios, por vezes são simplesmente ignoradas pelos próprios sócios. Isso é prejudicial a todos, pois fere a reputação do profissional posto ali para resolver o problema, bem como contribui para a não reversão do estado atual, que permanecerá sendo o cenário de destruição de valor e risco de continuidade do negócio.

A construção do acordo psicológico entre as partes imbuídas em liderar a superação da crise pode ser realizada de várias maneiras. De forma geral, os sócios têm que perceber no agente a competência de ajudá-los a criar valor no negócio.

Através dessa criação de valor, os problemas serão resolvidos e a empresa retomará o caminho da estabilidade.

O próximo passo ramifica-se em algumas opções, entre elas, vender o negócio, agora saudável, com valor maior do que o atual, ou mantê-lo no rumo do crescimento sustentável.

A trilha do "acordo psicológico" passa por fases. A primeira é a escuta ativa, o que é bem diferente de ouvir. O ato de ouvir cria alinhamento, por ser mais rico em termos de atenção dispensada ao interlocutor.

Escutar ativamente passa por dispender atenção profunda, perceber as nuances do que está sendo dito, fazer perguntas poderosas que remetam os sócios à reflexão.

Esse processo é valioso, é um exercício de empatia e cria a conexão necessária para endereçar as questões mais duras que virão na sequência.

A segunda fase, é o momento de apresentar o plano, análises financeiras, de mercado e as oportunidades de criação de valor. Entrar nessa fase somente após o "acordo psicológico" firmado aumenta a chance de apoio dos acionistas.

A afirmação "compreenda" para depois "ser compreendido" faz bastante sentido. Nesta fase deve ser explicado aos acionistas e colaboradores a visão, e análises, sobre o problema, quais são as possíveis soluções, e como serão implementadas.

O fechamento desta etapa dá-se com o sinal verde dos acionistas, para seja colocado em prática o plano de ação.

Após alinhamento e aprovação do plano, vem a fase mais delicada: a implementação. Os acionistas serão pressionados de diversas formas, e por diversas partes envolvidas nessa etapa, à medida que a ações corretivas evoluírem.

Colaboradores antigos, que gozam de prestígio, familiares (no caso de empresas familiares), credores que mantém relação social com os donos, entre outros, irão jogar contra a mudança. 

Obviamente, os sócios se sentirão tentados a ceder, pois essas pessoas poderão tê-los ajudado no passado e se sentirão no direito de obter algum tipo de privilégio.

Não entrando do mérito desse "direito", o ponto é que, se a empresa está em apuros, o espaço para esse tipo de reciprocidade é próximo de zero.

O monitoramento, nessa fase, tem que ser constante. Desgastes poderão acontecer e devem ser administrados, dado o foco na salvação do negócio.

Como explica o psicólogo comportamental Daniel Kahneman: "os investidores nem sempre são racionais". O mesmo pode acontecer aos acionistas. Ou seja, a racionalidade nem sempre estará presente. 

Estudos na área de governança corporativa demostram que, em casos de concentração de poder, pode haver expropriação de minoritários, e que o esforço dos acionistas controladores será maior, e eles serão mais diligentes, quando os mesmos sofrerem maior pressão dos minoritários.

Tanto em empresas mais formais, com presença de conselhos de administração, quanto em empresas menos formais, em que os sócios centralizem as decisões, o grupo de controle deve ser mobilizados no início do processo de superação, para maximizar as probabilidades de êxito.     

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

colunista-estevao-seccatto
colunistas
sbt
sbtnews
portalnews
economia
superando-a-crise
estevao-seccatto
noticias
crise
superando
socios
empresario
investidores
acionistas
superar
superacao
apoio
coluna-estevao-seccatto

Últimas notícias

Silvio Santos tem alta de hospital em SP

Silvio Santos tem alta de hospital em SP

Apresentador passa bem e já está em casa
Comoção e falta de respostas marcam enterro de filha de deputado morta no Mato Grosso

Comoção e falta de respostas marcam enterro de filha de deputado morta no Mato Grosso

Polícia mantém investigações para explicar morte da empresária Raquel Cattani, que estava com 26 anos
São Paulo recebe evento sobre cultura pop asiática

São Paulo recebe evento sobre cultura pop asiática

Anime Friends é o maior evento temático de cultura pop asiática na América Latina e ficará até amanhã (21) em São Paulo
Paisagens, cultura e vinho; conheça o passeio turístico Trem Pampa

Paisagens, cultura e vinho; conheça o passeio turístico Trem Pampa

Itinerário começa no Rio Grande do Sul e passa no Uruguai. O passeio custa R$ 135
Imóveis levados a leilão quase dobram em 2024 e viram opção de investimento

Imóveis levados a leilão quase dobram em 2024 e viram opção de investimento

Só de imóveis financiados pela Caixa Econômica Federal, houve um salto de 75% na oferta de leilões
Melody sofre acidente a caminho de show no Rio de Janeiro

Melody sofre acidente a caminho de show no Rio de Janeiro

Van em que cantora estava ficou destruída: veja imagens
Brasileiro da marcha atlética disputará sua quarta Olimpíada em Paris

Brasileiro da marcha atlética disputará sua quarta Olimpíada em Paris

Caio Bonfim luta pela medalha que escapou nos Jogos do Rio, em 2016, quando conquistou o 4º lugar
Exclusivo: número de denúncias de maus-tratos a animais bate recorde em 2024

Exclusivo: número de denúncias de maus-tratos a animais bate recorde em 2024

Foram 909 situações nos primeiros seis meses de 2024, quase o mesmo número de todo o ano passado, quando houveram 939 denúncias
Los Angeles abraça a automação: robôs entregam comida e carros sem motorista já são realidade

Los Angeles abraça a automação: robôs entregam comida e carros sem motorista já são realidade

Em alguns restaurantes da cidade, o pedido é na tela e a comida vem em um carrossel. Já as bebidas são trazidas por um robô, que interage com os clientes
Menina de 10 anos sobrevive a parada cardíaca que durou mais de uma hora

Menina de 10 anos sobrevive a parada cardíaca que durou mais de uma hora

Lara Sousa foi reanimada e agora recebeu um aparelho que ajuda o coração a bater no ritmo certo
Publicidade
Publicidade