Publicidade

Como a bioeconomia, baseada em produtos florestais, geraria R$ 1,2 trilhões

Valor seria somado ao PIB mundial. Mas precisa de incentivos, como as commodities. Confira no Foco ESG

Como a bioeconomia, baseada em produtos florestais, geraria R$ 1,2 trilhões
Publicidade

O sucesso de um país está muito atrelado ao seu desenvolvimento econômico, certo? Mas, com o tempo, a economia se transforma e os negócios da atualidade podem não ter a mesma importância daqui uns anos. Um exemplo são as fontes de energia. O petróleo perde cada vez mais espaço, seja por interesse do consumidor ou com subsídios dos governos. Enquanto isso, as renováveis são incentivadas. São aquelas geradas a partir de plantas, de água, do vento ou de processos de fabricação limpos, como o que acontece com o hidrogênio verde.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Além do energético, outros setores passam por modificações. Provavelmente, o de alimentos é o mais comum. Quase banalizado. Por isso, pouco lembrado. Você já reparou quantos tipos de iogurtes existem agora? Integral, semidesnatado, desnatado, zero lactose, tipo quaker - que, na verdade, é queijo; bebida láctea - que, na realidade, nem é iogurte; uma quase infinidade de opções. Tem ainda aqueles que até certo tempo não eram alimentos. Ao menos não em escala industrial. É o caso do açaí. De exótico, encontrado apenas no norte brasileiro, a produto de exportação difundido em todos os continentes.

O açaí é só o começo. Há uma variedade grandiosa em nossas florestas, como lembra a pesquisadora e gerente do programa Florestas de Valor, do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), Helene Menu: "A gente trabalha tentando identificar mercados para esses produtos. Por exemplo, o Cumaru - uma fava parecida com a baunilha, original da Amazônia. Como a gente organiza um mercado que pague preço justo? Uma negociação direta, já que agora tem como levar pelo rio. O que há 20 ou 30 anos era difícil".

A evolução dos meios de transportes ajuda, mas falta muito. Muito para que as cadeias, inclusive, se formalizem a ponto de fazer com que os produtores percebam a valorização de seus produtos. "Muitos sistemas florestais geram mais de R$ 5 mil por ano por hectare. Compare com a pecuária. São R$ 500 por ano por hectare. Então, faz todo sentido fazer chegar nos mercados mundiais. Vamos torcer para que aconteça como aconteceu com o açaí, que mudou a vida de mais de 500 mil pessoas na Amazônia", atesta Helene.

Açaí
Cadeia do açaí já mudou a vida de 500 mil pessoas na Amazônia | Agência Brasil

A formação de um novo mercado como esse favorece também o combate ao desmatamento. Hoje em dia, muitas famílias são sustentadas pelo crime por não terem outras oportunidades de renda em meio às florestas. Mas a "bioeconomia" poderá mudar essa situação por completo. Manter as árvores em pé pode gerar R$ 1,2 trilhões até 2030 ao PIB mundial. É o que mostra uma pesquisa do economista Bráulio Borges, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Um grande e positivo diferencial econômico que contribuiria com o planeta. Imagine o que não pode fazer com os povos que vivem nas florestas. "O grande potencial econômico da floresta Amazônica é mantê-la de pé e explorar a riqueza da biodiversidade. Inclusive, nós chamamos de sociobiodiversidade. Para valorizar o conhecimento dos povos indígenas, das comunidades locais", lembra Carlos Nobre, pesquisador-sênior da Universidade de São Paulo (USP) e da Royal Society (Reino Unido).

Ele também é idealizador do projeto Amazônia 4.0, nome que remete a floresta à tecnologia. É o que o Brasil e o mundo precisam, diz o pesquisador. Existe país desenvolvido que não seja industrializado? Não. Nós vamos nos tornar uma economia primária, pobre. Temos que industrializar a Amazônia. Já desenvolvemos um laboratório, uma pequena biofábrica na cadeia do cacau, do cupuaçu. Vamos levar para Santarém, para a reserva Tapajós. Vamos capacitar as comunidades".

Após 20 anos de trabalho, Carlos conta que está "bastante otimista" e continua: "Senti claramente que a maioria dos países amazônicos querem encontrar esses caminhos. Então, nós temos que trabalhar juntos para encontrar. Esses produtos só tem preços elevados porque as distâncias são longas, a logística é complexa. Mas pode e deve mudar. Porque esses produtos oferecem serviços ecossistêmicos, tem um benefício para a sociedade, para o planeta. Enquanto as commodities promovem o desmatamento, esses produtos, o contrário. Pena que as commoditties tem subsídio dos governos e esses produtos não", critica.

Confira a entrevista completa no Foco ESG:

Veja também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
sustentabilidade
esg
foco esg
videocast
bioecononia
economia
verde
podcast
foco-esg

Últimas notícias

Governo propõe aumento de R$ 90 no salário mínimo e déficit zero em 2025

Governo propõe aumento de R$ 90 no salário mínimo e déficit zero em 2025

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2025 foi apresentado nesta segunda-feira (15)
Adolescente de 17 anos é estuprada pelo cunhado no interior de SP

Adolescente de 17 anos é estuprada pelo cunhado no interior de SP

Vítima estava na casa da irmã e cuidava dos sobrinho quando sofreu a violência, neste final de semana
Poder Expresso: Irã ataca Israel, conflito pode ter reflexos econômicos no Brasil

Poder Expresso: Irã ataca Israel, conflito pode ter reflexos econômicos no Brasil

A edição desta segunda-feira (15) analisa como a escalada do confronto no Oriente Médio pode atingir brasileiros
Por que existem gêmeos siameses? Entenda

Por que existem gêmeos siameses? Entenda

As causas dessa anomalia rara ainda não são bem explicadas pela ciência, mas a descoberta pode vir durante a gestação
Conflito entre Irã e Israel pode impactar preço do petróleo no Brasil

Conflito entre Irã e Israel pode impactar preço do petróleo no Brasil

Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira afirmou que criou grupo de trabalho para acompanhar possível acirramento do conflito e suas consequências
Detran-RJ volta a cobrar pagamento de Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo digital

Detran-RJ volta a cobrar pagamento de Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo digital

Após determinação judicial, os motoristas vão precisar quitar taxas de 2023 e 2024 no valor de R$ 76,77 por ano
NAB Show: Saiba quem é 'Ameca', robô humanóide movido por IA que interagiu com o público em Las Vegas

NAB Show: Saiba quem é 'Ameca', robô humanóide movido por IA que interagiu com o público em Las Vegas

Descrito como o “robô humanoide mais avançado do mundo” participou de painel na maior feira de tecnologia do mundo voltada para televisão
Entidade internacional critica PEC das Drogas e recomenda rejeição

Entidade internacional critica PEC das Drogas e recomenda rejeição

A Human Rights Watch defendeu em nota que Brasil deveria adotar estratégias de saúde pública em vez de criminalizar o consumo
Fórum de Segurança Pública manifesta apoio à decisão de Lula sobre lei das saidinhas

Fórum de Segurança Pública manifesta apoio à decisão de Lula sobre lei das saidinhas

Instituição considera que fim do benefício aos detentos pode gerar retaliações de difícil controle para governos estaduais
Governo prevê aumento de 6,37% no salário mínimo de 2025

Governo prevê aumento de 6,37% no salário mínimo de 2025

Seguindo política de valorização terminada por Lula, reajuste elevará valor a R$ 1.502; a proposta ainda pode sofrer alterações até janeiro de 2025
Publicidade
Publicidade