Publicidade

Relator da PEC sobre drogas aposta em aprovação na CCJ: "Ampla maioria"

Com relatório para criminalizar todas as drogas, inclusive maconha, Efraim Filho confirma votação nesta 4ª feira (29.nov)

Relator da PEC sobre drogas aposta em aprovação na CCJ: "Ampla maioria"
Publicidade

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que proíbe o porte e consumo de qualquer quantidade de drogas no Brasil está na pauta de votações desta 4ª feira (29.nov) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O movimento vai contra o sinalizado por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), nas primeiras votação da Corte sobre o tema.

A expectativa, conforme avaliou o relator da PEC, senador Efraim Filho (União-PB) ao SBT News, é de aprovação com "ampla maioria" no colegiado. No texto apresentado pelo parlamentar, ele defende a criminalização para todas as substâncias, inclusive maconha. O líder do União Brasil no Senado também atrela a questão das drogas à atuação do crime organizado no país.

"Não há tráfico ilícito de entorpecentes sem usuários para adquiri-los, e, por esse motivo, deve-se combater, também, a conduta de quem possuir ou portar drogas, ainda que para consumo pessoal. É a compra do entorpecente que alimenta o tráfico dessa substância, o que acaba por financiar o crime organizado e a violência inerente a essa criminalidade.", diz em trecho do relatório.

A análise do texto na CCJ vem em um período de animosidade entre os Poderes -- e de discussão do mesmo tema pelo Supremo. A descriminalização de substâncias entrou em debate no STF há 13 anos e teve julgamento retomado no início do segundo semestre. A PEC que trata o tema foi apresentada pelo próprio presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). À época do anúncio, ele teceu críticas ao Judiciário, com a consideração de que o tema caberia ao Congresso.

Até o momento, cinco dos ministros do STF se colocaram a favor da descriminalização. Cristiano Zanin foi o único contrário, com ressalvas ao texto. O tema foi adiado por um pedido de vista -- análise por mais tempo -- do ministro André Mendonça. Não há expectativa de que o tema volte ao plenário da Corte em 2023. Mas o avanço no Senado ainda este ano é dado como certo.

Senado e a decisão de ministros

A discussão da descriminalização virá na esteira de um desgaste pela aprovação no Senado da PEC que limita poderes do Supremo. A proposta revoga decisões individuais (monocráticas) em casos ligados a decisões do presidente da República ou dos presidentes da Câmara, do Senado e do Congresso. Também estabelece prazos para pedidos ligados à defesa de constitucionalidade e define novas regras para pedidos de vista -- mais tempo de análise dos magistrados.

A PEC provocou reação pública de ministros. Com classificação de "retrocesso", o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, criticou possível interferência política e associou mudanças aos atos de 8 de janeiro. "O tribunal sofreu ataques verbais e a criminosa invasão física que vandalizou as instalações da Corte. Após esses ataques verbais e físicos, o tribunal vê com preocupação avanços legislativos sobre a sua atuação", afirmou. 

O decano Gilmar Mendes -- ministro mais antigo na atual composição da Corte --, por sua vez, classificou que a medida ameaça o Judiciário: "Não possui qualquer justificativa plausível".

+ Ministros do Supremo reagem à PEC que limita decisões do STF: "Retrocesso"

Em resposta, o presidente do Senado elevou o tom e declarou que a reação do Supremo foi "desproporcional". Pacheco também disse não permitir "agressões gratuitas" de ministros, e defendeu que o poder de magistrados não é maior do que o do Congresso.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
congresso
descriminalização de drogas
pauta congresso
ccj
senado
votação senado

Últimas notícias

SBT News na TV: empresários acusados de financiarem atos golpistas são presos

SBT News na TV: empresários acusados de financiarem atos golpistas são presos

Trio de detidos teria financiado acampamento golpista montado em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília
Mega-Sena acumula e chega a R$ 185 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 185 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 152 ganhadores, que vão receber mais de R$ 45 mil cada
Antonio Ais e a esposa são presos na Argentina

Antonio Ais e a esposa são presos na Argentina

Procurados pela Interpol, o casal foi condenado por crimes contra o sistema financeiro; golpes em criptomoedas foram milionários
Gênero musical choro torna-se Patrimônio Cultural do Brasil

Gênero musical choro torna-se Patrimônio Cultural do Brasil

Melodia é conjunto dos sons do bandolim, flauta, violão 7 cordas, pandeiro, cavaquinho e clarinete, tocados em rodas
Rio registra primeiro caso de febre oropouche, transmitida por mosquito

Rio registra primeiro caso de febre oropouche, transmitida por mosquito

Homem infectado mora na zona sul do Rio e esteve no Amazonas, onde a doença está em alta
Grupo político de Bolsonaro tentou golpe, mas as penas devem ser ponderadas; avalia Alessandro Vieira

Grupo político de Bolsonaro tentou golpe, mas as penas devem ser ponderadas; avalia Alessandro Vieira

Senador do MDB defendeu penas diferenciadas para apoiadores e financiadores em entrevista ao SBT News; confira
Lewandowski anuncia intensificação do combate a ações ilegais em Roraima

Lewandowski anuncia intensificação do combate a ações ilegais em Roraima

Tráfico de drogas, contrabando e imigração ilegal estão entre as prioridades do ministro da Justiça e Segurança Pública na região
Polícia prende quadrilha especializada em golpe do empréstimo consignado no Rio

Polícia prende quadrilha especializada em golpe do empréstimo consignado no Rio

Foram encontrados registros de ocorrência contra o grupo em delegacias do Rio, Pernambuco, Acre, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Amapá, Goiás e Tocantins
Guerras em curso fazem com que G20 não chegue a consenso, diz Haddad

Guerras em curso fazem com que G20 não chegue a consenso, diz Haddad

'Houve recuo em relação à redação do ano passado', disse ministro da Fazenda brasileiro no encerramento das reuniões do G20 em São Paulo
Leilão define empresa que será responsável por trem de São Paulo a Campinas

Leilão define empresa que será responsável por trem de São Paulo a Campinas

Consórcio entre empresas da China e do Brasil deve investir mais de R$ 14 bilhões em trem de velocidade
Publicidade
Publicidade