Publicidade

Relatório da CPMI pede indiciamento de Bolsonaro e outras 60 pessoas

Golpe de Estado, associação criminosa, dano qualificado: veja as acusações contra Bolsonaro, militares e aliados

Relatório da CPMI pede indiciamento de Bolsonaro e outras 60 pessoas
cpmi
Publicidade

O relatório final da CPMI do 8 de Janeiro pede o indiciamento de 61 pessoas, entre elas, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), militares, policiais militares, integrantes do GSI e empresários. Faz ainda o apontamento para aprofundamento de investigações, como no caso das jóias incorporadas pela família Bolsonaro, das falsificações de atestados de vacina da Covid-19, entre outros.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Há ainda outros nomes listados, como os financiadores dos protestos em rodovias e os envolvidos no caso das jóias da família Bolsonaros, com indícios de crimes associados. Mas o documento da relatora pede aprofundamento de investigações nesses casos.

Com 1.333 páginas, o documento é apresentado nesta 3ª feira (17.out) pela senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da CPMI, na penúltima sessão da comissão.

A relatora pede ao Ministério Público Federal o indiciamento dos alvos pelos seguinte crimes:

  • Abolição violenta do estado democrático de direito; 
  • tentativa de golpe de estado; 
  • associação criminosa; dano qualificado; 
  • incitação ao crime;
  • violência política.

Segundo o relatório final da CPMI, que deve ser votado nesta 4ª feira (18.out), Bolsonaro "tem responsabilidade direta, como mentor moral, por grande parte dos ataques perpetrados a todas as figuras republicanas que impusessem qualquer tipo de empecilho à sua empreitada golpista". 

"Agentes públicos, jornalistas, empresários, militares, membros dos Poderes: todos sofreram ataques incessantes por parte de Jair Bolsonaro e de seus apoiadores, muitos deles ocupantes de cargos públicos, que se utilizavam da máquina estatal para coagir e agredir pessoa."

cpmi
Trecho do relatório da CPMI do 8/1 indiciando Bolsonaro | Reprodução

O relatório inclui o pedido de indiciamento de nove militares que integravam o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no dia dos ataques. Mas não indiciou o ex-chefe do GSI de Lula, o general Marco Edson Gonçalves Dias.

"Quanto à atuação do ministro-chefe do GSI, Marco Edson Gonçalves Dias, não se pode igualar a sua conduta àquelas dos seus subordinados, acima indiciados, já que efetivamente no cargo havia apenas sete dias, ao passo que os seus inferiores hierárquicos eram evidentemente conhecedores de informações privilegiadas a respeito do risco concreto de danos ao Palácio do Planalto", informa o relatório final.

Segundo o documento, os nove indiciados "optaram dolosamente por se omitir, quando tinham a obrigação normativa de agir para evitar o resultado". "Assim, ausente o dolo na conduta de Gonçalves Dias, não vislumbramos possibilidade de responsabilização do agente pelos referidos delitos."

G. Dias, como é conhecido o ex-segurança de Lula que ficou três meses no cargo, é um dos alvos principais dos relatórios paralelos apresentados pela oposição. Para os parlamentares bolsonaristas, o ex-chefe do GSI deve ser indiciado.

Também estão entre os alvos de pedido de indiciamento, sete comandantes da PM do Distrito Federal, que são alvos de inquéritos do STF. O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), teve responsabilização listada no documento, mas não foi pedido seu indiciamento por falta de competência legal da CPMI.
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbt
sbtnews
cpmi
8/1
8 de janeiro
congresso
bolsonaro
lula
relatorio final
ricardo-brandt
crimes
indiciamento

Últimas notícias

Episódio de Simpsons faz previsão sobre Kamala Harris na presidência; entenda

Episódio de Simpsons faz previsão sobre Kamala Harris na presidência; entenda

Lisa Simpson se candidata à presidência da república, utilizando uma roupa semelhante a de possível futura candidata
Partido Novo oficializa candidatura de Carol Sponza à Prefeitura do Rio

Partido Novo oficializa candidatura de Carol Sponza à Prefeitura do Rio

Eduardo Paes, que tenta a reeleição, e o deputado federal Alexandre Ramagem já lançaram suas candidaturas
PF tem mais de 50 mil inquéritos em andamento; crime com maior recorrência é de estelionato

PF tem mais de 50 mil inquéritos em andamento; crime com maior recorrência é de estelionato

Dados constam em painel online lançado nesta segunda (22) pela corporação
É possível perder peso e controlar diabetes pela alimentação? Entenda

É possível perder peso e controlar diabetes pela alimentação? Entenda

Pesquisa descobriu que alimentos com fibra específica podem ajudar a reduzir peso corporal e controlar os níveis de glicose
Governo confirma bloqueio de R$ 15 bilhões no Orçamento para alcançar déficit zero

Governo confirma bloqueio de R$ 15 bilhões no Orçamento para alcançar déficit zero

Executivo federal ainda precisa suprir rombo de R$ 28 bilhões após fechamento do 3º bimestre
Abin paralela: Kim Kataguiri processa União por danos morais e pede R$ 80 mil

Abin paralela: Kim Kataguiri processa União por danos morais e pede R$ 80 mil

Segundo a PF, deputado foi uma das autoridades monitoradas pelo esquema de espionagem ilegal
Mesmo com apoio de Biden, Kamala Harris ainda não é candidata democrata; entenda processo

Mesmo com apoio de Biden, Kamala Harris ainda não é candidata democrata; entenda processo

Delegados democratas que se comprometeram com Biden podem apoiar Kamala, mas não são obrigados a isso. Convenção Nacional do partido acontece em agosto
Ramagem oficializa candidatura à prefeitura do Rio e diz ter "segurança como prioridade"

Ramagem oficializa candidatura à prefeitura do Rio e diz ter "segurança como prioridade"

Candidato a vice na chapa ainda não foi definido, mas deputado federal revela que está à procura de uma mulher para compor a chapa
Mulher compra air fryer na Amazon e recebe lagarto de "presente"

Mulher compra air fryer na Amazon e recebe lagarto de "presente"

Colombiana Sofia Serrano compartilhou a história nas redes sociais e aguarda resolução da empresa
TSE abre prazo para transferência temporária do local de votação nesta segunda-feira (22)

TSE abre prazo para transferência temporária do local de votação nesta segunda-feira (22)

Mudança só pode ser feita para seção no mesmo município em que eleitor esteja inscrito
Publicidade
Publicidade