Publicidade

Relatório da CPMI pede indiciamento de Bolsonaro e outras 60 pessoas

Golpe de Estado, associação criminosa, dano qualificado: veja as acusações contra Bolsonaro, militares e aliados

Relatório da CPMI pede indiciamento de Bolsonaro e outras 60 pessoas
cpmi
Publicidade

O relatório final da CPMI do 8 de Janeiro pede o indiciamento de 61 pessoas, entre elas, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), militares, policiais militares, integrantes do GSI e empresários. Faz ainda o apontamento para aprofundamento de investigações, como no caso das jóias incorporadas pela família Bolsonaro, das falsificações de atestados de vacina da Covid-19, entre outros.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Há ainda outros nomes listados, como os financiadores dos protestos em rodovias e os envolvidos no caso das jóias da família Bolsonaros, com indícios de crimes associados. Mas o documento da relatora pede aprofundamento de investigações nesses casos.

Com 1.333 páginas, o documento é apresentado nesta 3ª feira (17.out) pela senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da CPMI, na penúltima sessão da comissão.

A relatora pede ao Ministério Público Federal o indiciamento dos alvos pelos seguinte crimes:

  • Abolição violenta do estado democrático de direito; 
  • tentativa de golpe de estado; 
  • associação criminosa; dano qualificado; 
  • incitação ao crime;
  • violência política.

Segundo o relatório final da CPMI, que deve ser votado nesta 4ª feira (18.out), Bolsonaro "tem responsabilidade direta, como mentor moral, por grande parte dos ataques perpetrados a todas as figuras republicanas que impusessem qualquer tipo de empecilho à sua empreitada golpista". 

"Agentes públicos, jornalistas, empresários, militares, membros dos Poderes: todos sofreram ataques incessantes por parte de Jair Bolsonaro e de seus apoiadores, muitos deles ocupantes de cargos públicos, que se utilizavam da máquina estatal para coagir e agredir pessoa."

cpmi
Trecho do relatório da CPMI do 8/1 indiciando Bolsonaro | Reprodução

O relatório inclui o pedido de indiciamento de nove militares que integravam o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no dia dos ataques. Mas não indiciou o ex-chefe do GSI de Lula, o general Marco Edson Gonçalves Dias.

"Quanto à atuação do ministro-chefe do GSI, Marco Edson Gonçalves Dias, não se pode igualar a sua conduta àquelas dos seus subordinados, acima indiciados, já que efetivamente no cargo havia apenas sete dias, ao passo que os seus inferiores hierárquicos eram evidentemente conhecedores de informações privilegiadas a respeito do risco concreto de danos ao Palácio do Planalto", informa o relatório final.

Segundo o documento, os nove indiciados "optaram dolosamente por se omitir, quando tinham a obrigação normativa de agir para evitar o resultado". "Assim, ausente o dolo na conduta de Gonçalves Dias, não vislumbramos possibilidade de responsabilização do agente pelos referidos delitos."

G. Dias, como é conhecido o ex-segurança de Lula que ficou três meses no cargo, é um dos alvos principais dos relatórios paralelos apresentados pela oposição. Para os parlamentares bolsonaristas, o ex-chefe do GSI deve ser indiciado.

Também estão entre os alvos de pedido de indiciamento, sete comandantes da PM do Distrito Federal, que são alvos de inquéritos do STF. O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), teve responsabilização listada no documento, mas não foi pedido seu indiciamento por falta de competência legal da CPMI.
 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbt
sbtnews
cpmi
8/1
8 de janeiro
congresso
bolsonaro
lula
relatorio final
ricardo-brandt
crimes
indiciamento

Últimas notícias

Pacheco critica decisão do STF que descriminaliza porte de maconha: "Gera vácuo e lacuna jurídica"

Pacheco critica decisão do STF que descriminaliza porte de maconha: "Gera vácuo e lacuna jurídica"

Segundo presidente do Senado, descriminalização do porte de drogas "só pode se dar através do processo legislativo, e não por uma decisão judicial"
Mais da metade dos brasileiros conhecem pessoas que trocaram voto por dinheiro, diz pesquisa

Mais da metade dos brasileiros conhecem pessoas que trocaram voto por dinheiro, diz pesquisa

Escolha na urna foi "vendida" por valores menores do que R$ 100 na maior parte das vezes, segundo entrevistados pelo Instituto Não Aceito Corrupção
Caso Marielle: suspeito pede a Moraes para voltar a receber salário

Caso Marielle: suspeito pede a Moraes para voltar a receber salário

Ex-titular da Delegacia de Homicídios teria conduzido as investigações de modo a garantir a impunidade dos mandantes do duplo homicídio
Governo deve fazer até 800 mil perícias visando corte de gastos

Governo deve fazer até 800 mil perícias visando corte de gastos

Segundo estimativas do INSS, medida pode vir a resultar em economia de R$ 7,2 bilhões em um ano
Comissão da Câmara aprova inclusão de imunoterapia para tratamento de câncer

Comissão da Câmara aprova inclusão de imunoterapia para tratamento de câncer

Segundo a proposta, caberá ao governo regular a inclusão da técnica no SUS
Manifestantes invadem parlamento e ateiam fogo em prédios durante protesto no Quênia

Manifestantes invadem parlamento e ateiam fogo em prédios durante protesto no Quênia

Ao menos cinco pessoas morreram e dezenas ficaram feridas
Militar da reserva é o principal suspeito pelo desaparecimento de menino de 5 anos na Argentina

Militar da reserva é o principal suspeito pelo desaparecimento de menino de 5 anos na Argentina

Seis pessoas já foram presas pelo sumiço de Loan Peña, que pode ter sido vítima do tráfico de pessoas
Pantanal: 90% dos incêndios florestais são causados por ação humana

Pantanal: 90% dos incêndios florestais são causados por ação humana

Secretário de Meio Ambiente do MS diz que maioria dos focos surgem em propriedades privadas e que trabalha para identificar responsáveis
Poder Expresso: entenda o julgamento no STF que descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal

Poder Expresso: entenda o julgamento no STF que descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal

A Corte deve definir também a quantidade máxima para diferenciar o usuário do traficante de maconha, o Poder Expresso analisa a sessão
Homem é preso por atirar cinco vezes contra casal no trânsito em São Paulo

Homem é preso por atirar cinco vezes contra casal no trânsito em São Paulo

Ricardo Barroso Lilá Filho, que dirigia um Mercedes, foi detido nesta quinta-feira (25) após cometer agressão em 13 de junho
Publicidade
Publicidade