Publicidade

ONU lamenta morte de refugiado congolês espancado e morto no RJ

Agência de refugiados cobrou esclarecimento do crime e expressou condolências à família e ao povo congolês

ONU lamenta morte de refugiado congolês espancado e morto no RJ
Congolês posa para selfie sorrindo
Publicidade

As equipes da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Agência da ONU para as Migrações (OIM) no Brasil e do PARES Cáritas RJ lamentaram a morte do refugiado congolês Moïse Kabagambe, de 24 anos, e expressaram condolências e solidariedade à família dele e à comunidade congolesa residente no Brasil. Moïse foi brutalmente espancado até a morte no quiosque Tropicália, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

"As organizações estão acompanhando o caso e esperam que o crime seja esclarecido", afirma a nota. A ONU lembra que o congolês chegou ao Brasil ainda criança, acompanhado de seus irmãos. No país, ele e sua família foram reconhecidos como refugiados pelo governo brasileiro. Segundo o PARES Caritas RJ, ele era uma pessoa "muito querida por toda a equipe, que o viu crescer e se integrar". 

Desdobramentos do caso

Segundo a família de Moïse Kabagambe, ele teria cobrado o pagamento de duas diárias de trabalho atrasadas no quiosque onde prestava serviço, o que fez com que os homens o espancassem. Ele foi deixado na calçada morto com mãos e pés amarrados. 

O SBT obteve com exclusividade o laudo da morte do congolês. Segundo o documento, a necrópsia foi feita um dia após o assassinato e apontou como causa da morte traumatismo do tórax com contusão pulmonar. As imagens do exame revelam lesões concentradas nas costas e o tórax aberto, com os órgãos dentro.

O representante da embaixada da República do Congo, Placide Ikuba, afirmou que Moisés usava passaporte vermelho, um passaporte diplomático. "Ele não foi qualquer um. Ele foi um refugiado diplomático. Foi morto do jeito que foi morto e isso é uma vergonha", lamentou.

A vítima e a família deixaram o país africano para se abrigar no Brasil, todos fugindo da guerra e tentando a sobrevivência no Rio de Janeiro. "Brasil é uma mãe, [nossa] segunda casa, e como vai matar um irmão trabalhando? Justiça vai ter que ser feita", clamou um familiar de Moisés.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

morto
congolês
espancado
barra da tijuca
rio de janeiro
crime
onu
moïse kabagambe
refugiado
migrante
portalnews

Últimas notícias

Implosão do submersível Titan completa 1 ano: relembre a tragédia

Implosão do submersível Titan completa 1 ano: relembre a tragédia

Cinco pessoas morreram no acidente; investigações sobre a expedição continuam nos Estados Unidos
Justin Timberlake é preso em Nova York

Justin Timberlake é preso em Nova York

Cantor foi detido por estar dirigindo embriagado e está sob custódia da polícia local
Brasil registrou 127 homicídios por dia em 2022, diz Atlas da Violência

Brasil registrou 127 homicídios por dia em 2022, diz Atlas da Violência

Estudo também destaca mais de cinco mil mortes classificadas como "ocultas", quando a causa não foi esclarecida
Comerciante é vítima de fake news após assalto em joalheria

Comerciante é vítima de fake news após assalto em joalheria

Homem teve fotos e vídeos divulgados nas redes sociais como se fosse assaltante
Lula critica "taxa das blusinhas", mas sinaliza que não deve vetar medida: "Assumi compromisso"

Lula critica "taxa das blusinhas", mas sinaliza que não deve vetar medida: "Assumi compromisso"

Presidente admitiu acordo para cobrar 20% de PIS/Cofins em projeto do Mover; petista também falou sobre derrota no PL das "saidinhas"
Bill Gates aposta em startup para construir usina nuclear nos Estados Unidos

Bill Gates aposta em startup para construir usina nuclear nos Estados Unidos

Projeto visa construir unidade energética em uma antiga usina de carvão em Wyoming para atender a crescente demanda por eletricidade do país
Pauta de costumes "não tem nada a ver com realidade que estamos vivendo", comenta Lula sobre PL do aborto

Pauta de costumes "não tem nada a ver com realidade que estamos vivendo", comenta Lula sobre PL do aborto

Para presidente, debate é "cru" e assunto deveria ser razões que motivam necessidade do procedimento: "Estamos retrocedendo nesta pauta"
Lula diz que presidente do Banco Central tem lado político e trabalha para prejudicar o Brasil

Lula diz que presidente do Banco Central tem lado político e trabalha para prejudicar o Brasil

Presidente da República afirmou que Roberto Campos Neto pode se tornar um "novo Sergio Moro"
Danilo Forte fala ao Perspectivas sobre Reforma Tributária e PL do "devedor contumaz"; assista ao vivo

Danilo Forte fala ao Perspectivas sobre Reforma Tributária e PL do "devedor contumaz"; assista ao vivo

Deputado dá detalhes sobre evento em que participou com Bernard Appy, secretário extraordinário da Reforma Tributária
PL do aborto: lei poderia provocar aumento da mortalidade materna, diz pesquisadora

PL do aborto: lei poderia provocar aumento da mortalidade materna, diz pesquisadora

Mestre em direitos humanos pede que parlamentares façam leis "baseados em números, estatísticas e nas melhores evidências científicas"
Publicidade
Publicidade