Publicidade

Startups da Amazônia e do Nordeste se destacam no Bossa Summit

Ideias inovadoras chamam a atenção no maior evento de investimento em startups no Brasil

Startups da Amazônia e do Nordeste se destacam no Bossa Summit
evento de startups e um estande do sebrae com pessoas no entorno
Publicidade

A inovação acontece em todas as partes do Brasil, que é um país diferenciado, com várias características, climas e biomas. E isso, torna-se uma grande vantagem para o gigante ecossistema que o país tem e pode fazer diferença a diversas startups pelo mundo. 

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News
+ Leia as últimas notícias de Tecnologia

Na Bossa Summit, que aconteceu nos dias 23 e 24 de março no Transamérica Expo Center, em São Paulo, dezenas de startups dos estados do Nordeste e da região Norte, sendo boa parte da Amazônia Legal, apresentaram várias ideias sobre como podem oferecer serviços e oportunidades de negócios em diversos setores.

E isso foi possível a partir de dois projetos desenvolvidos pelo Sebrae -- Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa --, chamados Inova Amazônia e StartupNE.

Para Eraldo Santos, gestor de projetos para startups do Sebrae, a região Nordeste foi analisada e nisso foi percebido o potencial da região, além das dificuldades dos ecossistemas locais, como falta de investidores-anjos, acesso a investimentos e ausência de aceleradoras. A partir disso, foi criado o StartupNE, para posicionar a região no mapa global de inovação.

"A gente começou a descobrir uma série de potencialidades na região tanto do ponto de vista de algumas verticais específicas como o mercado de energia limpa, energia eólica, fotovoltaica, agora, entrando no hidrogênio verde, bem como também a questão da criatividade e de tecnologia. E quando a gente foi analisar os números, nós encontramos uma quantidade de startups que refletisse essa potencialidade da região. A gente em 2021 percebemos que 13% das startups brasileiras, apenas estavam na região Nordeste", explica Eraldo.

No ano passado, 318 startups foram selecionadas, recebendo uma bolsa do Sebrae na ordem de R$ 39 mil a R$ 78 mil, chamado bolsa socio empreendedor, além de receber mentorias e aceleração. No Bossa Summit, 74 startups aptas a receber investimentos participaram o evento e potencializar o negócio.

Para Eraldo, a região Nordeste tem potencial para entrar no ecossistema global de inovação, onde muitas empresas estão prontas para encarar o desafio da conquista do investimento | Cido Coelho/SBT News

Já o Inova Amazônia, tem um projeto de acelerar para desenvolver a inovação, bioeconomia e sustentabilidade na região amazônica e a partir de 400 projetos na pré-aceleração, chegaram a 230 negócios que estão recebendo mentoria, capacitação e bolsa de apoio para que a empresa se desenvolva.

"Uma expectativa aqui é que eles falem com maior número de investidores e depois que eles vão afunilando essas conversas com aqueles que tenha mais fit com a tese. Hoj,e a gente tem muitos pontos de investimentos que tem teses focada em si sustentabilidade", explica Phelippe Figueredo, analista de inovação do Sebrae.

Estas empresas que estão no Bossa Summit tem a expectativa de fazer as conversas iniciais de apresentação para no futuro próximo para conseguir aquele cheque que pode fazer decolar o negócio. O valor médio que as empresas startup early stage vão entre R$ 100 mil a R$ 500 mil.

A reportagem do SBT News conversou com alguns dos empreendedores e inovadores, expondo seus serviços e seus propósitos de fazer suas empresas deslancharem no ambiente de negócios a partir do evento de inovação e investimento em startups que aconteceu na capital paulista. 

Phelippe Figueredo observa que há interesse de investimento nas startups da Amazônia, empresários e investidores estão interessados | Cido Coelho/SBT News

Startups do Nordeste

Aplicativo que conecta habilidades e oportunidades

Guerra, da Catch, espera entrar em São Paulo para ajudar a atender demanda que busca por mão de obra especializada | Cido Coelho/SBT News

O Eraldo Guerra, CEO do Catch, opera desde 2021, e está na Bossa Summit para tentar escalar seu aplicativo que ajuda a conectar habilidades a oportunidades de negócio, por conta da localização e dificuldades de encontrar uma mao de obra especializada.

Um aplicativo que conecta habilidades a oportunidades de negócio seja pela sua localização ou pelo seu deslocamento legal explicar o conceito então o principal problema que a gente quer resolver é ajudar na questão da retomada Econômica 

"Muitas pessoas não estão encontrando emprego, mas existem diversas oportunidades de prestação de serviço", explica Eraldo, que observa o aplicativo como uma janela para quem busca trabalho e para quem precisa de um prestador de serviço. 

Guerra tem obtido um ótimo retorno na Bossa Summit, muitas pessoas tem procurado e pedido ajuda, para que o aplicativo dele encontre profissionais que são demandados. 

"Aqui no stand a gente conheceu um rapaz que tem uma indústria de caminhão e tá precisando de 30 mecânicos para trabalhar na indústria. E disse, se você resolver esse problema da minha indústria, vou virar eternamente cliente de vocês. E aí várias pessoas também chegaram para gente dizendo que é complicado ou difícil conseguir prestação de serviço, ou mão de obra específica", comenta o empreendedor.

Agora, o próximo passo da empresa pernambucana é entrar em São Paulo por meio de parcerias para poder abrir num novo mercado para o aplicativo para tentar escalar.

Gestão complexa de navios em portos de grande porte

Alexandre, da NavalPort espera fechar a versão final do aplicativo para poder ter uma parceria com o Porto de Santos | Cido Coelho/SBT News

Alexandre Santiago criou a NavalPort, que é uma startup de gestão inteligente de portos. O aplicativo tem a proposta de administrar os navios e os dados no fluxo de trabalho.

A NavalPort propõe conectar o sistema de programação de navios com os portos, para reorganizar a chegada dos navios no porto. Um navio que está em um determinado ponto, comunica os outros barcos envolvidos e as embarcações podem se programar para chegar no tempo previsto, onde todos possam se organizar sem gerar tráfego no porto.

"A gente tá finalizando algumas etapas, mas ele já tá é bem perto de fechar [com o porto de Santos]. A gente está perto de contratar também. Já estamos avançado, já tá esperando o investidor esperando o cliente", explicou.


A startup de Recife, oriunda do Porto Digital, faz testes em São Paulo, no Porto de Santos. Agora a empresa está na fase de rodada para receber aporte, assim como posteriormente, já receberam aporte da Bossanova, e agora espera novos recursos para expandir o negócio.

Startups da Amazônia


Conscientização sobre a qualidade da água

Elaine, da Chemical, espera conscientizar as pessoas sobre os cuidados com a qualidade da água | Cido Coelho/SBT News

A startup Chemical, da Elaine Freitas, de Manaus, Amazonas, tem o propósito de criar um sensor que analisa a qualidade da água. A empresa surgiu a partir de um trabalho de conclusão de curso, em 2015, quando estava desenvolvendo uma plataforma educacional. No entanto, a ideia foi transformada em um aplicativo para promover a conscientização e a preservação dos recursos hídricos, neste caso, rios e nascentes.

"O nosso propósito por trás é que a inovação que conecta a preservação ambiental ou futuro. A gente queria levar inovação para essa área mesmo de meio ambiente, para contribuir para empresa e que realmente tem isso por trás, a gente viu essa opção. Então em 2021, a empresa foi lançada, oficialmente a gente tá no mercado passando, viajamos o Brasil em 2021 fazendo a pesquisa, tivemos em várias capitais do Brasil para mensurar esses impactos", explica Elaine.

Agora a Chemical já tem um protótipo e sensor desenvolvido, além de um aplicativo onde qualquer pessoa pode fazer o teste na água, desmistificando medos e receios sobre a qualidade da água. A fundadora da startup tem conversado com muitos interessados e revelou que a rodada onde esperava captar R$ 1 milhão talvez não faça mais sentido, porque já há investidores bem interessados na tecnologia desenvolvida por ela, e assim podendo acelerar o negócio local.

Neste ano, a startup deve lançar um livro para mostrar os impactos do uso da tecnologia e a versão final do aplicativo.

"Vamos lançar um livro agora em 2023 sobre essa situação desses impactos no país. O sensor e o aplicativo, agora com a versão final, foram lançados em 6 de dezembro, no programa da Ocean Out, com a Samsung em Manaus", explica.


Café de Açai desbravando fronteiras

Para Valda, o propósito e vender além de café, é vender saúde para os consumidores | Cido Coelho/SBT News

Para Valda Gonçalves, da startup Engenho, explica que propôs a criação do café de açaí para trazer vida saudável para as pessoas, poupando o meio ambiente.

O café de açaí é um produto diferenciado, pois não tem glúten, é 100% natural, tem vitaminas e minerais antioxidantes, agregando valor a saúde, sendo voltado para pessoas que gostam do café gourmet.

A empresa do Amapá produz 4 toneladas, e agora, espera receber um aporte de R$ 1,2 milhão para poder multiplicar por 4 a capacidade de produção.

A Engenho já saiu da fase early stage e agora a empresa já começa a desbravar o mundo.

"Estamos em todos os supermercados do Norte e estamos agora exportando para Alemanha e inclusive com parceria no Canadá, Estados Unidos e Portugal", explica. 


Quebrar preconceitos e mostrar benefícios da cannabis

Mônica Neves quer 'desmistificar o uso da cannabis' e desconstruir o preconceito em torno da planta que tem diversas propriedades que ajudam na saúde das pessoas | Cido Coelho/SBT News

A farmacêutica e química Monica Neves, cofundadora da healthtech maranhense Hempense, é uma startup de cosméticos focada em cosméticos com base em cannabis veio à Bossa Summit, em São Paulo para 'desmistificar o uso da cannabis'.

"A falta de informação de qualidade com as pessoas, é onde a gente verificou que existia muita marginalização e muita informação equivocada sobre a planta. Então, a gente quis trazer uma startup que, inicialmente, veio com a ideia de ser um hub de informação. A partir disso, a gente viu que poderia oferecer produtos além do que hoje existe no mercado, que são os produtos medicinais. A cannabis é uma planta que você pode utilizar todas as partes e todas as partes têm uma utilização, um uso, uma finalidade", explica Mônica.

A Hempense hoje desenvolve cosméticos cannábicos a partir de frutos amazônicos, como babaçu, açaí e buriti que apresentam várias finalidades benéficas para o corpo como ação oxidante, hidratante, agregando benefícios destes frutos com a ação da cannabis.

A empresa hoje está em fase de agregar parcerias, pois, no momento, o investidor pode encontrar barreiras devido às questões legais no país, onde ainda há restrições no uso da cannabis. Por isso a Hempense, está em fase de buscar networking e conexão para expandir o negócio para fora do Brasil. A Espanha é um mercado que está no alvo, onde deve ser o primeiro ponto, por ser juridicamente seguro, e tem regulamentação sobre venda de produtos com a planta. 
 
No Bossa Summit, Mônica se sentiu acolhida e animada, pois foi um lugar que pode desmistificar a planta e falar sobre os benefícios do seu produto sem preconceitos. 

"Às vezes a gente vem com receios... Mas, aqui, não não encontrei esse, digamos, preconceito da população, muito pelo contrário. Eles vem assim buscando mais informações que é exatamente o nosso objetivo. A gente vê que essa barreira, ela já tá sendo quebrada, principalmente, nesse ambiente aqui de inovação de empreendedorismo. É um ambiente muito legal para estar aqui apresentando e tentando buscar parceiros, fazendo networking", finalizou.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
tecnologia
cido-coelho
amazonia
nordeste
startupne
inova amazonia
sebrae
servicos
startups
inovacao
biotecnologia
saude
naval
dados
amapa
maranhao
amazonas
recife

Últimas notícias

Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 3

Caixa libera Bolsa Família de junho para beneficiários com NIS final 3

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 60 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 75 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 41 cada
De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

De nudez no SuperBowl a aborto forçado: relembre polêmicas de Justin Timberlake

Cantor foi detido por dirigir embriagado. Mas a prisão foi somente mais um episódio controverso na carreira do astro
Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Saiba quais são as 30 cidades grandes com as maiores taxas de homicídios do Brasil

Cinco cidades baianas estão à frente. Taxas superaram 50 homicídios por 100 mil habitantes em 2022, segundo Atlas da Violência
Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Marcos Rogério assume liderança da oposição ao governo no Senado

Atualmente no cargo, Marinho se afasta do cargo por 120 dias para se dedicar às eleições municipais
Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Rodrigo Pacheco chama projeto sobre aborto de “irracional” e “inviável”

Presidente do Senado se posicionou acerca do polêmico tema diante de parte da bancada feminina da Casa
Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Policiais civis são alvo de tiros durante operação na Maré (RJ)

Agentes realizavam operação contra estabelecimentos comerciais que receptavam e revendiam roupas de grifes roubadas
Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Caso Paquetá: Senado aprova convite para ouvir o jogador na CPI da Manipulação no Futebol

Por se tratar de um convite, o jogador pode recusar a participação
Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Incêndio de grande proporção atinge prédio comercial na Grande SP

Nove equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas e conseguiram conter o fogo no local
Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

Brasil aparece entre os piores países em pensamento criativo nas salas de aula

No ranking com 56 países, o Brasil aparece na 44ª colocação, empatado com Peru, Panamá e Arábia Saudita
Publicidade
Publicidade