Publicidade

UNESCO concede honraria a dança polonesa banida pelo comunismo

Ministério da Cultura e do Património Nacional da Polónia solicitou a inclusão da dança na lista da organização

UNESCO concede honraria a dança polonesa banida pelo comunismo
Publicidade

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) homenageou a dança polonesa, que nutriu o espírito da Polônia, mesmo durante os anos sombrios da sua divisão. A dança chegou a ser proibida por governantes enviados de Moscou, ao país, no passado.

No dia 5 de dezembro, esta tradição viva foi incluída na Lista do Património Cultural Imaterial da UNESCO como uma “forma de celebração conjunta”, que comemora momentos importantes da vida familiar e comunitária e simboliza a cooperação, a reconciliação e a igualdade.

O Ministério da Cultura e do Património Nacional da Polónia, solicitou a inclusão da dança na lista da UNESCO. Segundo a pasta, a iniciativa foi recebida com enorme apoio público.

“Milhares de pessoas no Facebook e em outras redes sociais apoiaram a entrada (da UNESCO)”, disse Joanna Cicha-Kuczynska, do Departamento de Proteção de Monumentos do ministério.

Ela também disse que há uma comunidade enorme, incluindo famílias inteiras, que transmitem a dança polonesa, em vários momentos, como uma tradição.

“O mais importante na 'polonesa' é que todo o grupo possa dançar em conjunto a coreografia, e entre as características pessoais as mais importantes são a dignidade dos homens e a natureza volátil das mulheres, que é passada na dança”, disse Marcin Pracki, dançarino do Varsóvia. Teatro de Dança da Universidade “Warszawianka".

Histórico

A dança é do século XVIII e foi muito utilizada em bailes aristocráticos até em celebrações de aldeias, inspirando por exemplo, compositores como Johann Sebastian Bach e Frederic Chopin.

Até hoje, ela é usada em ocasiões nacionais, bailes de pré-formatura e casamentos.

Dança polonesa

Esta dança de procissão em ritmo lento evoluiu de uma forma folclórica chamada “dança ambulante”.

No século XVIII, sob o nome francês de “Polonaise” – ou polaca – era amplamente dançada entre a nobreza europeia e abria bailes reais.

Em seu livro de 1773 “O Estado Atual da Música na Alemanha, na Holanda e nas Províncias Unidas”, o músico britânico Charles Burney descreveu a polonesa como sendo muito popular em toda a Saxônia e especialmente na corte de Dresden, onde o rei eleito da Polônia, Augusto II, o Forte, introduziu isso décadas antes.

A dançarina Polonesa, Monika Fiugajska, afirmou que a 'dança Polonesa', é a mais simples entre as danças nacionais.

"Por meio dela, as pessoas conseguem expressar as próprias emoções de uma forma excepcional”, disse Fiugajska.

Tendo inspirado alguns dos maiores compositores clássicos, incluindo Wolfgang Amadeus Mozart e Pyotr Tchaikovsky, a polonesa permanece intemporal, abrindo ainda o Baile da Ópera de Viena na época do carnaval.

"Sem dúvida, a polonaise merece estar na lista do património mundial da UNESCO porque é uma dança com tradição não só polaca, mas também internacional, é uma dança de salão geralmente reconhecida”, disse Szymon Paczkowski, professor de musicologia na Universidade de Varsóvia".

(*Com informações da AP News)

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Mundo

Últimas notícias

Michelle Bolsonaro diz que ato em Copacabana não é "por um homem ou uma mulher, mas pelo reino de Deus"

Michelle Bolsonaro diz que ato em Copacabana não é "por um homem ou uma mulher, mas pelo reino de Deus"

Ex-primeira-dama citou Lucas 12:2, versículo citado por Bolsonaro durante campanha de 2022 que depois batizou ação da PF contra ex-presidente
SP: Bombeiros encontram corpo de idoso após barco virar em Ilhabela

SP: Bombeiros encontram corpo de idoso após barco virar em Ilhabela

Buscas continuam por outras duas vítimas, que seguem desaparecidas
Pampa, campeão olímpico de vôlei, vai continuar tratamento contra câncer em São Paulo

Pampa, campeão olímpico de vôlei, vai continuar tratamento contra câncer em São Paulo

Ex-jogador foi transferido de hospital no Rio de Janeiro para capital paulista
Ministério da Saúde confirma 1º caso de cólera no Brasil após 18 anos

Ministério da Saúde confirma 1º caso de cólera no Brasil após 18 anos

Nota técnica informa que homem de 60 anos não viajou para regiões afetadas indicando infecção local
Policiais federais reclamam falta de combustível e fim de contratos, em meio a cobrança por mais verba

Policiais federais reclamam falta de combustível e fim de contratos, em meio a cobrança por mais verba

Nos estados, agentes acusam problemas para fazer operações com os cortes no orçamento; agendamento para fazer passaporte segue suspenso
Elenco da "Turma do Picapau Amarelo" faz visita ao Museu Monteiro Lobato, em SP

Elenco da "Turma do Picapau Amarelo" faz visita ao Museu Monteiro Lobato, em SP

Produção estreia em breve na plataforma de streaming +SBT
Apostador do Rio acerta números da Mega-Sena e leva sozinho R$ 102 milhões

Apostador do Rio acerta números da Mega-Sena e leva sozinho R$ 102 milhões

Próximo prêmio, estimado em R$ 3,5 milhões, será sorteado na terça-feira (23)
Madonna movimenta economia do Rio a menos de 2 semanas do show em Copacabana

Madonna movimenta economia do Rio a menos de 2 semanas do show em Copacabana

Cantora americana vai se apresentar gratuitamente na capital fluminense no dia 4 de maio
Novo ataque de Israel na Faixa de Gaza deixa 18 mortos

Novo ataque de Israel na Faixa de Gaza deixa 18 mortos

14 crianças morreram e um bebê foi salvo durante a ação
Lutador brasileiro é favorito para levar ouro nas Olimpíadas com Taekwondo

Lutador brasileiro é favorito para levar ouro nas Olimpíadas com Taekwondo

Henrique Marques foi parar no hospital e se recuperou em período recorde para voltar a tempo de conquistar a vaga
Publicidade
Publicidade