Publicidade

Parlamento de Israel aprova reforma que limita poder do Supremo

Medida coloca a democracia do país em xeque e é rejeitada pela maioria da população israelense

Parlamento de Israel aprova reforma que limita poder do Supremo
Primeiro-ministro de extrema-direita de Israel, Benjamin Netanyahu
Publicidade

Em meio a intensos protestos, o Parlamento de Israel aprovou nesta 2ª feira uma parte significativa da reforma que visa remodelar o Judiciário do país. A medida, proposta pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seus aliados, restringe os poderes do judiciário, o que tem gerado controvérsias e indignação generalizada.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Dentre os principais pontos da reforma, estão a limitação da capacidade da Suprema Corte em contestar decisões parlamentares e alterações no processo de seleção dos juízes, com alegações de que o objetivo é restringir os poderes de juízes não eleitos. Netanyahu defende as mudanças como necessárias para evitar o exercício excessivo de poder por parte dos magistrados.

Entretanto, manifestantes de diversos segmentos da sociedade israelense consideram a medida como uma tomada de poder alimentada por motivações pessoais e políticas do primeiro-ministro, que enfrenta acusações de corrupção em julgamento. Em um desdobramento significativo, a nova lei aprovada impede os juízes de anularem decisões do governo com base no padrão legal de "razoabilidade", geralmente usado para bloquear nomeações de ministros e contestar outras decisões e medidas do governo.

O Ministro da Justiça de Israel, Yariv Levin, que foi o arquiteto da reforma, celebrou a votação como o "primeiro passo em um importante processo histórico" para revisar o sistema judiciário.

Protestos

O Movimento para um Governo de Qualidade, uma organização da sociedade civil, já anunciou que contestará a nova lei na Suprema Corte, intensificando ainda mais o confronto entre governo e manifestantes. O grupo de protesto afirmou que o governo de Netanyahu está impondo sua "ideologia marginal" aos milhões de cidadãos, e alertou que a aprovação da legislação pode resultar em danos e convulsões sociais.

Nesta 2ª feira, logo após a aprovação da medida, os protestos ganharam força, levando à interrupção de uma importante estrada que conduz ao parlamento, além de vários shoppings e postos de gasolina fecharem suas portas em ato de solidariedade. Outra frente de pressão veio dos reservistas militares, milhares dos quais declararam sua recusa em servir sob um governo que consideram estar conduzindo o país rumo à ditadura. Essa atitude gerou temores de que a preparação das Forças Armadas pudesse ser comprometida.

A situação tem sido acompanhada de perto por líderes internacionais, incluindo o governo dos Estados Unidos. O presidente Joe Biden manifestou preocupação com a reforma do governo de Netanyahu, reforçando o posicionamento contrário dos Estados Unidos em relação ao plano de mudanças no Judiciário.

Em uma declaração ao site de notícias Axios no domingo (23.jul), Biden alertou contra o avanço das mudanças legais que estavam gerando tanta divisão, destacando a necessidade de reunir as pessoas e buscar um consenso.

Além disso, o presidente americano criticou as medidas do governo israelense para aprofundar a ocupação na Cisjordânia, intensificando as tensões e as preocupações com a situação na região.

* Com informações da Associated Press

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbtnews
portalnews
mundo
noticias
israel
parlamento
suprema corte
judiciário
benjamin netanyahu
extrema-direita

Últimas notícias

Fila de espera no INSS para concessão de benefícios cai em 2024, diz relatório da Previdência Social

Fila de espera no INSS para concessão de benefícios cai em 2024, diz relatório da Previdência Social

Ao todo, os processos a espera de resposta inicial somam quase 1 milhão e 400, diminuição de 600 mil em relação a 2023
Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 67 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 52 mil cada
Vídeo: homem morre e bebê é baleado em tiroteio em praça de Fortaleza

Vídeo: homem morre e bebê é baleado em tiroteio em praça de Fortaleza

Imagens mostram correria no local; estado de saúde da criança é grave
Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Trabalhadores da área acusam Javier Milei de ter um plano para prejudicar o setor
Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

SBT Brasil visitou os estúdios da Pixar, em Los Angeles, para mostrar como a continuação foi produzida
Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Último inverno rigoroso que garantiu boas vendas foi em 2022. No ano passado, houve queda de 20%
Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Juliana Silva, conhecida como Nega Juh, foi morta em Nova Iguaçu, na noite deste sábado (15)
Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Só no ano passado, foram mais de 65 mil casos, três mil a mais do que em 2022
Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Marinha montou base de operações na região das ilhas de Porto Alegre para auxiliar rapidamente a população
Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Ministros da 1ª Turma decidem na terça (18) se irmãos Brazão, delegado do Rio e dois ligados à milícia do Rio sentam no banco dos réus como mandantes do crime
Publicidade
Publicidade