Publicidade

Olimpíadas: velocista europeia deixa Japão e recebe asilo na Polônia

Krystsina Tsimanouskaya diz que foi levada à força para o aeroporto e usou tradutor para pedir ajuda

Olimpíadas: velocista europeia deixa Japão e recebe asilo na Polônia
Krystsina Tsimanouskaya
Publicidade

A velocista Krystsina Tsimanouskaya, de Belarus, revelou que decidiu não retornar ao seu país depois de receber um telefonema da avó quando estava a caminho do aeroporto. "Ela me disse que eu não deveria voltar, que não era seguro", afirmou nesta 5ª feira (5.ago), em Varsóvia, na Polônia, onde recebeu asilo. 

Krystsina tinha criticado os técnicos que a escalaram em uma prova para a qual ela não havia treinado. O desentendimento no âmbito esportivo foi interpretado, segundo a atleta, como uma afronta ao regime. "O diretor técnico foi ao meu quarto com o treinador e me disseram que a decisão de me mandar de volta pra casa já tinha sido tomada, que não tinha sido deles, que eles apenas estavam executando", afirmou Tsimanouskaya à agência Reuters

Ela foi desligada do time sob o pretexto de que estava emocionalmente instável, o que ela nega. A família temia que ela pudesse ser internada à força em uma instituição psiquiátrica. Depois do telefonema da avó, Tsimanouskaya decidiu usar um tradutor no celular pra escrever uma mensagem pedindo ajuda à polícia japonesa, no aeroporto internacional Haneda, em Tóquio. Ela decidiu pedir ajuda ao governo polonês, pra onde se mudaram muitos cidadãos de Belarus perseguidos pela ditadura do país.  

Depois de duas noites na Embaixada da Polônia, a atleta de 24 anos recebeu asilo no país, onde chegou nesta 5ª. Outro atleta, o marido dela também era esperado em Varsóvia. Na primeira vez que falou com a imprensa, ela afirmou que nunca se envolveu em política e que não participou dos protestos contra o regime, mas pediu aos compatriotas pra que "não tenham medo e denunciem se estiverem sob pressão".

O último ditador da Europa

O Comitê Olímpico de Belarus era presidido pelo próprio ditador Alexander Lukashenko, que, neste ano, passou o bastão para o filho. No poder desde 1994, Lukashenko se reelegeu no ano passado, alegando que teve 80% dos votos válidos. A eleição recebeu muitas críticas na comunidade internacional por conta dos diversos indícios de fraude. 

O resultado provocou uma onda de manifestações e uma reação violenta do regime. Não há dados confiáveis sobre o número de presos, mas segundo a organização Human Rights Watch, que monitora a situação no país, "milhares foram levados pra prisões e centenas foram torturados" pelas forças de segurança. 

Lukashenko trata o esporte como um cartão de apresentação de seu governo. Especialistas que acompanham a situação do país dizem que há um elemento pessoal na decisão de punir a atleta, que ousou criticar publicamente as decisões do comitê olímpico, que é um dos muitos braços do regime.

O episódio aumentou o isolamento de Belarus, que tem a Rússia como principal aliada. O Comitê Olímpico Internacional (COI) abriu uma investigação e pode impor punições ao país em competições internacionais. 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
mundo
olimpiada
japão
belarus
ditadura
krystsina tsimanouskaya
sergio-utsch
prisão

Últimas notícias

Comoção e falta de respostas marcam enterro de filha de deputado morta no Mato Grosso

Comoção e falta de respostas marcam enterro de filha de deputado morta no Mato Grosso

Polícia mantém investigações para explicar morte da empresária Raquel Cattani, que estava com 26 anos
São Paulo recebe evento sobre cultura pop asiática

São Paulo recebe evento sobre cultura pop asiática

Anime Friends é o maior evento temático de cultura pop asiática na América Latina e ficará até amanhã (21) em São Paulo
Paisagens, cultura e vinho; conheça o passeio turístico Trem Pampa

Paisagens, cultura e vinho; conheça o passeio turístico Trem Pampa

Itinerário começa no Rio Grande do Sul e passa no Uruguai. O passeio custa R$ 135
Imóveis levados a leilão quase dobram em 2024 e viram opção de investimento

Imóveis levados a leilão quase dobram em 2024 e viram opção de investimento

Só de imóveis financiados pela Caixa Econômica Federal, houve um salto de 75% na oferta de leilões
Melody sofre acidente a caminho de show no Rio de Janeiro

Melody sofre acidente a caminho de show no Rio de Janeiro

Van em que cantora estava ficou destruída: veja imagens
Brasileiro da marcha atlética disputará sua quarta Olimpíada em Paris

Brasileiro da marcha atlética disputará sua quarta Olimpíada em Paris

Caio Bonfim luta pela medalha que escapou nos Jogos do Rio, em 2016, quando conquistou o 4º lugar
Exclusivo: número de denúncias de maus-tratos a animais bate recorde em 2024

Exclusivo: número de denúncias de maus-tratos a animais bate recorde em 2024

Foram 909 situações nos primeiros seis meses de 2024, quase o mesmo número de todo o ano passado, quando houveram 939 denúncias
Los Angeles abraça a automação: robôs entregam comida e carros sem motorista já são realidade

Los Angeles abraça a automação: robôs entregam comida e carros sem motorista já são realidade

Em alguns restaurantes da cidade, o pedido é na tela e a comida vem em um carrossel. Já as bebidas são trazidas por um robô, que interage com os clientes
Menina de 10 anos sobrevive a parada cardíaca que durou mais de uma hora

Menina de 10 anos sobrevive a parada cardíaca que durou mais de uma hora

Lara Sousa foi reanimada e agora recebeu um aparelho que ajuda o coração a bater no ritmo certo
Brasil conquista classificação histórica na ginástica para olimpíadas de Paris

Brasil conquista classificação histórica na ginástica para olimpíadas de Paris

Pela primeira vez na história dos Jogos, país consegue índice para disputar três categorias da modalidade
Publicidade
Publicidade