Publicidade

ANÁLISE: Não é hora de explorar, por Carlos Nascimento

Leia a análise do âncora do SBT Brasil sobre a situação financeira e econômica do país neste fim de ano

ANÁLISE: Não é hora de explorar, por Carlos Nascimento
Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Publicidade

Pandemia torna-se o grande culpado pelo aumento de preços em vários setores. Foto: Marcell Casal Jr./Agência Brasil

A pandemia e a incerteza econômica abalaram o sistema produtivo, o emprego e a renda, as vendas do comércio e o abastecimento de vários setores. O resultado é que a inflação encontrou um terreno fértil para crescer. Pela previsão do mercado financeiro devemos fechar 2020 com um índice de 4,21% , acima do centro da meta prevista pelo governo.

Na verdade estamos assistindo a um festival de alta de preços em quase todos os setores. Alimentos, bebidas, remédios, materiais de construção, insumos agrícolas, carne, gás e mais um monte de coisas. 

Um milheiro de tijolos pulou de setecentos reais para mais de mil, a cerveja long neck de 4 para até 7 reais, uma saca de milho que custava 40 foi para 80 reais e um orçamento de material elétrico a que tive acesso variou de 3.200 a 4.500 reais. Alem disso faltam produtos e nesse caso passa a valer a "lei" da oferta e da procura.

Cada comerciante, industrial ou prestador de serviços tem uma justificativa para aumentar os preços, mas a maior "culpada" é a pandemia. O que não está errado, mas não pode servir de desculpa para alguns preços subirem sem motivo ou além do que deveriam - o que conhecemos como especulação.

Há vários produtos, as chamadas commodities  que seguem os preços internacionais, os que dependem do clima, os que são produzidos com insumos importados e os que precisam de matéria prima atualmente em falta.

Com a desaceleração econômica e o fechamento do comércio, muitas fábricas reduziram ou interromperam a produção. Isso tem um efeito cascata e atinge segmentos inteiros, de alto abaixo.

Outra constatação dos consumidores é a de que produtos de segunda linha estão sendo vendidos como se fossem e com preços de primeira linha. 

Verdade que a pandemia causou um desarranjo violento na atividade econômica e isso atinge cada um de nós no pior dos mundos : demissões, corte nos salários e o custo de vida em alta.

O que não pode acontecer - porque é um tiro no pé de todo mundo - é a remarcação automática e injustificada. Diante de um cenário de incerteza a primeira reação de quem vende é subir o preço. Ou porque o concorrente subiu ou porque o viajante passou com a tabela mais alta ou por pura esperteza. Aí mora o perigo.

Claro que ninguém consegue vender um bem por um preço inferior ao que pagou. Nem pode arriscar a sobrevivência do negócio sem a certeza do que virá pela frente. O problema é que essa auto-defesa, se for abusiva, irá criar uma espiral de alta de preços que já nos custou muito caro : a hiperinflação. 

O desarranjo econômico e financeiro que enfrentamos é terrível, mas terá um fim. Na pior das hipóteses nos acostumaremos a lidar com os efeitos da pandemia. Essa transição será menos dolorida se agirmos com equilíbrio, inteligência e responsabilidade. Não é hora de explorar o semelhante em nome da nossa estabilidade. Dependemos um do outro e só assim sobreviveremos.

*O jornalista Carlos Nascimento é âncora do SBT Brasil
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
análise
analise
carlos nascimento
economia
negócios
financeiro
finanças
brasil
consumo
mercado

Últimas notícias

Aplicativo da Uber apresenta instabilidade, aponta site de monitoramento

Aplicativo da Uber apresenta instabilidade, aponta site de monitoramento

Clientes fizeram reclamações nas redes sociais: "mds o fim do mundo n consigo pedir um uber" (sic)
Apagão cibernético não afetou sistemas do Congresso

Apagão cibernético não afetou sistemas do Congresso

Câmara e Senado disseram que não registraram qualquer problema; recesso parlamentar teve início na quinta-feira
PSDB antecipa convenção partidária para anunciar candidatura de Datena em SP

PSDB antecipa convenção partidária para anunciar candidatura de Datena em SP

Apresentador já desistiu quatro vezes de concorrer a cargos políticos; evento ocorre no mesmo dia do lançamento da candidatura de Tabata Amaral
Assalto com granada deixa dois feridos em Copacabana, no Rio

Assalto com granada deixa dois feridos em Copacabana, no Rio

Bandido que estava com o explosivo conseguiu fugir; vítima foi encaminhada para o Hospital Municipal Miguel Couto
Atleta australiano amputa parte do dedo para participar das Olimpíadas de Paris

Atleta australiano amputa parte do dedo para participar das Olimpíadas de Paris

O jogador de hóquei Matt Dawson quebrou o dedo semanas antes do início dos Jogos Olímpicos
SP: Feira busca tutores para cães resgatados no Rio Grande do Sul

SP: Feira busca tutores para cães resgatados no Rio Grande do Sul

Pets foram castrados e receberam tratamento após as enchentes
Eleições municipais 2024: partidos poderão realizar convenções a partir de sábado

Eleições municipais 2024: partidos poderão realizar convenções a partir de sábado

Reuniões são necessárias para que legendas e federações possam lançar políticos na disputa e seguem calendário oficial da Justiça Eleitoral
Filha de deputado é encontrada morta no Mato Grosso

Filha de deputado é encontrada morta no Mato Grosso

Polícia Civil ainda apura as circunstâncias da morte da jovem de 26 anos na zona rural da cidade de Nova Mutum
Apagão cibernético afeta coleta de exames em hospital de SP

Apagão cibernético afeta coleta de exames em hospital de SP

Hospital Sírio-Libanês diz que parceiro que faz o serviço enfrentou instabilidade no sistema e coleta foi interrompida; outras unidades funcionam normalmente
"Aproveitar minha família", diz homem que sobreviveu após ter crânio perfurado por estaca de madeira

"Aproveitar minha família", diz homem que sobreviveu após ter crânio perfurado por estaca de madeira

Vitor Soares disse que o acidente aconteceu "muito rápido" e "não teve como reagir"
Publicidade
Publicidade