Publicidade

Vai colocar "pá de cal" em teoria "terraplanista", diz Padilha sobre relatório da CPMI

Documento elaborado pela senadora Eliziane Gama (PSD-MA) será apresentado nesta semana

Vai colocar "pá de cal" em teoria "terraplanista", diz Padilha sobre relatório da CPMI
Alexandre Padilha dando entrevista coletiva (Reprodução/CanalGov)
Publicidade

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse nesta 2ª feira (16.out) que, na visão do Executivo, o relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Atos de 8 de Janeiro colocará "uma pá de cal definitiva" em teoria que tentava responsabilizar o governo Lula (PT), Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF) pelo ocorrido no início do ano. A declaração foi dada em entrevista a jornalistas.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

"Nós temos também esta semana a apresentação do relatório final da CPMI, que, na nossa opinião, vai sacramentar, botar uma pá de cal definitiva naquela teoria terraplanista que tentava responsabilizar o governo, o Congresso Nacional e o Supremo pelos atos golpistas do dia 8 de janeiro", pontuou Padilha.

"O relatório da relatora Eliziane Gama, a expectativa de que esse relatório sacramente de vez aquela teoria terraplanista, dê uma pá de cal naquela teoria, como nós dissemos desde o começo, acabando com aquela tese de uma certa extrema-direita que passou pano para os atos golpistas e terroristas do dia 8 de janeiro".

Ainda de acordo com ele, o governo acompanhará de perto a apresentação do documento e espera que este possa pedir o indiciamento de "todos aqueles que nos relatórios, nos depoimentos, reuniram evidências de que planejaram, executaram ou financiaram os atos golpistas do 8 de janeiro".

Reunião com Lula

Padilha participou de uma reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na manhã desta 2ª. Na entrevista, o ministro disse que o encontro "teve como ponto inicial a pauta do Congresso nesta semana". "Então discutimos com o presidente. Estava eu, o líder Randolfe [Rodrigues], líder [José] Guimarães. O ministro [Fernando] Haddad".

Ele prosseguiu: "O presidente Lula reforçou a prioridade absoluta do governo da pauta do Congresso das medidas que garantem a recuperação econômica do país, que mantenha esse ciclo novo de recuperação econômica, de redução da taxa de juros, da trajetória descente da taxa de juros, de atração de investimentos internacionais e de consolidação desse ambiente macroeconômico do país".

Dessa forma, de acordo com Padilha, trataram "da prioridade no Senado da votação do projeto que regulamenta o tema das apostas eletrônicas, que já foi aprovado na Câmara, que é um dos projetos prioritários, e na Câmara, que está trancando a pauta da Casa inclusive, é a taxação dos fundos offshores e fundos exclusivos".

O presidente, segundo o ministro, "reiterou a prioridade do governo na relação com o Congresso Nacional da aprovação do plano feito pelo ministro Haddad de consolidação do ambiente macroeconômico do país, de reorganização do nosso orçamento e da garantia das metas fiscais estabelecidas pelo governo, de perseguir essas metas fiscais".

Outro tema tratado na reunião, disse, foi o diálogo feito pelo governo com o relator da reforma tributária no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM). "Devemos ter reuniões durante a semana com o relator. A expectativa no calendário estabelecido é que no final de outubro seja apresentado esse relatório na CCJ, que a gente possa garantir a votação em novembro no Senado e concluir a aprovação da reforma tributária ainda este ano", complementou.

O tema, de acordo com Padilha, "é prioridade" para o governo. Conforme o ministro, este continuará trabalhando junto ao Senado e à Câmara para concluírem a votação da reforma ainda em 2023. "É essencial acabar com a verdadeira balbúrdia tributária que nós temos no país", acrescentou.

Na Câmara também, afirmou, o governo continuará buscando a votação da lei que cria debêntures para a infraestrutura. "Já aprovamos no Senado o texto, foi um texto acordado com o Ministério da Fazenda", complementou. Segundo o ministro, é outro tema prioritário para o governo na relação com o Congresso.

Taxação de fundos

Conforme Padilha, o governo tem acordo com o relatório apresentado pelo relator Pedro Paulo (PSD-RJ) sobre o projeto que taxa fundos offshores e fundos exclusivos, e vem conversando sobre o texto com as bancadas.

"Estava marcado para ser votado na semana que vem. Na última semana os líderes trataram junto com o presidente em exercício a possibilidade de votar esta semana, à medida que tranca a pauta. Vamos continuar dialogando, se pode votar esta semana ou na próxima semana. O fundamental é que tem um relatório acordado com o governo".

Marco temporal

Ainda na entrevista, ele falou sobre o marco temporal para a demarcação de terras indígenas. "O texto já veio para os ministérios, são vários ministérios envolvidos, nós estamos aguardando as manifestações deles, temos até o dia 20 de outubro, é o prazo limite para essa decisão. Os vários ministérios estão começando a se posicionar, terá uma reunião entre Casa Civil, nós da secretaria durante a semana para tomar uma decisão final", disse Padilha.

"Agora, não tenho dúvida, o presidente tem compromisso com os direitos dos povos indígenas e compromisso com a Constituição brasileira. Então a postura do presidente sempre será de compromisso com os direitos dos povos indígenas, com a proteção das terras indígenas".

Para Padilha, o projeto aprovado no Congresso "tem uma série de penduricalhos que agridem inclusive terras já demarcadas, identificadas como terras indígenas".

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
noticias
governo
congresso
alexandre padilha
reunião
lula
cpmi
relatório
projetos
taxação
fundos
reforma tributária
marco temporal
guilherme-resck

Últimas notícias

União Brasil faz convenção, mas não define apoio ou candidatura própria para prefeitura de São Paulo

União Brasil faz convenção, mas não define apoio ou candidatura própria para prefeitura de São Paulo

Partido está entre lançar candidatura própria com Kim Kataguiri ou apoiar Ricardo Nunes na reeleição
Morre no Rio de Janeiro o dramaturgo Antonio de Bonis

Morre no Rio de Janeiro o dramaturgo Antonio de Bonis

Artista ficou conhecido pela direção do musical “Emilinha e Marlene - As Rainhas do Rádio"
Explorando o Rio de bike: roteiro até o Aeroporto Santos Dumont

Explorando o Rio de bike: roteiro até o Aeroporto Santos Dumont

Descubra a beleza escondida da ciclovia Mané Garrincha e suas vistas deslumbrantes pelo caminho
Missão que levou homem à Lua pela primeira vez completa 55 anos

Missão que levou homem à Lua pela primeira vez completa 55 anos

Três astronautas americanos participaram da empreitada organizada pela Nasa
"Homem que é homem" não bate em mulher, diz Lula durante evento em São Bernardo do Campo (SP)

"Homem que é homem" não bate em mulher, diz Lula durante evento em São Bernardo do Campo (SP)

Fala vem poucos dias depois de presidente dar declaração considerada machista
Sem vice-prefeito, Eduardo Paes oficializa candidatura à reeleição no Rio

Sem vice-prefeito, Eduardo Paes oficializa candidatura à reeleição no Rio

Durante convenção partidária, Paes falou sobre ter cumprido ou não propostas feitas nas eleições municipais de 2020
Robô da Nasa encontra mineral inédito em Marte

Robô da Nasa encontra mineral inédito em Marte

Cristais de enxofre puro amarelos foram revelados após o rover Curiosity passar sobre uma rocha
Taxista é preso por integrar quadrilha paulista que rouba casas de luxo no Rio

Taxista é preso por integrar quadrilha paulista que rouba casas de luxo no Rio

Segundo as investigações, o homem utilizava o veículo para guiar os assaltantes até as casas que seriam roubadas
Rebelião de presos incendeia presídio em Franco da Rocha, Grande São Paulo; situação foi controlada

Rebelião de presos incendeia presídio em Franco da Rocha, Grande São Paulo; situação foi controlada

O motim foi o primeiro em quatro anos, em São Paulo, segundo o Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (SIFUSPESP)
Helicóptero dos bombeiros faz pouso forçado às margens do rio Araguaia em Goiás; piloto fica ferido

Helicóptero dos bombeiros faz pouso forçado às margens do rio Araguaia em Goiás; piloto fica ferido

Motivos do pouso de emergência estão sendo investigados pelos órgãos competentes
Publicidade
Publicidade