Publicidade

Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos

Dois ministros do STM consideraram homicídio culposo a ação do Exército que teve 257 tiros de fuzil e resultou em duas mortes

Militares que metralharam família no RJ podem ter penas reduzidas de 30 para 3 anos
Publicidade

O Superior Tribunal Militar (STM) iniciou a análise do recurso apresentado pela defesa de oito militares do Exército envolvidos em uma ação que teve 257 disparos e resultou em duas mortes no Rio da Janeiro, em abril de 2019. Dois ministros votaram pela descaracterização de homicídio doloso (com intenção), entendendo ter havido homicídio culposo (não intencional). O julgamento foi interrompido, nesta quinta-feira (29), por um pedido de vista.

Na polêmica ação do Exército, na Zona Norte do Rio de Janeiro, 82 tiros acertaram o carro de uma família que seguia para um chá de bebê. O músico Evaldo Rosa, 51, levou 9 tiros e morreu na hora.

Dentro do veiculo havia cinco pessoas, incluindo ele, a esposa, o filho de 7 anos e o sogro, que também foi atingido, mas sobreviveu. Ao ver a cena, o catador de latinhas Luciano Macedo tentou socorrer a família e foi alvejado. Morreu 11 dias depois.

Em 2021, dos 12 militares envolvidos, a Justiça Militar condenou 8 e absolveu 4 (falta de provas) em primeira instância, por homicídio doloso qualificado (morte de Evaldo) e tentativa de homicídio doloso qualificado (morte do sogro de Evaldo).

Dos 8 condenados, 7 receberam uma sentença de 28 anos de reclusão e foram excluídos do Exército, por não serem oficiais e terem penas superiores a 2 anos. A pena do tenente que comandava o grupo foi maior: 31 anos e 6 meses de reclusão. Ele permaneceu no Exército, em razão da patente.

Todos os réus puderam recorrer em liberdade. Ao apresentar o recurso no STM, a defesa sustentou que a ação dos réus foi um "erro plenamente justificado pelas circunstâncias". Na sustentação oral, o advogado Rodrigo Roca disse que os militares se depararam com uma situação “praticamente impossível” de acontecer.

“Eles foram defender o cidadão de bem. Agiram em legítima defesa. Eles teriam sido informados sobre um assalto na região e entrado em confronto com bandidos, que fugiram. Na perseguição, teriam confundido o carro do músico, que já teria uma marca de bala, com o dos criminosos”, declarou.

“O local era de conflito e estavam o dia inteiro no combate. Há um pano de fundo que precisa ser considerado. É o que as Forças Armadas esperam de seus militares”, complementou o advogado.

A defesa também informou que os militares estavam em missão, fardados e cumprindo ordens. “No Código Penal Militar, é isento de pena quem atua supondo uma situação de fato que, se existisse, tornaria a ação legítima. Se é preciso um pretexto jurídico para desvendar essa ação humana, é este", acrescentou Roca, que pediu a absolvição dos réus, a alteração por homicídio culposo ou a redução da pena dos militares.

No papel de acusação, o procurador-geral junto à Justiça Militar, Antônio Pereira Duarte, afirmou que "não havia assalto em andamento" para os militares agirem daquela maneira e que, ao recorrer da condenação, os militares reiteram a tese de que supunham estar sob ameaça.

O advogado André Perecmanis atuou como assistente de acusação, em nome das famílias das vítimas. Na sustentação oral no STM, ele afirmou que a defesa dos militares alegar que eles estavam sob estresse não é razoável. “Se as Forças Armadas trocarem tiros na parte da manhã, ninguém sai às ruas porque tudo pode acontecer”, sustentou.

“Se houver um assalto e alguém estiver com um carro igual ou parecido com o dos assaltantes, será uma fatalidade ser metralhado com 82 tiros de fuzil. E a população gritava, os vídeos mostram: 'É trabalhador'. E nem assim esses militares mostraram empatia”, concluiu André.

O relator no STM, ministro Carlos Augusto Amaral, decidiu absolver os acusados do crime de homicídio contra o músico Evaldo Rosa dos Santos, com base no art. 439, alínea "e", do CPPM (Código de Processo Penal Militar), isto é, por inexistir prova suficiente para a condenação.

O ministro relator considerou a possibilidade de ocorrência de um crime impossível, diante da possibilidade de a vítima já estar morta em razão do primeiro fato - momento da troca de tiro com os verdadeiros criminosos. Como não havia certeza absoluta dessa circunstância, ele considerou a dúvida a favor dos acusados, resultando em absolvição pela morte de Evaldo.

Já em relação à morte do catador de latinhas Luciano Macedo, o magistrado votou para mudar a sentença de homicídio doloso para homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e reduzir o tempo de prisão para cerca de três anos em regime aberto.

O relator considerou a tese da chamada legítima defesa “putativa”, que é quando uma pessoa reage, de forma “fantasiosa”, ao que pensa ter sido uma agressão real. Um exemplo clássico, segundo os doutrinadores do Direito, é o da pessoa que reage a uma “pegadinha” na rua. A pena fixada no voto foi de cerca de 3 anos.

O segundo a votar foi o José Coelho Ferreira, acompanhou na íntegra o voto do relator. Na sequência, a ministra Maria Elizabeth Rocha pediu vista (mais tempo para analisar), interrompendo o julgamento. Ainda não há previsão de retorno à pauta.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

Justiça
Rio de Janeiro
Crime
crime organizado
Julgamento
Exército

Últimas notícias

Moraes autoriza nova investigação da PF sobre cartão de vacina de Bolsonaro

Moraes autoriza nova investigação da PF sobre cartão de vacina de Bolsonaro

Decisão atende pedido da PGR, que apura ligação com tentativa de golpe de Estado
Polícia vai investigar morte de cachorro embarcado em voo errado da Gol

Polícia vai investigar morte de cachorro embarcado em voo errado da Gol

Cão da raça golden retriever deveria ser levado para Mato Grosso, mas foi enviado por engano para o Ceará; viagem levou 8 horas
Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Chamas queimam desde o último domingo (21) em um dos maiores aterros da Índia; moradores relataram dificuldade para respirar
+Milionária sorteia prêmio de R$ 176 milhões nesta quarta-feira (24)

+Milionária sorteia prêmio de R$ 176 milhões nesta quarta-feira (24)

Apostas podem ser feitas até as 19h em casas lotéricas ou pela internet
Após meses de impasse, Congresso dos EUA aprova ajuda de R$ 60 bilhões à Ucrânia

Após meses de impasse, Congresso dos EUA aprova ajuda de R$ 60 bilhões à Ucrânia

Decisão foi comemorada por Biden e Zelensky; pacote também inclui envios para Israel e parceiros no Indo-Pacífico
SBT News na TV: Gol suspende transporte de animais por 30 dias após morte de cachorro

SBT News na TV: Gol suspende transporte de animais por 30 dias após morte de cachorro

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta quarta-feira (24); assista!
STF condena mais 11 pessoas por atos golpistas do 8/1 e total sobe para 207

STF condena mais 11 pessoas por atos golpistas do 8/1 e total sobe para 207

Penas foram fixadas entre 11 e 17 anos de prisão, além de R$ 30 milhões em danos morais coletivos
Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 6

Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 6

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimento virtualmente; depósito inclui Auxílio Gás
Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Mobilização recebeu apoio de setores da oposição em todo o país
Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Segundo a empresa, a suspensão é "para se dedicar totalmente a concluir o processo de investigação" do caso
Publicidade
Publicidade