Publicidade

ANÁLISE: O que será de nós ano que vem? Por Carlos Nascimento

Leia a análise do âncora do SBT Brasil sobre a situação da economia brasileira para 2021

ANÁLISE: O que será de nós ano que vem? Por Carlos Nascimento
Foto: Unsplash
Publicidade

Nem cartomantes, nem videntes e nem astrólogos sabem como será o Brasil de 2021 | Foto: Unsplash

Esta pergunta não é feita para videntes, cartomantes ou astrólogos. Nem para os patrões, empresários, administradores, economistas e outros que poderiam trazer de volta os empregos perdidos e os negócios fechados pela pandemia.

É uma pergunta para o governo.

O Brasil atravessará as festas de fim de ano sem saber o que esperar de 2021. Falta-nos uma estratégia para recuperar a atividade econômica de modo coerente, articulado e minimamente previsível.

Todo comerciante que fechou as portas quer reabri-las, assim como os que perderam o emprego não veem a hora de voltar ao trabalho. Mas qual trabalho? 

Conheci a dona de uma agência de turismo que foi obrigada a encerrar o negócio na capital e hoje faz conservas de tomate seco na casa em que  nasceu, no interior. Haverá volta ? Um senhor que trabalhava com automação industrial aprendeu a montar quadros  e agora vende molduras. Até quando?

As prioridades, hoje são ou deveriam ser enfrentar a segunda onda da pandemia e realizar com êxito a campanha de vacinação. Mas isso não desobriga o governo de apresentar, antes do fim do ano, um programa de retomada econômica com a participação e o apoio do Congresso Nacional. 

Fala-se muito da recuperação "em V", o que significa sairmos do buraco com a mesma força e velocidade com que entramos. Será? Como os empresários e investidores arriscarão seus recursos sem saber para onde caminha o Brasil? 

O dólar recuou e a Bolsa de Valores subiu em novembro com a volta de investidores estrangeiros, mas esse é um dinheiro volátil que ao menor sinal de fumaça irá embora 

O maior risco que corremos hoje nessa praia é a perda do controle das contas públicas, o que levaria o País ao descrédito internacional, aí incluídos o desequilíbrio fiscal e a quebra do teto de gastos. 

Do ponto de vista prático podemos desenvolver um programa de infraestrutura e obras públicas com as chamadas PPP - Parcerias Público Privadas e criar empregos em todas as regiões do País.

Rodovias, ferrovias, aviação regional, linhas de transmissão de eletricidade, obras inacabadas e investimentos em saneamento, lixo, oferta de água e de moradias. 

Fora a concessão de serviços públicos que não interessam mais ao Estado e um pacote de privatizações interrompidas ou que nem saíram do papel. 

Nem tudo é possível prever quanto ao funcionamento das escolas , fábricas, escritórios e serviços no ano que vem. Muitas dessas atividades dependem do sucesso da vacinação e do recuo da pandemia. Ou seja descobriremos o que vai acontecer com o passar dos dias, semanas e meses de 2021. 

O que não tira a obrigação do governo de priorizar e tornar públicas as metas de recuperação econômica e organizacional do Brasil para o ano que vem. 

Pode ser inviável montarmos alternativas  A, B ou C, mas algum plano é preciso ter. Milhões de brasileiros dependem da reestruturação econômica e não podem viver de migalhas. 

Já não se trata de auxílios em dinheiro, bolsas ou donativos para a sobrevivência dos "invisíveis", como são chamados. Nem da criação de impostos milagrosos pois a arrecadação fácil é um convite ao uso indevido dos recursos. 

Hora de agir, ousar e governar. Caso contrário aumentarão a informalidade, a precariedade social, o desalento, a pobreza e a fome. Ninguém deseja isso, deseja?

*O jornalista Carlos Nascimento é âncora do SBT Brasil
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
análise
economia
analise
carlos nascimento
finanças
futuro
2021
país
nação

Últimas notícias

Apagão cibernético afeta companhias aéreas, bancos e emissoras ao redor do mundo

Apagão cibernético afeta companhias aéreas, bancos e emissoras ao redor do mundo

Falha vem sendo relatada sobretudo por usuários da Microsoft
CNC: intenção de consumo reduz, mas satisfação com renda é a maior desde 2015

CNC: intenção de consumo reduz, mas satisfação com renda é a maior desde 2015

Crédito ainda seletivo deixa famílias de baixa renda com pouca perspectiva de compras
Parlamento israelense vota contra criação de Estado palestino

Parlamento israelense vota contra criação de Estado palestino

Partidos alegaram que ação representaria um perigo existencial para o país, provocando conflito
MEC libera consulta às bolsas ofertadas pelo Prouni; veja como acessar

MEC libera consulta às bolsas ofertadas pelo Prouni; veja como acessar

Programa ofertará mais de 243 mil vagas em universidade privadas do país; inscrições começam em 23 de julho
SBT News na TV: terremoto de 7,3 graus atinge Chile e é sentido por brasileiros

SBT News na TV: terremoto de 7,3 graus atinge Chile e é sentido por brasileiros

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta sexta-feira (19); assista!
Trump promete "maior operação de deportação da história dos EUA" se eleito

Trump promete "maior operação de deportação da história dos EUA" se eleito

Declaração foi feita durante discurso na Convenção Nacional do Partido Republicano
Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 2

Recurso pode ser sacado em agências bancárias ou movimentado virtualmente
Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 201 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 14 mil cada
Dia Nacional do Futebol: entenda a origem da data comemorativa de 19 de julho

Dia Nacional do Futebol: entenda a origem da data comemorativa de 19 de julho

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) oficializou o Dia Nacional do Futebol em 1976
No 1º discurso após o atentado, Trump adota discurso moderado e pede que "discórdia" e "divisão" sejam curadas

No 1º discurso após o atentado, Trump adota discurso moderado e pede que "discórdia" e "divisão" sejam curadas

Ex-presidente também destacou que poderia ter morrido e relembrou detalhes do atentado
Publicidade
Publicidade