Publicidade

ANÁLISE: Vacinar com quem entende, por Carlos Nascimento

Leia a análise do âncora do SBT Brasil sobre a situação brasileira da vacinação durante a pandemia

ANÁLISE: Vacinar com quem entende, por Carlos Nascimento
Brasileiro tem esperança de que a vacinação contra o coronavírus seja diferente do que aconteceu na pandemia. Foto: Unsplash
Publicidade
O que todo brasileiro espera é que a vacinação contra a Covid 19 seja muito diferente da pandemia. Que o governo federal, os estaduais, as prefeituras, o Ministério da Saúde e todos os órgãos envolvidos atuem integrados, unidos e bem preparados.

Tivemos tempo, experiência,contato e exemplos suficientes de como lidar com o coronavírus. Se não aprendemos tudo o que devemos fazer sabemos bem o que não fazer. 

Mal a vacinação foi anunciada e começou o brasileirismo de levar vantagem. Alguns se acham melhores do que os outros e querem ser vacinados na frente, mesmo sem fazer parte dos grupos de risco. Que coisa feia ! Ainda mais partindo de quem partiu.

Os critérios de vacinação não podem ser políticos, classistas, regionalistas, corporativos e muito menos para atender interesses familiares ou de ligações com o poder. Chega de carteiradas.

Já era hora de termos um comitê de crise integrado por representantes de todos os setores  que participaram do combate ao vírus e adquiriram conhecimento, experiência e metodologia. Isso inclui os órgãos públicos, epidemiologistas, médicos, enfermeiros, hospitais, pesquisadores, laboratórios farmacêuticos públicos e privados, instituições científicas e brasileiros que atuaram na linha de frente internacional.

A vacinação contra a Covid 19 é antes de tudo uma questão médica, científica e epidemiológica. Depois entram a logística, o transporte, a armazenagem e a distribuição física da vacina. Não menos importantes, é claro.

Desde logo é necessário designar um responsável geral, escolhido pelos pares e com autoridade clínica, estratégica e operacional. Um líder capaz de cumprir a missão sem interferência política ou governamental, com independência e liberdade de ação. 

O primeiro passo deveria ter sido um  protocolo que estabelecesse os critérios para a compra das vacinas pela União e pelos estados. O que vimos foi uma tentativa de um poder querendo melar a iniciativa do outro, gesto tão inacreditável quanto inadmissível. A vacina é volumosa, cara e disputada e o dinheiro curto. Se o País não tiver competência para fazer a aquisição corremos o risco de ficar para trás e comprometer a imunização dos brasileiros. 

Se o chefe da vacinação for demitido ou substituído no meio da campanha - o que já aconteceu no início da pandemia  - estaremos ameaçando uma operação de vida ou morte para milhões de pessoas. 

Os políticos que se recolham ao seu quadrado e deem retaguarda, apoio e recursos a quem entende do riscado. É hora de defenderem a vida dos brasileiros e não de pensar em reeleição, prestígio, votos e salamaleques eleitorais. Muito menos de se tornarem  enciumados e vingativos porque seus opositores obtiveram êxito com a vacinação em suas regiões. Parece um absurdo escrever essas coisas, mas o Brasil já mostrou ao mundo que isso é possível. Como mostrou várias vezes que é possível vacinar em larga escala e rapidamente.

Um imperativo se impõe para o êxito da vacina : a comunicação. Se prosseguirmos nessa toada de cada autoridade dizer o que quer, sem compromisso com o povo brasileiro podem apostar no pior. O País investirá uma fortuna e vai sobrar vacina. Muita gente morrerá ao cair nessa armadilha da língua solta, por obra de quem fala o que não sabe.

Nem preciso citar nossos quase 180 mil mortos ou recorrer a estatísticas e histórias documentadas pela imprensa. Conheço família que perdeu o pai por fazer festa na hora errada.

Em outro caso, vergonhosamente ouvi pessoas dizerem : 

- "Meu parente morreu mas não foi do vírus. Era velho e tinha outras doenças. Ia morrer de qualquer jeito". 

E não foi uma vez só. 

A comunicação oficial da campanha deve informar todos os passos de maneira clara, esclarecer quem e porquê será vacinado em cada fase, quais as contraindicações, como funciona a vacina, quais as possibilidades de não fazer efeito, as possíveis reações e, o mais importante : deixar claro que tomar a vacina pode não ser obrigatório, mas é altamente recomendado pelas autoridades da saúde.  

Por incrível que pareça é necessário deixar isso claro.


*O jornalista Carlos Nascimento é âncora do SBT Brasil
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
análise
analise
carlos nascimento
vacina
vacinação
brasil

Últimas notícias

Criminosos que deixaram taxista morrer em carro são identificados

Criminosos que deixaram taxista morrer em carro são identificados

Vítima de latrocínio ficou várias horas preso em veículo, sob calor de 50°C, em linha férrea no Espírito Santo
Sul, Norte e Nordeste têm previsão de chuva forte nesta sexta-feira

Sul, Norte e Nordeste têm previsão de chuva forte nesta sexta-feira

Também pode chover durante todo o dia em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas com menor intensidade
FMI sobe para 2,5% a projeção de crescimento médio da economia brasileira

FMI sobe para 2,5% a projeção de crescimento médio da economia brasileira

Relatório aponta reforma tributária e transformação ecológica como fatores que ajudam o desenvolvimento econômico e ao PIB do Brasil
Filho de Nicolas Cage agride a própria mãe e é preso

Filho de Nicolas Cage agride a própria mãe e é preso

Weston Cage teria cometido agressão após transtornos; astro pagou fiança do filho para tirá-lo da cadeia
Recém-chegado da Bahia é morto durante assalto em SP

Recém-chegado da Bahia é morto durante assalto em SP

Jovem foi cercado por quatro criminosos; vítima usava calça de empresa semelhante à de policiais, provável motivo para disparos
ENGANOSO: É enganoso que fundação de Bill Gates tenha financiado pesquisa para tornar gripe aviária transmissível para humanos

ENGANOSO: É enganoso que fundação de Bill Gates tenha financiado pesquisa para tornar gripe aviária transmissível para humanos

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Brasil Agora: "Abin paralela" e Bolsonaro no alvo da PF; as gafes de Biden

Brasil Agora: "Abin paralela" e Bolsonaro no alvo da PF; as gafes de Biden

Confira essas e outras notícias desta sexta-feira (12) nas primeiras horas da manhã, com apresentação de Murilo Fagundes e comentários de Iasmin Costa
Sexting: o que é a prática que pode ter levado ao fim namoro de Iza

Sexting: o que é a prática que pode ter levado ao fim namoro de Iza

Pivô da separação diz que não houve encontro, só troca de mensagens entre os dois
Eleições EUA: Trump aparece na frente em relação a Joe Biden nas casas de apostas

Eleições EUA: Trump aparece na frente em relação a Joe Biden nas casas de apostas

Mesmo sendo voltadas, em sua maioria, para apostas esportivas, a disputa entre presidentes tem despertado o interesse de diversos apostadores
Das deepfakes à cobertura colaborativa: desafios do jornalismo na era digital são destaques em Congresso da Abraji

Das deepfakes à cobertura colaborativa: desafios do jornalismo na era digital são destaques em Congresso da Abraji

19º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo começou nesta quinta-feira (11), em São Paulo, com presença do SBT News
Publicidade
Publicidade