Publicidade

ANÁLISE: O crime está ganhando, por Carlos Nascimento

Leia a análise do âncora do SBT Brasil sobre a situação da Segurança Pública no país

ANÁLISE: O crime está ganhando, por Carlos Nascimento
Vladimir Platonow/Agência Brasil
Publicidade

Ação da Força Nacional no Ceará, contra o crime organizado. Foto: Vladimir Platonow/Agência Brasil

É inadmissível, vergonhosa e revoltante a invasão de cidades brasileiras por assaltantes de bancos que imobilizam a polícia, atiram nas residências e fazem filas de reféns na rua.

O que começou como uma imitação  do cangaço, em municípios do interior do País encorajou os bandidos a fazer o mesmo em cidades importantes e populosas, como Botucatu e Araraquara, em São Paulo, Criciúma, em Santa Catarina e Cametá, no Pará.

Os assaltos a caixas eletrônicos se alastraram nos últimos anos sem que houvesse uma reação convincente para intimidar os ladrões. 

Comecei como repórter em uma cidade de quinze mil habitantes, com juiz, promotor, delegado de Polícia, dois escrivães, dois investigadores e guardada por um pelotão de nove homens da Força Pública - todos os policiais no mesmo prédio - numa época em que não havia crimes.

Hoje coabito um município de dez mil habitantes em que a agência do Bradesco foi atacada uma vez e a do Banco do Brasil duas e destruída. A cidade não tem delegado e a sede da antiga delegacia foi desativada. Dois PMs , numa casa alugada cuidam da segurança da área urbana e de oitocentas  propriedades rurais, como se fosse possível.

Poderão dizer que não se justifica sacrificar a vida de policiais para proteger o dinheiro dos bancos, o que faz sentido, mas é um raciocínio incompleto. Quando o Poder Público dá sinais de fraqueza o crime ocupa espaço e a violência aumenta. O risco para policiais e cidadãos também.

Os policiais brasileiros se queixam de efetivo insuficiente, salários baixos, falta de recursos operacionais, de terem armas menos poderosas do que as dos criminosos e criticam a Justiça por libertar bandidos capturados à custa de anos de investigação.

Nos debates eleitorais de governadores e Presidente,  o que mais se ouve é o interminável jogo-de-empurra da falta de fiscalização nas fronteiras e da entrada de armas contrabandeadas de países vizinhos. Há décadas falam a mesma coisa.

Uma vez, em Boston, encontrei a cidade bloqueada para o desfile da Independência e não podia ir a lugar algum. Comecei a observar os policiais nas esquinas, ao lado de carros blindados, turbinados e cheios de fuzis, metralhadoras, telas, impressoras, imagens e antenas de satélite. Homens e mulheres com a faca nos dentes. 

O nosso problema é mais abrangente : sofremos da falta de uma política moderna de policiamento que privilegie a inteligência, a estratégia, a valorização dos policiais e a renovação dos métodos.Para ser claro é preciso mexer com urgência no modelo de segurança pública brasileiro. 

Algumas dessas reformas foram aprovadas no " pacote anticrime" e outras rejeitadas pelo Congresso para enfraquecer o então ministro da Justiça, Sérgio Moro. A principal perda, sem dúvida, foi a medida que oficializava a prisão dos condenados em segunda instância.

No caso desse "pacote" caprichos  pessoais e políticos se sobrepuseram a iniciativas sérias para combater o crime. Isso confirma que dificilmente será aprovada a base da reforma da polícia brasileira : a fusão das polícias civis e militares e sua transformação em polícias estaduais. 

Uma providência que clama em nome da racionalidade, da maior eficiência e da junção de forças que formariam uma polícia única e muito mais poderosa. 

Infelizmente prevalecem os interesses corporativos, a rivalidade de delegados  e oficiais , a disputa de cargos e salários e a dúvida de quem vai mandar em quem. 

Para que insistir em duas polícias que não se gostam, não se misturam, não agem juntas e com essa divisão enfraquecem o poder do Estado diante do crime ? Pior : têm orçamentos distintos e custam o dobro. 

Esta não é uma crítica aos policiais civis e militares que no anonimato de sua profissão fazem o que podem e arriscam a vida para proteger a sociedade. É a favor, não contra. 
   
Apregoa-se a desmilitarização da PM, o que é um preconceito ideológico, não uma solução prática. A polícia de que precisamos é diferente das que temos. Uma polícia nova, nem civil nem militar, com outra organização interna, desenhada para o Brasil de hoje.

Meu sogro, segundo tenente reformado João Rodrigues Pereira, da PM de São Paulo teve uma oportunidade rara : começou a carreira na Força Pública, mudou-se para a Guarda Civil e voltou para as fileiras da Polícia Militar. Respeitava e tinha admiração pelas três corporações, mas sempre dizia que o modelo mais indicado de policiamento era o da antiga Guarda Civil, hoje algo próximo da Scotland Yard.

Um dia perguntei sobre a unificação das polícias a uma altíssima autoridade da República e ouvi uma reprimenda :

- O quê ? Você quer me arranjar confusão com as polícias ? Deixe como está. É mexer em vespeiro.

Estamos mal. Meu sogro policial (já falecido), eu e todos aqueles que pensam como nós.

O crime agradece. Enquanto nos recusarmos a enfrentar o mais evidente entrave à eficiência da polícia brasileira - duas policias de costas uma para a outra - e prevalecerem os interesses políticos, pessoais e corporativos, a sociedade será derrotada. Os bandidos continuarão a aterrorizar nossas cidades, a assaltar bancos, a tirar a vida de policiais e cidadãos e afrontar o Estado brasileiro.

Acreditem: eu ainda escrevia sobre o que aconteceu em Criciúma e os bandidos já atacavam Cametá.

*O jornalista Carlos Nascimento é âncora do SBT Brasil
 
Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
analise
análise
segurança pública
carlos nascimento
brasil
violência
criminalidade

Últimas notícias

"Quem se assustou que tome um chá de camomila", diz Maduro após Lula comentar "banho de sangue"

"Quem se assustou que tome um chá de camomila", diz Maduro após Lula comentar "banho de sangue"

Maduro também perguntou ao público: "Vocês querem que chegue ao poder um Milei? Que chegue um Bolsonaro?"
Resultado Mega-Sena 2752: ninguém acerta dezenas e prêmio acumula para R$ 65 milhões

Resultado Mega-Sena 2752: ninguém acerta dezenas e prêmio acumula para R$ 65 milhões

Cinco pessoas acertaram a quina e levaram R$ 51.676,02 cada
Macron recusa nomeação de primeira-ministra indicada pela esquerda

Macron recusa nomeação de primeira-ministra indicada pela esquerda

Presidente francês disse que só tomará decisão após Jogos Olímpicos
"A Caverna Encantada": conheça a nova novela do SBT que promete emoção e mistério

"A Caverna Encantada": conheça a nova novela do SBT que promete emoção e mistério

Com uma história repleta de mistérios, confusões, diversão, amor e fé, a trama promete conquistar toda a família brasileira
Grupos palestinos assinam acordo para reconstruir a Faixa Gaza

Grupos palestinos assinam acordo para reconstruir a Faixa Gaza

Formação da comunidade foi acordada nesta terça-feira (23), na China
Cientistas descobrem produção de oxigênio no fundo do mar que pode mudar o que sabemos da origem da vida

Cientistas descobrem produção de oxigênio no fundo do mar que pode mudar o que sabemos da origem da vida

Estudo publicado na revista Nature Geoscience mostra que há indícios de produção do gás mesmo sem fotossíntese
Eduardo Campos vai receber título de cidadão paulistano 10 anos após a morte

Eduardo Campos vai receber título de cidadão paulistano 10 anos após a morte

Prefeito de Recife, João Campos representará o pai na cerimônia
Suspeito morre após troca de tiros com a polícia na zona sul de São Paulo

Suspeito morre após troca de tiros com a polícia na zona sul de São Paulo

Policiais do GOE afirmam que realizavam patrulhamento na região, quando foram recebidos por disparos de arma de fogo
Brasil busca recorde de pódios nas Olimpíadas de Paris

Brasil busca recorde de pódios nas Olimpíadas de Paris

Rayssa Leal, Rebeca Andrade, Gabriel Medina e outros atletas podem contribuir para o país a garantir ainda mais medalhas na competição
Vídeo: Parque de Yellowstone nos EUA tem explosão hidrotérmica; entenda

Vídeo: Parque de Yellowstone nos EUA tem explosão hidrotérmica; entenda

Apesar do susto, não houve relatos de feridos no parque, que foi fechado temporariamente
Publicidade
Publicidade