Publicidade

Desde a pandemia, pessoas com deficiência foram demitidas e não realocadas no mercado de trabalho em SP

Mais de 120 mil PcD’s foram mandados embora e somente 108 mil admitidos, um saldo de −12 mil, o equivalente a −12%, entre contratações e demissões, entre 2020 e 2023

Desde a pandemia, pessoas com deficiência foram demitidas e não realocadas no mercado de trabalho em SP
Publicidade

Com a retomada econômica depois do auge da pandemia do coronavírus, os empregos para o público foram recuperados após as demissões em massa, em 2020, no estado de São Paulo.

No entanto, a recuperação da economia deixou de fora as pessoas com deficiência (PcD), que continuaram sendo demitidas e não recolocadas no mercado de trabalho.

Entre 2020 e 2023, considerando janeiro a novembro dos anos, por um lado, quase 23.7 mi de pessoas foram contratadas, enquanto 21.6 mi foram demitidas, um balanço de mais de 2 mi positivo, representando +9,5% entre contratações e demissões.

Por outro, no mesmo período, mais de 120 mil PcD’s foram mandados embora e somente 108 mil admitidos, um saldo de −12 mil, o equivalente a −12%, entre contratações e demissões, segundo levantamento exclusivo do SBT News feito com dados do Observatório dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Para Cristiane Makida, especialista em política pública do instituto Olga Kos, que atende pessoas com e sem deficiência em situação de vulnerabilidade, as empresas estavam mais preocupadas na recuperação financeira do que em diversidade.

“As empresas, de modo geral, estavam mais preocupadas numa retomada econômica do que pensar em questões de diversidade, inclusão e na contratação de pessoas com deficiência. Então, as pessoas com deficiência não tiveram luz e espaço para isso. Esse processo é histórico. Não é de hoje que elas têm dificuldade de entrar no mercado de trabalho. E, principalmente, pelo despreparo dos empregadores”.

Além disso, houve um cuidado maior e medo, por parte dos PcDs, que foi o de voltar para o mercado de trabalho e contrair a Covid.

“Como a gente teve um processo muito complicado nesse período, as famílias e as pessoas com deficiência, na sua grande maioria, elas possuem algumas comorbidades associadas que podem potencializar ou agravar o estado de saúde dessas pessoas com deficiência. Então, tem esse fator que foi determinante", aponta Cristiane.

Pandemia

Segundo a especialista, o alvo das demissões por parte das empresas, durante o auge da pandemia há quatro anos, era as pessoas com deficiência. A pandemia impôs a aceleração do trabalho à distância e não houve as adequações necessárias para a atuação do público no serviço remoto.

Há a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (nº 13.146/2015), que é um conjunto de dispositivos que busca promover a inclusão social do público, “mas não há uma manutenção e a permanência deles”, afirma Cristiane.

Além disso, houve a implementação do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, pela lei n.º14.020/2020, que, durante a crise sanitária, proibiu a quebra de contratos de funcionários com deficiência sem justa causa, mas a política pública não foi suficiente.

Em 2020, cerca de 4.490 milhões de pessoas empregadas no mercado formal foram demitidas, enquanto 4.420 foram contratadas, balanço de -1,63% entre demitidos e contratados.

No mesmo período, o público PcD sofreu cerca de 27 mil demissões e somente 18 mil contratações, um balanço de -33%, na comparação.

Preconceito e consequências

A especialista aponta que, em muitas empresas, há uma cultura não inclusiva, que faz que a pessoa com deficiência contratada não se sinta pertencente, exercendo uma função baseada no estereótipo preconceituoso.

“Há um entendimento das limitações, como se a deficiência fosse uma limitação para a execução de um trabalho. Isso é um estereótipo preconceituoso que cria a ineficácia da pessoa com deficiência”, diz Cristiane.

Isso reflete, principalmente, nos PCDs que são provedores de suas famílias, de suas casas e dependem dessas contratações.

“O impedimento de entrada no mercado de trabalho vai ter algumas consequências, tanto no estado de saúde, nas relações humanas e, principalmente, de ter algo que sirva para a sua própria subsistência", conclui Cristiane.

O que diz o Governo de São Paulo

Em nota ao SBT News, o Governo de São Paulo, por meio da Secretaria da Pessoa com Deficiência, afirmou que tem como um de seus pilares a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, abrangendo os 3,4 milhões de residentes com deficiência no estado.

Segundo o estado, houve um aumento nas contratações deste público: de 19,8 mil em 2020 para 33,8 mil até novembro de 2023.

A Secretaria, em colaboração com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, implementou o programa Meu Emprego Inclusivo. Este programa, operado por 20 Polos de Empregabilidade Inclusiva (PEIs), empregou, entre 2020 e 2023, 1,6 mil pessoas, com 5,9 mil encaminhamentos e 837 contratações efetivadas, somente em 2023.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

PCD
Pessoa com deficiência
Desigualdade social
São Paulo
Emprego
trabalho
Economia
dinheiro
Exclusão

Últimas notícias

Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Nova Délhi é tomada por fumaça tóxica após incêndio em lixão

Chamas queimam desde o último domingo (21) em um dos maiores aterros da Índia; moradores relataram dificuldade para respirar
+Milionária sorteia prêmio de R$ 176 milhões nesta quarta-feira (24)

+Milionária sorteia prêmio de R$ 176 milhões nesta quarta-feira (24)

Apostas podem ser feitas até as 19h em casas lotéricas ou pela internet
Após meses de impasse, Congresso dos EUA aprova ajuda de R$ 60 bilhões à Ucrânia

Após meses de impasse, Congresso dos EUA aprova ajuda de R$ 60 bilhões à Ucrânia

Decisão foi comemorada por Biden e Zelensky; pacote também inclui envios para Israel e parceiros no Indo-Pacífico
SBT News na TV: Gol suspende transporte de animais por 30 dias após morte de cachorro

SBT News na TV: Gol suspende transporte de animais por 30 dias após morte de cachorro

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta quarta-feira (24); assista!
STF condena mais 11 pessoas por atos golpistas do 8/1 e total sobe para 207

STF condena mais 11 pessoas por atos golpistas do 8/1 e total sobe para 207

Penas foram fixadas entre 11 e 17 anos de prisão, além de R$ 30 milhões em danos morais coletivos
Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 6

Caixa libera Bolsa Família para beneficiários com NIS final 6

Valor pode ser sacado em agências bancárias ou movimento virtualmente; depósito inclui Auxílio Gás
Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Estudantes e professores protestam contra cortes na educação na Argentina

Mobilização recebeu apoio de setores da oposição em todo o país
Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Após morte de Joca, Gol suspende transporte de cães e gatos por 30 dias

Segundo a empresa, a suspensão é "para se dedicar totalmente a concluir o processo de investigação" do caso
Perfis de bolsonaristas no X bloqueados pelo STF usaram canal de bate-papo para fazer lives "clandestinas"

Perfis de bolsonaristas no X bloqueados pelo STF usaram canal de bate-papo para fazer lives "clandestinas"

PF identificou que acusados de integrar milícia digital fizeram, dos EUA, transmissões ao vivo, por canais inativados judicialmente
Polícia desarticula quadrilhas especializadas em roubos a condomínios

Polícia desarticula quadrilhas especializadas em roubos a condomínios

Investigações pegaram criminosos que atuavam em 5 estados, se passavam por moradores e ostentavam nas redes sociais
Publicidade
Publicidade