Publicidade

George Santos: deputado americano se recusa a renunciar

Para especialistas, era da pós-verdade permite que políticos mintam e não sofram consequências

George Santos: deputado americano se recusa a renunciar
George Santos: deputado americano se recusa a renunciar
Publicidade

Mesmo após ter admitido mentir em seu currículo profissional e acadêmico, o deputado filho de imigrantes brasileiros e recém-eleito pelo partido Republicano, nos Estados Unidos, George Santos, se recusa a renunciar ao mandato no Congresso e continua indo ao trabalho, apesar da crítica, rejeição e zombaria pública, diz a agência de notícias americana AP News.

+ Leia as últimas notícias no portal SBT News

Segundo o veículo, George chega à Câmara dos Representantes -- Casa dos deputados americana -- na maioria dos dias para um trabalho de rotina, sem muita profundidade. O deputado foi eleito em novembro e tomou posse em janeiro, mas durante sua campanha, acusações de mentiras em sua história e até um crime de estelionato no Brasil surgiram. Veja aqui.

Para a agência, George é um caso "impensável" em gerações anteriores, mas que vai se normalizando na era da pós-verdade, conceito caracterizado pela modulação da verdade com base na emoção e na intenção de quem a profere, tendo pouca base em fatos.

+ "Tenho uma história de vida bem simples", diz filho de brasileiros eleito deputado nos EUA

Em entrevista rápida à AP News na Câmara, George na Câmara disse: "É um trabalho díficil. Se eu disse que é fácil, estaria mentindo para vocês - e eu não acho que é isso que queremos, certo?".

Então, perguntado pela agência sobre o cenário de pós-verdade, George afirmou: "Penso que a verdade ainda importa muito".

Pós-verdade

O jornal diz que George é produto de um tempo que permite que um recém-empossado à Câmara, sob juramento, possa preservar seu trabalho no dia a dia, mesmo tendo admitido ter mentido aos eleitores sobre currículo, experiência e vida pessoal, em campanha.

Sob investigação na comissão de ética da Casa e na mira de um procurador-geral de Nova Iorque, além das queixas sofridas no Brasil, George parece não se preocupar -- aliás, segundo a AP, há poucos dias ele submetou papelada para uma potencial campanha para reeleição.

"Quando os políticos mentiam, e eram pegos, eles ficavam envergonhados, ou existia algum tipo de consequência", diz Lee McIntyre, autor do livro "Pós-verdade" e pesquisador na universidade de Boston.

"O que eu vejo na era da pós-verdade não é só que as pessoas estão mentindo ou mentindo mais, é que elas estão mentindo com propósito político", disse. "A parte assustadora é que eles estão realmente não sofrendo consequências", conclui.

O que dizem os parlamentares

O Republicano Anthony D?Esposito of New York, também recém-eleito, disse que George se em contra em "delírio". "Eu não acho que isso seja um estado da política. Acho que é o estado de um indivíduo -- e o estado que ele se encontra é de delírio", diz.

"Ele não representa o nosso partido. Deixamos isso muito claro. Ele não faz parte de nós", afirma.

+ Após fraudes, republicanos pedem renúncia de George Santos nos EUA

"Ele deveria ter renunciado há muito tempo" disse o presidente do partido Democrata, Robert Garcia. "Isso não é só o que os Democratas e o que os colegas Republicanos dele em Nova Iorque dizem", Garcia disse em uma entrevista. "Ninguém o quer em Washington", afirmou.

Futuro

Ainda no salão da Câmara, em entrevista à AP News, George foi perguntado se ele estava ali para ficar, que respondeu: "Eu estou aqui para fazer o trabalho que eu eu fui eleito para fazer pelos próximo dois anos. 

A AP News também perguntou se ele concorreria à reeleição. "Talvez", respondeu.

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
george santos
americano
mentiras
pós verdade

Últimas notícias

Fila de espera no INSS para concessão de benefícios cai em 2024, diz relatório da Previdência Social

Fila de espera no INSS para concessão de benefícios cai em 2024, diz relatório da Previdência Social

Ao todo, os processos a espera de resposta inicial somam quase 1 milhão e 400, diminuição de 600 mil em relação a 2023
Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 53 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 67 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 52 mil cada
Vídeo: homem morre e bebê é baleado em tiroteio em praça de Fortaleza

Vídeo: homem morre e bebê é baleado em tiroteio em praça de Fortaleza

Imagens mostram correria no local; estado de saúde da criança é grave
Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Produção de cinema na Argentina está praticamente paralisada

Trabalhadores da área acusam Javier Milei de ter um plano para prejudicar o setor
Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

Divertida Mente 2: saiba tudo sobre o filme que chega aos cinemas na quinta-feira (20)

SBT Brasil visitou os estúdios da Pixar, em Los Angeles, para mostrar como a continuação foi produzida
Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Verão fora de época preocupa lojistas que contam com a venda de roupas de frio

Último inverno rigoroso que garantiu boas vendas foi em 2022. No ano passado, houve queda de 20%
Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Pré-candidata a vereadora e filho são mortos a tiros no RJ

Juliana Silva, conhecida como Nega Juh, foi morta em Nova Iguaçu, na noite deste sábado (15)
Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Número de acidentes em estradas federais tem aumentado

Só no ano passado, foram mais de 65 mil casos, três mil a mais do que em 2022
Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Novos temporais ameaçam a região metropolitana de Porto Alegre

Marinha montou base de operações na região das ilhas de Porto Alegre para auxiliar rapidamente a população
Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Caso Marielle: defesas pedem ao STF rejeição de denúncia e atacam falta de provas e delação inválida

Ministros da 1ª Turma decidem na terça (18) se irmãos Brazão, delegado do Rio e dois ligados à milícia do Rio sentam no banco dos réus como mandantes do crime
Publicidade
Publicidade