Publicidade

Medo em falar de saúde mental no trabalho? ESG pode quebrar o tabu

Movimento pela sustentabilidade das corporações impulsiona programas de cuidado aos colaboradores

Medo em falar de saúde mental no trabalho? ESG pode quebrar o tabu
Publicidade

Assim que o século 21 começou, muitas previsões foram feitas. Uma delas chamou mais atenção. Até porque interferiria em muitas vidas, tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Estamos falando de saúde mental, que seria o principal mal a assolar a humanidade até 2100, de acordo com uma projeção da Organização Mundial de Saúde (OMS). De fato, um levantamento de 2019 mostrou que já são mais de um bilhão de pessoas sofrendo de transtornos como, por exemplo, depressão e ansiedade.

Um quarto de século passou e pouco se fez, em grande escala, para reverter a situação. Mas, atualmente, um movimento mundial pode fazer diferença: o ESG. O tão exigido impacto postitivo que as empresas devem gerar no meio ambiente, sociedade e governança corporativa não faria tanto efeito se as corporações não se ocupassem em conhecer e melhorar o quadro de saúde mental dos funcionários.

Não é uma tarefa fácil, dizem especialistas. Porque o ideal seria ter começado a abordar saúde mental na educação de base. Ou seja, com as crianças. Só assim se evitaria o preconceito da fase adulta. Então, para as empresas interessadas em começar um programa de saúde mental, não há outro jeito: "É preciso investir na educação desse conceito como parte da cultura organizacional", avisa a gerente-sênior de Recursos Humanos da Nestlé, Márcia Bertolini.

A visão é apoiada no que orienta o primeiro programa de saúde mental do mundo, o Mente em Foco, do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, a porta-voz Flávia Vianna conta que "tratar é um processo construído diariamente pelas empresas. Não é da área de sustentabilidade, de ESG e nem de RH. É preciso que todas as áreas estejam envolvidas e entendendo o desafio que é, mas também a oportunidade que é trabalhar com saúde mental. Reduzindo o preconceito, sem receio de ser procurado como apoio e de buscar ajuda, se preciso".

Já que se fala em educação, porém, sem professor, quem faria o papel daquele que serve como exemplo, que demonstra não ser um problema falar do assunto? Sim, o líder. Aliás, líderes tem mais influência do que terapeutas sobre as vidas das pessoas - em uma comparação de 69% a 31%, respectivamente, revelou uma pesquisa realizada com três mil pessoas pela consultoria internacional Workforce.

A Nestlé começou seus programas desse modo: "Trouxemos os líderes. Falamos sobre o problema, que era um tabu. Identificamos os sintomas e assumimos de frente. Ajudamos todos a se expressar, porque muitos tem dificuldade em assumir que tão precisando de ajuda nesse sentido", conta Márcia. "É preciso criar um ambiente de segurança psicológica. O colaborador precisa se sentir à vontade para falar que 'hoje não tô bem, só quero chorar', por exemplo".

"Por isso é importante treinar o líder", complementa Dante. "Porque pelo histórico, sabemos que há mais chance do líder ser patológico, tóxico". Esse processo pode ser longo e também tem chances de não funcionar, a depender do perfil do líder. Por isso surgem empresas para atender outras empresas que precisam de uma evolução no tratamento da saúde mental dos colaboradores, como a ZenKlub. A CRO, Maria Barreto, conta que percebe envolvimento maior do chamado C-Level (CEOs, CFOs, COOs). "Eles perceberam que é importante cuidar dos colaboradores. Pra evitar um adoecimento geral e o custo que isso gera", relata.

"Ainda é importante observar as diferenças que podem existir dentro de uma mesma empresa. Às vezes, com o mesmo programa de saúde mental você consegue um resultado ótimo em um setor e péssimo em outro. Por isso tem que sempre mensurar. Qual conteúdo tá gerando valor e qual não tá e etc. As empresas já entenderam que é importante, mas ainda tão se confundindo em como fazer", analisa Maria.

A chance para alcançar o mais alto nível de eficiência em programas de saúde mental pode estar no ESG, segundo Dante. "Simplesmente porque o ESG une aspectos antes considerados diferentes. Esse foco mais abrangente da sustentabilidade, que não é só meio ambiente, pode ajudar a entender e gerar mais resultado na saúde mental. Porque se vê impactos internos e externos e cuida das pessoas em sua totalidade".

Para mais ideias e dicas sobre saúde mental e ESG, assista ao Foco ESG:

Veja também:

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

portalnews
sbtnews
podcast
foco-esg
esg
sustentabilidade
meio ambiente
sociedade
governança
empresa
empreendedorismo
ceo
cfo
coo
saúde mental

Últimas notícias

Mega-sena acumula e prêmio vai a R$ 56 milhões

Mega-sena acumula e prêmio vai a R$ 56 milhões

Apostas podem ser feita até às 19h de sábado (13); 69 pessoas acertaram a quina e levaram quase R$ 50 mil
Lira x Padilha: Lula não cogita trocar ministro, muito menos por alguém do Centrão; veja análise

Lira x Padilha: Lula não cogita trocar ministro, muito menos por alguém do Centrão; veja análise

Presidente da Câmara chamou articulador do governo de "incompetente" e "desafeto pessoal"; petista reagiu postando vídeo em que Lula o elogia
EUA apontam para possível ataque do Irã em Israel nas próximas 48h, diz jornal

EUA apontam para possível ataque do Irã em Israel nas próximas 48h, diz jornal

Inteligência norte-americana prevê bombardeio com mísseis e drones em prédios militares e governamentais
Lei das Saidinhas: entenda como veto de Lula pode criar novo desgaste com o Congresso

Lei das Saidinhas: entenda como veto de Lula pode criar novo desgaste com o Congresso

Presidente seguiu conselho de Lewandowski e barrou trecho que impedia visitas de detentos às famílias em feriados e datas comemorativas
SP: Suspeitos de envolvimento na morte de fisiculturista são presos

SP: Suspeitos de envolvimento na morte de fisiculturista são presos

Investigação aponta que crime foi motivado por dívida; mentor devia dinheiro à vítima e convenceu comparsa a participar do delito
Biden anuncia perdão de US$ 7,4 bilhões em dívidas estudantis

Biden anuncia perdão de US$ 7,4 bilhões em dívidas estudantis

Nova rodada eleva alívio total dos débitos para US$ 153 bilhões; iniciativa faz parte de promessa eleitoral
MC Ryan SP fala sobre Ferrari apreendida após abordagem da polícia

MC Ryan SP fala sobre Ferrari apreendida após abordagem da polícia

Carro de luxo originalmente preto está “envelopado” na cor vermelha; ação não é permitida sem regularização junto ao Detran
Aproximação de frente fria traz temporais e ondas de até 3 metros no Sul do Brasil

Aproximação de frente fria traz temporais e ondas de até 3 metros no Sul do Brasil

Condição será de tempo mais instável e úmido, o que vai manter a sensação de frio em algumas áreas
FALSO: Post usa dados falsos sobre PIB e inflação e inventa fala de Haddad sobre impossibilidade de pagar funcionalismo

FALSO: Post usa dados falsos sobre PIB e inflação e inventa fala de Haddad sobre impossibilidade de pagar funcionalismo

Confira a verificação realizada pelos jornalistas integrantes do Projeto Comprova
Homem que matou morador de rua por dívida de R$ 50 é condenado a 27 anos de prisão

Homem que matou morador de rua por dívida de R$ 50 é condenado a 27 anos de prisão

Réu já havia sido condenado em três processos anteriores por roubos e lesão corporal
Publicidade
Publicidade